Ecovia do Arda passeio ribeirinho por passadiços e moinhos Ecovia do Arda - Arouca Ondas da Serra
segunda, 15 abril 2024 00:34

Ecovia do Arda passeio ribeirinho por passadiços e moinhos

Classifique este item
(3 votos)

A Ecovia do Arda, situada em Arouca, com início no coração da vila, é um percurso ribeirinho junto ao rio que lhe inspirou o nome. Os seus 11 quilómetros passeiam pelo interior profundo de seis freguesias, onde se desenrola a vida agrícola, num ambiente bucólico e profundamente rural, com a lida do campo, criação de animais ou o desenrolar diário da vida do seu povo. O visitante ao caminhar ou pedalar pelo seu percurso é surpreendido pela riqueza do seu património natural e arquitetónico, com a profusão de fauna, flora e antigos monumentos. Pelo caminho foram construídos parques de merendas, descanso, atividades radicais e recuperação de moinhos. O percurso foi bem desenhado com construção eficiente do corredor ecológico, passadiços e estruturas metálicas, algumas com 70 metros e passagens vertiginosas sob antigas pontes. O mesmo está bem sinalizado a nível da orientação, sinalização e informação. Em suma, se for conhecer este passeio irá ter uma surpresa agradável e passar um dia tranquilo e sair com forças revigoradas.

Ecovia do Arda: Conheça esta deslumbrante rota ecológica

Ecovia do Arda - Arouca, Parque das Ribeiras - Tropeço

A nossa equipa tinha planeado ir conhecer a Ecovia do Arda quando surgir-se uma oportunidade, no entanto temos que ser sinceros, não colocamos esta reportagem como um objetivo prioritário porque achávamos que seria uma realização normal sem algo extraordinário.

Muitas vezes vamos visitar lugares similares onde depressa percebemos que a obra foi feita sem grande verba, com fraco planeamento, realizações, enquadramento com o espaço envolvente, histórico, social e sem uma visão de fundo para aquilo que as pessoas podem fazer para usufruir do espaço. Acontece por vezes na vida sermos surpreendidos pela positiva e ficamos contentes por ter acontecido com a nossa visita a este percurso.

Ecovia do Arda, início em Arouca

Ao percorrermos a Ecovia do Arda, depois das duas fases concluídas, temos que dar os parabéns à Câmara Municipal de Arouca e Arouca Geopark, porque depressa notamos o cuidado na realização da obra, pensada para as pessoas poderem passear, descansar e valorizar o património natural e arquitetónico.

Um projeto é realçado pela forma como dão valor aos aspetos gerais bem como aos pormenores. Este percurso não foi feito para apenas se apresentar obra feita e se cortar mais umas fitas, mas como um projeto que irá impulsionar este município chamando mais turistas, visitantes e acima de tudo dar mais qualidade de vida aos seus habitantes.

Ecovia do Arda, início em Arouca

Como em tudo na vida também há coisas singulares porque se o início mais procurado para começar seja o do centro da cidade de Arouca, junto ao estacionamento do parque da feira, a entrada mais ostensiva, com um grande portal em madeira, está colocado no final no Parque das Ribeiras, perto do Circuito de Arborismo, na freguesia de Tropeço.

Pode ler esta reportagem na totalidade ou clicar no título abaixo inserido para um assunto específico:

  1. Ecovia do Arda em Arouca
  2. Piso, passadiços e pontes da Ecovia do Arda
  3. Pontos de Interesse na Ecovia do Arda
  4. Sinalização, segurança e recomendações da Ecovia do Arda
  5. Avaliação da Ecovia do Arda
  6. Contactos úteis da Ecovia do Arda
  7. Galeria de fotos da Ecopista do Arda

Ecovia do Arda em Arouca

Descrição da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda, início em Arouca

"Situada em pleno vale de Arouca, a Ecovia do Arda desenha-se ao longo das 6 freguesias aqui situadas - Arouca e Burgo, Rossas, Santa Eulália, Urró, Várzea e Tropeço, acompanhando o curso de água do rio Arda.

