Pág. 1 de 20

Ovar (117)

Ovar

O concelho de Ovar dispõe de uma excelente localização e ótimas acessibilidades. Localizado no Distrito de Aveiro, ocupa uma posição excêntrica no litoral norte, ficando próxima dos maiores centros urbanos do Norte e Centro de Portugal – Porto e Aveiro.

Com uma área total de 160.64 Km2. Integra oito freguesias Arada, Cortegaça, Esmoriz, Maceda, Ovar, S. João, São Vicente de Pereira e Válega.

Substituindo um antigo concelho extinto, Ovar teve carte de fora dada por D. Manuel I, em 10 de fevereiro de 1514. Terra de lavradores, pescadores, comerciantes e artesãos. Ovar conheceu os rumos da industrialização e urbanização a partir doa anos 50 do século passado.

O desenvolvimento económico não perturbou os hábitos multisseculares, mantendo vivas as tradições do Cantar dos Reis, das Procissões Quaresmais, das festividades de verão e da grande festa popular que é o Carnaval.

O concelho de ovar dispõe de um património natural riquíssimo (a floresta, a Ria e as praias), um importante património arquitetónico e cultural (azulejo e arte sacra), o afamado Pão-de-Ló de Ovar, tudo isto aliado à modernidade de uma rede de acessos privilegiada, várias zonas industriais, comércio e serviços, equipamentos desportivos de qualidade e de uma rede de ecopistas e ciclovias com ais de 40 km de extensão.

A história vareira de Ovar está profundamente enredada na pesca artesanal, onde grossos mares reclamaram tantas vidas. As suas varinas saindo de canastra à cabeça, vergadas pelo jugo do peso, caminhando descalças muitas léguas sem fraquejar ou reclamar, apregoavam com rouca marítima voz, “Sardinha do nosso mar”, pelos cantos recônditos do nosso distrito e arredores, levando o seu vozeirão até à longínqua Régua. As companhas de pesca às centenas, pescando cegamente com Arte Xávega, foram morrendo e hoje neste concelho são menos que os dedos da mão. Um destes dias ainda com noite fechada, arremetemos pelo formoso mar, navegando com os pescadores da “Companha Jovem”, a única sobrevivente da praia do Furadouro. É esta história que vamos contar, as vivências destes robustos pescadores, com as suas glórias e angústias, últimos representantes duma arte tradicional que merecia mais atenção, para não deixar morrer a nossa memória, porque nem tudo são cantigas ou distribuição anárquica de subsídios. 

Henrique Araújo, independente do Movimento 2030, apresenta-se como um homem que não é profissional da política, que gosta de fazer o bem pela causa pública, dizendo que é apelidado com frequência de megalómano, mas que a história por vezes transforma em visionários. A razão principal desta entrevista foi a destruição do Perímetro Florestal das Dunas de Ovar, que depois duma suspensão para avaliação, recomeçou novamente no talhão 74. Os factos apresentados não deixam grandes dúvidas dos atropelos que se cometeram, numa floresta que passou de proteção, para conservação e acabou em produção e que está em investigação judicial, para apuramento se foram cometidos crimes. Nós quisemos também ouvir que propostas este movimento tem para o concelho de Ovar.

As margens da extensa laguna da Ria de Aveiro, oferecem aos amantes da natureza, birdwatching, caminhadas e BTT, inúmeros locais paradisíacos para explorar. Alguns destes percursos estão já devidamente referenciados, mas há outros menos conhecidos que permitem viajar na companhia da ria, pelo lado lunar, por trilhos em terra batida, taludes ou passadiços. O Ondas da Serra ao longo do tempo foi explorando estes recônditos caminhos, catalogando e unindo alguns percursos menos conhecidos. Neste artigo vamos dar-lhe a conhecer um trilho entre Ovar e Aveiro, com mais de 80 quilómetros, pelo lado nascente da ria, assinalar cais, ribeiras e esteiros, pontos de interesse, fauna e flora. Vamos também disponibilizar os arquivos de tracking para os seus aplicativos de desporto, de forma a poderem também seguir a nossa exploração.

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Das mãos feridas por cortes, nascem no templo do Mestre, à força da têmpera e bigorna, facas, espadas, catanas e navalhas, que só um cuteleiro sabe forjar. O Ondas foi conhecer em Ovar, um raro homem de sabedoria ancestral, de nome António Santiago, que do bruto metal, imbuído de crenças orientais, faz peças únicas que intimidam só pelo olhar.

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Pág. 1 de 20