Praia Fluvial de Albergaria da Serra para nadar ou petiscar Arouca | Serra da Freita - Praia Fluvial de Albergaria da Serra Ondas da Serra
domingo, 07 junho 2020 16:44

Praia Fluvial de Albergaria da Serra para nadar ou petiscar

Classifique este item
(2 votos)

A Praia Fluvial de Albergaria da Serra, localizada no planalto da Serra da Freita em Arouca, oferece nos dias quentes de verão uma boa alternativa às águas do litoral. Esta praia está integrada numa área de recreio onde pode descansar nos seus extensos relvados, desfrutar das montanhas em redor, aproveitar as mesas para petiscar os seus grelhados nos assadores disponibilizados. 

Área de Recreio e Lazer de Albergaria da Serra

Nas paragens desta serra banhada pelo Rio Caima, cresceu um pequeno açude de águas temperadas, não muito profundas, mas límpidas e cristalinas. O local foi requalificado, com extensas zonas de relvadas, casas de banho, campo de jogos de futebol, arvoredo, mesas e grelhadores, para lhe dar um típico dia português do petisco regado com vinho.

As famílias aglomeram-se à volta das mesas, grelhadores e jogos tradicionais, outros de barriga cheia e exalando emanações vinícolas, dormitam nas frescas sombras, um descanso do forte guerreiro merecido, retemperando forças para os combates que se avizinham. Os jovens cortejam raparigas que dão gritinhos dos piropos e brincadeiras, algumas gostam, mas fingem desdenho e dizem que a água está fria.

Vídeo da Praia Fluvial de Albergaria da Serra

Gado da raça Arouquesa

Se visitar este local esteja preparado para ter um encontro com fortes criaturas de raça Arouquesa que ali vão beber água ou ruminar erva, alheios aquela súbita algazarra que todos os anos acontece, no pensar dos animais “vá-se lá saber porquê”. Para os menos familiarizados com esta coexistência comum é natural que fiquem pouco à vontade, mas há muitas décadas que por aqui paramos e nunca os vimos fazer mal a ninguém, se bem que por vezes o mereçam.

Rio Caima

Este local oferece também outros motivos de interesse, ali perto o Caima precipita-se para o abismo na maior queda de água do distrito. Se tiver energia pode descer pela sua encosta até ao vale profundo e subir os patamares onde se formam pequenos lagos aproveitados pela juventude para se divertir e estar resguardada de olhares mais persecutórios. Se estiver no miradouro é fácil ver um pequeno trilho que começa junto do lado esquerdo da estrada que desce. Se quiser fazer esta aventura depois do almoço, leve calçado adequado e prepare-se para caminhar algumas centenas de metros.

Leia também: Arouca | Frecha da Mizarela - A maior cascata de Aveiro

Marmitas do Caima

Junto à pequena ponte sobre o rio fica localizada o geossítio das “Marmitas do Caima”, milhares de anos de redemoinhos, águas com ajuda de seixos cavaram nas rochas formatos circulares que fazem lembrar marmitas.

Se for ainda mais radical, de um salto à aldeia da Sernadinha em Manhouce, a cerca de 12 quilómetros, para conhecer a Cascata do Poço Negro.

Vídeo de gado da raça Arouquesa a beber no rio

 

  
 

Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

Ondas da Serra regressou Arouca para conhecer melhor a Serra da Freita, pelos caminhos do trilho “Viagem à Pré-História”.Esta é uma das épocas do ano mais aconselhadas para fazer este percurso, porque a mãe natureza acordou para florir as encostas despidas destes montes com urze, carqueja e giestas, pintando-as de tonalidades amarelas e lilases, que enchem o ar com doces odores perfumados.

 

 

Poço Negro | Uma cascata de águas cristalinas

O Ondas da Serra foi até à aldeia de Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul, para conhecer a cascata do Poço Negro. Esta pérola de Viseu foi esculpida pela natureza durante anos de intenso labor com água e cinzel.

 

Lida 3024 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.

Meitriz aldeia de xisto com bela praia fluvial no Rio Paiva

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou. 

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.