Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira Observatório das pedras parideiras - Aldeia da Castanheira - Serra da Freita - Arouca Ondas da Serra
segunda, 15 junho 2020 10:56

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Classifique este item
(3 votos)

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Aldeia da Castanheira - Arouca

O Ondas foi apresentado nas imediações da aldeia da Castanheira a estas pedras, no trilho do PR15 – Viagem à Pré-História. Nós fizemos este percurso na primavera e ao aproximar-nos desta terra, fomos acometidos pela sua beleza, com as encostas engalanadas em tons amarelos e lilases de urze, carqueja e giestas, emanando delicados aromas perfumados. Em baixo os verdes campos agrícolas tratados com esmero, contrastavam com os azuis celestes.

Leia também: Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

Centro de Interpretação das Pedras Parideiras

A dada altura perto dum riacho que tivemos que saltitar para não provar a água, vimos umas estranhas rochas com sulcos ovais de cor escura e espalhados pelo chão os seus filhos em pranto pelo afastamento materno. Aqui entendemos que não necessitávamos de ir ao Centro de Interpretação para as ver, o qual por sinal até se encontrava fechado, mas onde é também possível as encontrar num anexo aberto e protegido destas instalações.

Vídeo das Pedras Parideiras

Este centro foi criado em 2012 e até já teve honras de visita de Chefe de Estado. Em frente ao edifício foram construídos uns passadiços para os visitantes se maravilharem com o nascimento destas criaturas, contudo lamentamos informar que o seu parto é demorado e muito doloroso.

Os nossos leitores depois desta visita podem aproveitar para verem na encosta oposta ali próximo a queda de água da Frecha da Mizarela, basta seguir a estrada. Aqui a visão da falha geológica que propiciou o seu nascimento é muito mais visível e acentuada, se tiver uns binóculos aqui irá fazer um bom uso deles.

Pedras Parideiras*

O afloramento das Pedras Parideiras (geologicamente designado de granito nodular da Castanheira) é um fenómeno de granitização único no mundo. Trata-se de um afloramento granítico que tem incrustados nódulos envolvido por uma capa de biotite (mica negra) em forma de disco biconvexo. Estes nódulos são mais resistentes aos agentes de meteorização do que a rocha encaixante destacando-se, por isso, da rocha mãe. Por ação da erosão, os nódulos libertam-se e acumulam-se no solo, deixando na rocha uma cavidade cujas paredes estão revestidas por uma capa biotítica. Na linguagem popular, as pedras “parem” outras, daí o nome “pedras parideiras”. A sua importância deve-se à raridades deste fenómeno à escala mundial e ao misticismo que lhe atribui o povo.

*Fonte: Arouca Geopark

Leia também: Arouca | Campo de Dobras da Castanheira - Um retrato do nosso passado geológico

Fotos das Pedras Parideiras

Lida 2394 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

O que visitar na Serra da Arada no belo Trilho das Bétulas

Saltando sobre picos montanhosos, cruzamos a imensidão da Serra da Arada, no concelho de São Pedro do Sul, que irrompeu pelo Maciço da Gralheira, no reino das Montanhas Mágicas e aventureiros descobrem a Rota da Água e da Pedra. Nesta serra trilhamos a Rota das Bétulas, que começa junto do Retiro da Fraguinha, que encerra religiosamente um pedaço de turfeira, antigo tesouro do tempo das glaciações. Do alto do espetacular Miradouro da Ribeira Escura, vislumbramos as aldeias de Candal e Póvoas das Leiras, que se fazem acompanhar pela Ribeira de Paivó e uma levada que parte da Lagoa da Fraguinha. Os modernos moinhos de vento chegaram como maquiavélicas criaturas, dotados de eólicos braços, que prostrados em cimo dos penedos ameaçam tudo o que a vista alcança, brandindo as suas facínoras espadas. Vamos então viajar e conhecer estes recantos, onde tão desrespeitado tempo viajou para paragens mais afortunadas e bafejadas pela agitação, desassossego e humano desatino.

O que visitar na Serra de São Macário onde viveu o ermita

A Serra de São Macário em São Pedro do Sul, parece ter sido esculpida para intrépidos exploradores, que se alimentam de cruas rochas e agrestes penedos. Subindo estas montanhas irrompemos pelos céus, ziguezagueando pela estrada do inferno. Nestes castelos encontramos mitos populares de força e inspiração tamanhas. Aqui em verdes prados fomos conduzidos até à gloria do senhor e descansamos nas águas refrescantes das suas aldeias. Vamos agora refugiar-nos como o santo, fugindo dos nossos pecados, longe de vista humana e pedir absolvição pelos nossos padecimentos.