Entre Ambos-os-Rios | Uma península fluvial Rio Tamente - Entre Ambos-os-Rios - Ponte da Barca Ondas da Serra

Entre Ambos-os-Rios | Uma península fluvial Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Localizada no concelho de Ponte da Barca, a freguesia de Entre Ambos-os-Rios, não é uma jangada de pedra, embora a sua península formada pelos rios Lima, Tamente e Froufe pareça ter uma grande vontade de ir conhecer o oceano atlântico lá para os lados de Viana do Castelo.

Capela de São Tomé - Lourido - Entre Ambos-os-Rios - Ponte da BarcaNa bonita região do Minho, junto do Parque Nacional Peneda-Gerês e da Serra Amarela, a localidade de Entre Ambos-os-Rios nasceu por casualidade geográfica entre dois rios que ali se encontram com o Lima.

Nesta foz fluvial só sobejou um pedaço de terra, muito arborizado, cheio de ruidosa e afinada passarada. Aqui foi construído um bonito, aprazível e organizado parque de campismo. É pena os caninos andarem de rédea solta por entre os campistas, debaixo do telheiro dos grelhados e demais lugares que lhes aprouver, embora as regras não o permitam, mas enquanto ninguém for mordido ou acontecer uma desgraça, não se tranca a porta.

Apesar de termos passado apenas um fim-de-semana no local ainda fomos a banhos nas lagoas e quedas de água do rio Froufe, Lagoa de Chão d’Além, Poço de Froufe e Cascata da Ermida.

O Vale que dá acesso à cascata é duma grande beleza, a estrada estreita que serpenteia os montes da Serra Amarela, não permite em alguns locais o cruzamento com segurança das viaturas, por isso é preciso cuidado.

Estávamos no parque de campismo a estudar o mapa da região e relembramos uma terra chamada COVIDE, perto do Campo de Gerês onde já estivemos a almoçar num restaurante tradicional no ano passado longe de imaginar o medo e desgraça que um seu maléfico parente iria provocar.

No domingo bem cedo, ainda os pássaros acordavam e já pedalávamos de bicicleta por estas terras e a meio da manhã paravamos na aldeia do Lourido, junto à capela de São Tomé, para admirar um arco com um São João cabisbaixo, talvez por não lhe ofertarem as honrarias populares habituais. Pedimos a este santo e demais que intercedam pelo homem para debelar tão grande infortúnio que sobre ele caiu.

No regresso passamos por Ponte de Lima, onde decorria a feira semanal para beber uns verdes com a ponte medieval defronte e almoçar o seu saboroso arroz de sarrabulho. Relembramos as vezes que transpusemos esta antiga passagem a caminho de Santiago de Compostela e com a Serra da Labruja ali tão perto a clamar por nós, já vamos.

Leia também: Bom caminho - Buen camino

Decididamente havemos de regressar a esta região, onde as pessoas são de boas falas, as terras de boa comida e as águas não são grossas.  

 

 

 

 

 

 

Lida 333 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Pedras Boroas do Junqueiro | As côdeas do povo

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, rochas dobradas com milhares de anos, pedras que dão à luz ou são pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos resolverem tomar forma de boroas para enganar o engenho humano.

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.

Arouca | Campo de Dobras da Castanheira - Um retrato do nosso passado geológico

A caminho da aldeia da Castanheira, na Serra da Freita em Arouca, onde as pedras brotam pedras e são conhecidas por parideiras, fica localizado o “Campo de dobras da Castanheira”, um dos geossítios mais interessantes do Arouca Geopark.