Ao longo dos seus quase 11 quilómetros, que podem ser percorridos a pé ou de bicicleta, vai-se descobrindo a vida no vale e o seu rico património natural e cultural, este último marcado de modo indelével pelo cultivo da terra."3

Os visitantes podem conhecer mais em detalhe este vale consultando os painéis informativos colocados ao longo da Ecovia do Arda e que dão a conhecer a geologia, a biodiversidade e a história desta parte do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO.

Localização da Ecovia do Arda

  • A Ecovia do Arda começa/acaba na Rua João Paulo II, na zona Sudoeste da Vila de Arouca, a Sul do Parque do Museu Municipal de Arouca, perto do estacionamento da feira quinzenal. Existe também uma outra entrada situada na zona urbana da vila, a Entrada Alhavaite, na Avenida 25 de Abril;
  • A Ecovia do Arda pode também ser iniciada no Lugar da Ribeira, na freguesia de Tropeço, junto ao Parque da Ribeira e Percurso de Arborismo. Neste local foi colocada uma estrutura em madeira assinalando de forma mais visível o começo da ecovia;

Mapa da Ecovia do Arda

Mapa da Ecovia do Arda

Divisão do percurso da Ecovia do Arda

  • Espaço Feira;
  • Sub-Ribes;
  • Eiras;
  • Pimenta;
  • Boavista;
  • Cavada;
  • Pousada;
  • Urrô;
  • Várzea;
  • Zendo;
  • Tropeço;
  • Ponte da Ribeira;

História do nascimento da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

1 Troço inaugurado em 12 de fevereiro 20221

O Município de Arouca inaugurou em 12 de fevereiro de 2022, o primeiro troço da Ecovia do Arda, que ligou o centro da vila de Arouca à freguesia de Várzea, num percurso linear de cerca de seis quilómetros, adaptado para uso pedonal e ciclável. A Ecovia do Arda percorre o vale de Arouca, ao longo das cinco freguesias aqui situadas – Arouca e Burgo, Rossas, Santa Eulália, Urrô e Várzea, já na segunda fase foi feito o último troço até à freguesia de Tropeço, acompanhando o curso de água do rio Arda.

2 Troço inaugurada em 05 de agosto 20232

O 2 troço da Ecovia do Arda foi inaugurada em 05 de agosto 2023, fazendo a ligação da Pedra Má (Várzea) e da Ribeira (Tropeço), com uma extensão de aproximadamente 3,5 km e possibilitando o acesso ao geossítio da Pedra Má, um dos 41 geossítios do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO. Separando os vales de Arouca e de Rossas, é apelidado de “Pedra Má” devido a uma rocha de elevada dureza denominada corneana.

Passadiço metálico com cerca de 70 metros de extensão

Ecovia do Arda - Arouca

A ligação à Pedra Má contemplou a construção de uma travessia inferior à ponte de alvenaria ali existente. Perante uma encosta bastante íngreme, a solução encontrada para superar este desafio técnico recaiu num passadiço em estrutura metálica, com cerca de 70 metros de extensão. Foi ainda criado um acesso lateral direto à ponte da Pedra Má e construída uma pequena ponte em madeira para travessia de um canal de rega.

Ecovia do Arda tem 11 quilómetros e atravessa 6 freguesias de Arouca

A partir de 5 de agosto de 2023, passou a ser possível percorrer a Ecovia do Arda, na totalidade. Nestes onze quilómetros o visitante pode praticar atividade física ao ar livre, a pé ou de bicicleta e descobrir a vida no vale e o seu rico património natural e cultural, este último marcado de modo indelével pelo cultivo da terra”.

