Pág. 1 de 6

Fazer (32)

Fazer

Arouca possui bastantes potencialidades turísticas, caraterizada por uma rica gastronomia e doçaria conventual. Situada entre várias serras, com povoações plantadas em locais improváveis, possui uma atmosfera ímpar para as amantes da natureza, montanhismo, caminhadas, desportos radicais e fotografia. Os incêndios tem destruído muito do seu valioso património natural mas ainda subsistem manchas de floresta autóctone como o PR10, rota dos Aromas. Este percurso em conjunto com o PR1 Caminhos de Montemuro formam os únicos a não serem afetado pelos fogos. Arouca tem nos Passadiços do Paiva um dos seus cartazes mais conhecido mas não se esgota nele, descubra por si próprio as aldeias perdidas na serra, algumas desabitadas mas não abandonadas, como Drave, em cascata pelos montes como Regoufe ou Noninha. Gente hospitaleira e humilde acolhe quem os visita sempre com um sorriso no rosto.

“...torneia-se o monte e começa a descida para o vale de Arouca. A encosta e o vale igualam em beleza a Sintra e excedem-na em vastidão.”

Alexandre Herculano, 1854

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, rochas dobradas com milhares de anos, pedras que dão à luz ou são pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos resolverem tomar forma de boroas para enganar o engenho humano.

A caminho da aldeia da Castanheira, na Serra da Freita em Arouca, onde as pedras brotam pedras e são conhecidas por parideiras, fica localizado o “Campo de dobras da Castanheira”, um dos geossítios mais interessantes do Arouca Geopark.

A Praia Fluvial de Albergaria da Serra, localizada no planalto da Serra da Freita em Arouca, oferece nos dias quentes de verão uma boa alternativa às águas do litoral. Esta praia está integrada numa área de recreio onde pode descansar nos seus extensos relvados, desfrutar das montanhas em redor, aproveitar as mesas para petiscar os seus grelhados nos assadores disponibilizados. 

Ondas da Serra regressou Arouca para conhecer melhor a Serra da Freita, pelos caminhos do trilho “Viagem à Pré-História”. A Primavera é uma das épocas do ano mais aconselhadas para fazer este percurso, porque a mãe natureza acorda para florir as suas encostas despidas destes montes com urze, carqueja e giestas, pintando-as de tonalidades amarelas e lilás, que enchem o ar com doces odores perfumados.

Pág. 1 de 6