Pág. 1 de 6

Regressamos em peregrinação a Santiago de Compostela, para visitar o Apóstolo, de quem somos devotos e nos guia neste caminho. Para esta viagem escolhemos o Caminho Português de Santiago Interior, que nos colocou toda a espécie de dificuldades, pelo seu belo, mas tortuoso e difícil percurso. Na primeira tentativa começamos em Viseu, mas grossos mares nos fustigaram e naufragamos destroçados em Castro Daire. Voltamos com melhor organização, preparação física e mental para a dureza da viajem. Nesta tentativa o Santo foi-nos favorável e concedeu-nos a graça de chegarmos a bom porto e lhe prestar orações. Nesta empresa percorremos 400 km, durante sete dias, por caminhos milenares entre Portugal e Espanha. Neste artigo vamos contar-lhe esta aventura, os locais por onde passamos, onde comemos, dormirmos, conhecemos e dar-lhes algumas dicas e sugestões que podem ser úteis para organizar a sua peregrinação.

Saltando sobre picos montanhosos, cruzamos a imensidão da Serra da Arada, no concelho de São Pedro do Sul, que irrompeu pelo Maciço da Gralheira, no reino das Montanhas Mágicas e aventureiros descobrem a Rota da Água e da Pedra. Nesta serra trilhamos a Rota das Bétulas, que começa junto do Retiro da Fraguinha, que encerra religiosamente um pedaço de turfeira, antigo tesouro do tempo das glaciações. Do alto do espetacular Miradouro da Ribeira Escura, vislumbramos as aldeias de Candal e Póvoas das Leiras, que se fazem acompanhar pela Ribeira de Paivó e uma levada que parte da Lagoa da Fraguinha. Os modernos moinhos de vento chegaram como maquiavélicas criaturas, dotados de eólicos braços, que prostrados em cimo dos penedos ameaçam tudo o que a vista alcança, brandindo as suas facínoras espadas. Vamos então viajar e conhecer estes recantos, onde tão desrespeitado tempo viajou para paragens mais afortunadas e bafejadas pela agitação, desassossego e humano desatino.

A Serra de São Macário em São Pedro do Sul, parece ter sido esculpida para intrépidos exploradores, que se alimentam de cruas rochas e agrestes penedos. Subindo estas montanhas irrompemos pelos céus, ziguezagueando pela estrada do inferno. Nestes castelos encontramos mitos populares de força e inspiração tamanhas. Aqui em verdes prados fomos conduzidos até à gloria do senhor e descansamos nas águas refrescantes das suas aldeias. Vamos agora refugiar-nos como o santo, fugindo dos nossos pecados, longe de vista humana e pedir absolvição pelos nossos padecimentos. 

Levou-nos a bruma da maré à Praia dos Pescadores de Angeiras - Lavra - Matosinhos. No extremo norte deste concelho, na praia de Angeiras, subsiste uma das últimas comunidades de pesca artesanal da região. Fundeamos neste reino quando navegávamos pedalando por marítimos passadiços entre Porto e Vila do Conde. Ao entrar no seu portinho, deparámo-nos com grande reboliço de lobos do mar, trabalhando desalmadamente nas artes de pesca que atascavam o caminho, alheios ao ocioso forasteiro. As afoitas gaivotas voavam e aterravam sem pudor para roubar pescado, nas barbas de pescadores desinteressados da ofensa. As embarcações nidificavam no areal, olhando temerosas o mar revolto que as pode tragar, mas que a bonança e preces a santos populares as fazem quase sempre regressar. Neste artigo vamos conhecer um pouco desta típica vila piscatória, alguns dos seus valentes homens, o seu portinho, rica história e o local escavado na rocha onde romanos salgaram peixe.

Fomos conhecer a Serra de São Macário, onde meditou o ermita, penitenciando-se pelos pecados e vida boémia que viveu, enclausurado em serrados e impenetráveis penedos, longe da vista humana. No fundo do vale o povo erigiu com xisto a Aldeia da Pena, com vista para a Livraria da Pena, onde se pode ler na curiosa geologia e restos fossilizados da passagem de trilobites a história do ordovício há 480 milhões de anos. A rota da Cabra e do Lobo de São Pedro do Sul começa nesta Aldeia de Portugal, caminha por paisagens que a elevação humana não abarca, passando pelas igualmente formosas aldeias de Covas do Monte e Covas do Rio. É esta odisseia pelo passado que lhes vamos contar neste artigo, onde vimos cabras e até um lobo fugidio.  

Novos percursos da Ecopista do Vouga | Ecopista de São Pedro do Sul e Ecopista de Vouzela

O Ondas da Serra regressou de bicicleta à Ecopista do Vouga, para conhecer a Ecopista de São Pedro do Sul e a mais recente Ecopista de Vouzela, que também aproveitaram o antigo percurso ferroviário. O caminho que escolhemos começou na Serra da Freita e terminou na estação ferroviária de Macinhata do Vouga. Neste artigo vamos contar-lhes a nossa aventura através dum percurso espetacular que também pode fazer pelos melhores trilhos de Viseu e Aveiro.

Pág. 1 de 6