Ficha técnica da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

    • Descrição: A Ecovia do Arda é um percurso pedestre ribeirinho junto ao Rio Arda, que passa por seis freguesias do município de Arouca; 
    • Localização: A Ecovia do Arda tem início nas imediações do Parque da Feira, no centro de Arouca ou Lugar da Ribeira, na freguesia de Tropeço;
    • Entidade responsável: Câmara Municipal de Arouca;
    • Objetivos: Promoção à mobilidade verde no território Arouquense;
    • Características: O concelho de Arouca caracteriza-se pela sua ruralidade, com férteis veigas, ou várzeas, proporcionadas pelo Rio Arda;
    • Envolvência: A Ecovia do Arda desenvolve-se exclusivamente no Vale de Arouca, ou Vale do Arda, a Poente de Arouca;
    • Distância a percorrer: 11 km. 
      • Aqui houve um desfasamento entre a informação apresentada oficialmente e os dados da distância obtidos pelo nosso Garmin (Aplicação para bicicletas), que depois de termos percorrido a mesma de bicicleta, nos dois sentidos, entre o início em Arouca e a Porta de Entrada localizada na freguesia de Tropeço junto ao Parque da Ribeira, só nos deu 18.62 km;
    • Início/Fim: Vila de Arouca (Parque da Feira) ou Lugar da Ribeira (Tropeço);
      • A Ecovia do Arda começa na Rua João Paulo II, na zona Sudoeste da Vila de Arouca, a Sul do Parque do Museu Municipal de Arouca, perto do estacionamento da feira quinzenal. Existe também uma outra entrada situada na zona urbana da vila, a Entrada Alhavaite, na Avenida 25 de Abril.
      • O Parque da Feira de Arouca tem muitos lugares e fica localizados a escassos metros do início do percurso, no entanto deve ter em atenção às datas da feira quinzenal que se realiza ali próximo e podem impedir o estacionamento:
        • "A feira quinzenal tem lugar nos dias 5 e 20 de cada mês. Se estes dias coincidirem com um sábado, a feira realiza-se na sexta-feira que antecede. Se coincidir com um domingo, a feira realiza-se na segunda-feira seguinte. Localiza-se no Parque de Estacionamento junto ao Museu Municipal e aqui pode encontrar produtos variados, desde produtos do campo a têxteis."4
    • Declive: A Ecovia do Arda foi construída paralela ao curso do Rio Arda, sempre a descer se a percorrer para jusante, desde Arouca até Tropeço, último troço a ser inaugurado. A mesma desenvolve-se numa área normalizada pelas margens do rio, em terrenos planos, com declives pouco acentuados entre 0 a 3%. Em alguns locais existem declives mais acentuados, em virtude de ser necessário transpor as pontes que atravessam o rio;
    • Coordenadas GPS: GPS: 40° 55' 17.54" N, 40° 55' 17.54" N;
    • Tipo de percurso: Linear;
    • Tipos de utilização/duração do percurso:
      • Caminhar: 5 horas;
      • Bicicleta: 1,5 horas;
    • Nível de dificuldade: Baixo/médio;
      •  O nível de dificuldade é considerado de baixa/média dificuldade, tendo em consideração o piso betuminoso e a inexistência de declives acentuados. O percurso é fácil de ser percorrido no entanto como é do tipo linear a sua extensão total para quem o percorrer nos dois sentidos pode exigir um esforço maior;
    • Época aconselhada: Todo o ano;
    • Inauguração:
      • 1 fase: 1 Troço inaugurado em 12 de fevereiro 2022, com 6 km;
      • 2 fase: 2 Troço inaugurada em 05 de agosto 2023, com  3,5 km;
    • Freguesias que atravessa do concelho de Arouca: 06;
      • Arouca e Burgo, Rossas, Santa Eulália, Urrô, Várzea e Tropeço;
    • Utilização: Uso pedonal e ciclável;
    • Estruturas e piso:

