Conheça as Dobras da Castanheira com 500 milhões de anos Campo de Dobras da Castanheira - Serra da Freita - Arouca Geopark Ondas da Serra
domingo, 14 junho 2020 10:35

Conheça as Dobras da Castanheira com 500 milhões de anos

Classifique este item
(1 Vote)

A caminho da aldeia da Castanheira, na Serra da Freita em Arouca, onde as pedras brotam pedras e são conhecidas por parideiras, fica localizado o “Campo de dobras da Castanheira”, um dos geossítios mais interessantes do Arouca Geopark.

Arouca Geopark

Uma das missões do Arouca Geopark é a proteção e valorização do seu rico património geológico. A nossa Terra tem feito navegar por grossos mares, jangadas de pedras, numa peleja sem naufragar, para criar continentes para o homem habitar.

Estas terras já foram há muitos milhares de anos um extenso leito marinho. Uma das melhores provas é o "Centro de Interpretação Geológica de Canelas", onde está exposto um rico registo fóssil deste passado, com especial ênfase para as maiores trilobites do mundo, criaturas que por aqui viveram e dominavam os mares.

Leia também: Centro de Interpretação Geológica de Canelas

Na estrada que dá acesso à Castanheira, quase passa despercebido este geossítio, onde nos podemos aproximar da antiga obra do Criador e da moldagem que estava a preparar para o nascimento da espécie humana. O que desejamos é que não possa o homem destruir em poucos anos o que tanto trabalho Lhe deu a criar.

Este bailado forçado das plataformas continentais, deformou os estratos rochosos ao ponto de criar dobras em forma de ondas que representam na perfeição a inspiração para o nosso projeto. Quando criamos o nosso logótipo não sabíamos que a natureza já se tinha antecipado.

História Geológica de Arouca - Dobras da Castanheira*

Campo de Dobras da Castanheira - Serra da Freita - Arouca Geopark

O campo de dobras da Castanheira ocorre nas rochas mais antigas do Arouca Geopark. Estas formaram-se há mais de 500 milhões de anos nas profundezas de um mar antigo, onde se depositaram camadas alternantes de sedimentos que, por diagénese e metamorfismo, originaram as rochas xistentas e metagrauvacoides. Nesta região ocorrem ainda inúmeros filões de quartzo.

Há cerca de 350 milhões de anos, os continentes de então começaram a juntar-se para formarem o supercontinente Pangeia e este processo originou uma enorme cadeia montanhosa: as Montanhas Variscas. As rochas intensamente dobradas que aqui são uma espécie de fotografia da formação dessas montanhas antigas, semelhante à atual Cordilheira dos Andes, sendo a Serra da Freita apenas um pequeno resquício das suas raízes, já muito erodidas.

Estas dobras são ­uma deformação em que ocorre o encurvamento das superfícies originalmente planas. As dobras resultam da actução de forças compressivas em rochas com comportamento dúctil.

*Fonte: Arouca Geopark

Leia também: Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

Galeria de fotos das Dobras da Castanheira - Arouca Geopark

Lida 1161 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Ponte suspensa de Arouca para enfrentar o caminho do abismo

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.

Conheça a bonita e maior praia fluvial do Areinho em Arouca

A bonita e aprazível praia fluvial do Areinho é banhada pelo Rio Paiva, ficando localizada na União de Freguesias de Canelas e Espiunca – Arouca, sendo a maior deste concelho que pertence ao distrito de Aveiro. Não se vai arrepender de se banhar nas suas temperadas águas e confie em nós que irá passar um dia magnifico neste aprazível local, que ficou um pouco movimentado por causa dos passadiços do Paiva, mas que não lhe retiraram o encanto.