Frecha da Mizarela-Arouca a maior e bela cascata Portuguesa Frecha da Mizarela - Serra da Freita - Arouca Ondas da Serra
sábado, 13 junho 2020 02:04

Frecha da Mizarela-Arouca a maior e bela cascata Portuguesa

Classifique este item
(2 votos)

A Frecha da Mizarela foi esculpida na Serra da Freita em Arouca, perto da aldeia de Albergaria da Serra, onde o Rio Caima despeja brutalmente e destemido as águas no abismo.

Frecha da Mizarela - Arouca, a maior e bela cascata Portuguesa

Esta é uma das maiores fraturas geológicas existentes na Península Ibérica, a sua grandiosidade pode ser contemplada do miradouro das aldeias da Mizarela e Castanheira, no lado oposto da encosta. Esta última mais conhecida pelas pedras parideiras, fenómeno assaz curioso onde as pedras parem pedras, para perpetuarem geração.

Esta é uma das maiores quedas de água do distrito de Aveiro, com 60 metros de altura, nós também já visitamos a da Cabreia situada em Sever do Vouga, com 25 metros. Ambas têm a sua beleza e personalidade, uma mais quente, austera e serrana outra fria, verde e luxuriante. Agora falta-nos ir conhecer a cascata das Aguieiras em Alvarenga, com um conjunto de desníveis que totalizam cerca de 160 metros.

Leia também: Parque da Cabreia

Os mais destemidos e em boa forma física, podem descer pela encosta até ao vale profundo, devidamente equipados com calçado e roupa apropriada. O trilho fica localizado perto do miradouro da Mizarela. É curioso vermos descer pelo difícil percurso, pessoas de todas as idades, sexos e vontades, sem cuidados ou equipados. Por vezes paramos a contemplar namoradas a tomar a dianteira e convencer os seus rapazes para descerem até ao fundo. Eles de calças modernas e ar citadino armam um “Ainda falta muito, mas se tu queres”, e continuam pé ante pé, com cara de caso, tempos modernos.

O esforço compensa os aventureiros que têm à sua espera no fundo do vale uma vista soberba sobre as grossas águas que caem do firmamento e uma pequena cascata de águas temperadas no verão para se refrescarem.

O nosso leitor Manuel Serôdio partilhou connosco uma memória da avó, Ana Rosa Marques, também conhecida por "tia Barnabé", (nome do avô), que viveu no lugar da Espinheira - Oliveira de Azeméis. Em temos ela ensinou-lhe uma canção sobre este local que a mãe perpetuou, e que ainda hoje conhece:

A água da Mizarela, alta está ela, deixem-na estar... que os fidalgotes do Porto, por ela ser boa querem-na encanar. A água lhes respondeu, cá nestas alturas quem manda sou eu, e nem tinheis tanto esforço para me encanarem daqui para o Porto.

Frecha da Mizarela*

Aqui, o rio Caima projeta-se a mais de 60 metros de altura, num espetáculo natural digno de ser contemplado, à escuta das águas que correm pelas rochas graníticas aproveitado pelos praticantes de canyoning. Do miradouro observa-se, a três dimensões, o granito da serra da Freita, uma rocha mais dura e resistente à erosão fluvial do que a generalidade dos micaxistos localizados a jusante. Estas rochas metamórficas ante-ordovícicas, por serem mais brandas e macias, tornam a erosão fluvial mais eficaz, algo que é bem visível na paisagem, devido ao rebaixamento topográfico que apresentam.

Mas não é só esta erosão diferencial que explica a origem da Frecha da Mizarela. Acredita-se que o sistema de falhas que condiciona toda a serra da Freita terá, igualmente, desempenhado um papel importante para a ocorrência deste fenómeno. Neste sentido, a movimentação dos blocos associada à Orogenia Alpina terá contribuído significativamente para o encaixe do rio e para a formação deste grande desnível.

As encostas íngremes que circundam esta queda de água apresentam um verde luxuriante, com relíquias da vegetação primitiva da serra da Freita. Da Laurissilva persiste, na base da Frecha, o rododendro (Rhododendron ponticum subsp. baeticum) e nas escarpas observam-se as árvores representativas da Fagossilva, com enfase para o carvalho-alvarinho (Quercus robur) e o carvalho-negral (Quercus pyrenaica), entre outras espécies raras e protegidas.

Biodiversidade da Serra da Freita*

Loendro - Serra da Freita - Arouca Geoparq

Este vale é um refugio para a biodiversidade, lar do loendro, espécie endémica muito rara e de aves de rapina, que se elevam no ar com correntes ascendentes e com sorte você poderá ver o falcão-peregrino, águia-de-Bonelli, bufo-real, tartaranhão-caçador, milhafre-preto, peneireiro-comum, águia-cobreira, coruja-do-mato ou o mocho-galego.

Segredos duma queda de água*

Os rios desgastam as rochas escavando vales. Aqui, o rio Caima passa de um leito granítico para um xistento. Porque o granito resiste melhor ao desgaste provocado pelas águas do que os micaxistos mantém-se a um nível topográfico mais elevado. Além disso, esta região é afetada por um conjunto de falhas que facilitam a erosão contribuindo também para o desnível verificado na paisagem onde ocorre esta queda de água.

Serra da Freita*

Do alto dos seus mais de 1000 metros, a serra da Freita oferece um colorido raro, povoado por vacas. As aldeias da Mizarela, Albergaria da Serra, Cabaços e Castanheira, típicas aldeias serranas, localizadas a mais de 900 metros de altitude, marcam a paisagem. A importância da Frecha da Mizarela reflete-se ainda no património cultural imaterial local, com um belo canto polifónico a três vozes a celebrar as suas águas e a sua altura.

*Fonte: Arouca Geopark

Leia também: Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

 

Vídeo da descida à Frecha da Mizarela

 Galeria de fotos

 

Lida 2279 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Ponte suspensa de Arouca para enfrentar o caminho do abismo

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.