Ecovia do Arda - Arouca

  • A Ecovia do Arda possui pavimento em betuminoso, pigmentado de cores vermelha e amarela. Nos locais onde não foi possível o piso acompanhar o percurso do rio foram montados passadiços em madeira, por vezes muito extensos e algumas estruturas metálicas muito complexas para vencer os desafios geográficos. Um dos exemplos atrás citado é a ligação ao Geossítio da Pedra Má, através de uma estrutura metálica, com cerca de 70 metros de extensão, que passa por baixo de uma ponte;
  • Sinalização:
    • Canal dedicado bidirecional: A Ecovia do Arda desenvolve-se, sobre um canal dedicado, bidirecional, que é partilhado por peões e ciclistas. Os seus utilizadores devem ter especial cuidado quando tem que passar por estradas que intercetam a ecovia onde os veículos automóveis podem circular a grande velocidade. Estes locais estão devidamente sinalizados para os automobilistas e utilizadores da ecovia, mas as precauções são sempre necessárias. 
      • Um exemplo da partilha da estrada por condutores e utilizadores da ecovia acontece logo no início, em Sub-Ribes, onde a Ecovia do Arda utiliza cerca de 200 m da estrada rodoviária, onde foi pintada duas ciclofaixas unidirecionais. No final os utilizadores entram logo nos primeiros passadiços em madeira.
    • Marcos: No seu percurso também foram adicionados marcos quilométricos, que foram pintados nas tampas de saneamento, aproveitando desta forma uma estrutura que pode tirar brilho à paisagem;
    • Painéis informativos: O visitante pode também consultar painéis informativos sobre a fauna, flora, cultura local, onde se encontra e direção percorrida;
    • Sinalização das estradas: Todas as entradas e cruzamentos com as estradas da via pública por onde circula o trânsito, estão devidamente sinalizadas com sinais verticais de perigo de acordo com o Código da Estrada. A sinalização horizontal/marcas rodoviárias, estão assinaladas com pictogramas de peões e bicicletas pintados a branco no pavimento, identificam esta Ecovia do Arda como partilhada com os peões;
  • Rio Principal: Rio Arda;
  • Rios e ribeiras afluentes: (Início para jusante) 
    • Rio Marialva;
    • Ribeira de Gondim;
    • Ribeira de Aveneira;
    • Rio Urtigosa;
  • Parques: 03;
    • Boavista;
    • Cavada;
    • Ribeira;
  • Pontes: 04;
    • Eiras;
    • Cavada;
    • Pousada;
    • Rossado; 
  • Circuitos: 01;
    • Arborismo - No Parque da Ribeira, no início/final;
  • Proibições de circulação:
    • A circulação da Ecovia do Arda está proibida a veículos com motor;
  • Geossítios: G40 - Pedra Má;
  • Património em destaque: Património natural e cultural, que dão a conhecer a geologia, a biodiversidade e a história desta parte do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO;
  • Pontos de interesse:

    Açude no rio Arda em Arouca

      • A Ecovia segue o curso do Rio, desde o centro urbano de Arouca até à freguesia de Tropeço.
      • O vale de Arouca, por onde corre o Rio Arda, antigamente conhecido por Rio Alarda, é cercado pelas Serras da Freita a Sul, Gamarão a Norte, e Senhora da Mó a Este;
      • O percurso do Rio Arda delimita as terras de Arouca, a poente. A fertilidade das suas margens marcou esta região pelo cultivo da terra, garantindo a produção de milho, azeite, vinho verde e fruta. A força motriz do Rio Arda era também utilizado no passado para regar os campos e para acionar os moinhos de água de rodízio;
      • Ao longo do percurso da Ecovia do Rio Arda, os visitantes podem apreciar a beleza da paisagem proporcionada pelas suas margens e veigas, pelas várias pontes, açudes, levadas e moinhos de água que atravessa, parques de merendas, miradouros e bancos para descansar e apreciar a paisagem.
    • Os visitantes podem apreciar durante o percurso, em ambas as margens, os terrenos agrícolas onde os agricultores por vezes laboram, criação de animais da raça bovina e caprina; 
  • Ligações entre ciclovias: A Ecovia do Arda em Arouca, liga-se no início com outras ciclovias: 02;
    • Ciclovia da Rua do Mercado;
    • Ciclovia do Parque do Museu Municipal;
  • Definição de Ecovia: "Uma Ecovia é uma infraestrutura destinada à circulação a pé e/ou bicicleta e que tem como principal característica a ligação - tanto a nível local como regional - entre áreas de interesse ambiental."6

