Poço Negro – Manhouce, cascata para os destemidos vencerem Cascata do Poço Negro - Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul - Viseu Ondas da Serra

Poço Negro – Manhouce, cascata para os destemidos vencerem

Classifique este item
(4 votos)

O Ondas da Serra foi até à aldeia de Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul, para conhecer a cascata do Poço Negro. Esta pérola de Viseu foi esculpida pela natureza durante anos de intenso labor com água e cinzel.

Cascata do Poço Negro - Aldeia de Sernadinha - Manhouce

Poço Negro - Aldeia de Sernadinha - Manhouce

Ao chegar a Sernadinha não faltam placas indicativas, mas a estrada passa depois para terra batida em mau estado e se não quiser ficar longe arrisque e tente estacionar perto da pequena albufeira do aproveitamento elétrico do Carregal. O Rio Teixeira foi o artífice desta obra prima, moldando cuidadosamente a baía para delícia dos amantes de águas cristalinas, saltos para a água e comunhão com a natureza.

Este curso de água passa na aldeia de Paraduça – Vale de Cambra, onde um dia fomos tão bem-recebidos, mas as nossas ligações continuam, porque se ele nasce em São Pedro do Sul, desagua no nosso Vouga, em Couto de Esteves – Sever do Vouga, onde já fizemos vários trabalhos e temos amigos.  

Leia também: Paraduça e suas gentes

Junto à parte superior da cascata, as águas tiveram milhares de anos para escavarem com ajuda de seixos, depressões circulares conhecidas por marmitas, que também podem ser encontradas junto à Frecha da Mizarela, na serra da Freita ali próximo.  

Cascata do Poço Negro   

Nós pensamos que o nome “Poço negro”, pode vir das águas se tornarem escuras rapidamente para quem mergulha nas suas profundezas e das sombras projetadas.  

Por aqui para a juventude com energia, alegria e coragem para se lançarem das suas alturas, embora nós mais velhos imprudentemente também o tivéssemos feito, mas são muitos anos de aventura e sabedoria de movimentos. Aqui fica uma chamada de atenção, só deve mergulhar se dominar bem os movimentos e conhecer o local.

Esta cascata tem muitas potencialidades, mas é necessário melhorias nos acessos, recipientes para o lixo, fiscalização e a consciencialização das pessoas que não podem destruir o que a mãe natureza partilha.  

Praia Fluvial de Albergaria da Serra

Se este local não esgotar as suas energias pode ainda dar um salto ali próximo à Praia Fluvial de Albergaria da Serra. Pelo caminho na zona da aldeia da Castanheira, pode visitar as Antas do Monte Calvo, o Radar Meteorológico de Arouca, a formação geológica “Dobras da Castanheira” e as Pedras Parideiras. No nosso caso fomos um pouco até à praia fluvial e ainda a tempo de assistir a tropelias do gado de raça arouquesa, mas fica para contar outro dia.

Aproveitamos para mandar uma abraço aos nossos vizinhos viseenses e destacar que também têm belezas para partilhar, assim as saibam estimar.

Leia também: Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

Vídeo "Poço Negro - Manhouce | Uma cascata e lago de águas cristalinas"

Galeria de fotos do Poço Negro em Manhouce

Lida 8227 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.

Meitriz aldeia de xisto com bela praia fluvial no Rio Paiva

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou. 

O que visitar na Serra da Arada no belo Trilho das Bétulas

Saltando sobre picos montanhosos, cruzamos a imensidão da Serra da Arada, no concelho de São Pedro do Sul, que irrompeu pelo Maciço da Gralheira, no reino das Montanhas Mágicas e aventureiros descobrem a Rota da Água e da Pedra. Nesta serra trilhamos a Rota das Bétulas, que começa junto do Retiro da Fraguinha, que encerra religiosamente um pedaço de turfeira, antigo tesouro do tempo das glaciações. Do alto do espetacular Miradouro da Ribeira Escura, vislumbramos as aldeias de Candal e Póvoas das Leiras, que se fazem acompanhar pela Ribeira de Paivó e uma levada que parte da Lagoa da Fraguinha. Os modernos moinhos de vento chegaram como maquiavélicas criaturas, dotados de eólicos braços, que prostrados em cimo dos penedos ameaçam tudo o que a vista alcança, brandindo as suas facínoras espadas. Vamos então viajar e conhecer estes recantos, onde tão desrespeitado tempo viajou para paragens mais afortunadas e bafejadas pela agitação, desassossego e humano desatino.