Nível de dificuldade da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Nível de dificuldade: O grau de dificuldade é representado segundo 4 itens diferentes, sendo cada um deles avaliado numa escala de 1 a 5 (do mais fácil ao mais difícil);

  • Nível de dificuldade: Fácil/Moderado;
  • Adversidade do meio: 2;
  • Orientação: 1;
  • Tipo de piso: 1;
  • Esforço físico: 2/3;

Piso, passadiços e pontes da Ecovia do Arda

Piso da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Percurso em piso betuminoso na Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Passadiços em Madeira da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Passadiços em Madeira da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Passadiços em estrutura metálica da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Pontes pedonais na Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Áreas de descanso na Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

Pontos de Interesse no Percurso da Ecovia do Arda

Rio Arda - Arouca

"De onde o ribeiro de Gondim, o rio Marialva e a ribeira de Silvares se juntam, para dar origem ao rio Arda, ninguém dirá que este curso de água irá estender-se por 30 quilómetros, até desaguar no Douro. O Arda sempre marcou a paisagem arouquense, orgulhosa do seu rio, moldando e regando as margens, que sempre tiveram fama de fertilidade, a começar pelas terras do Mosteiro de Arouca.

Aí, até o moinho e o lagar de azeite não dispensavam as suas águas. Mais à frente, junta-se também a este correr, o rio Urtigosa, de sul para norte, numa viagem até Pedorido (Castelo de Paiva)."7

Ponte das Eiras - Arouca

Ponte das Eiras sobre o Rio Arda - Arouca

O Vale e a Serra

"O vale de Arouca, onde flui o rio Arda, é abraçado pelas serras da Freita (a sul), Gamarão (a norte) e Senhora da Mó (a este). A geomorfologia condiciona o clima, para cuja aferição são utilizados, entre outros, os dados do IPMA obtidos na Estação Meteorológica Automática de Arouca (localizada no Pólo Escolar do Burgo)."3

Do Gondim e Marialva

"A junção do ribeiro de Gondim (nascido nas serranias do Gamarão) com o rio Marialva (oriundo da Senhora da Mó, e ao qual se junta a ribeira de Silvares) origina o rio Arda, que se estende por 30 km até desaguar no rio Douro, já no concelho de Castelo de Paiva."3

Rio Arda - Arouca

Rio Arda - Arouca, junto aos passadiços da Ecovia do Arda

"Desde o século XI que o percurso do rivulo Alarda delimitou a terra de Arauka, a poente. Sendo um dos maiores cursos de água do primitivo Couto do Mosteiro de Arouca, a fertilidade das suas margens garantia a produção de milho, azeite, vinho verde e fruta. O rio era também utilizado para regar os campos e para acionar os moinhos."3

Capela do Espírito Santo e de São Frutuoso

"Construída na primeira metade do século XVIII, a Capela do Burgo é um templo de planta e linhas simples, de corpo único, ao qual foi adossado um anexo do lado esquerdo. Os seus retábulos laterais são construídos com aproveitamentos de talhas do século XVII. No altar, vê-se uma pintura da Senhora dos Prazeres com o Menino."3

Lírio-Amarelo

"O lírio-amarelo é uma planta que se encontra na margem do rio e em áreas encharcadas. Floresce entre março e junho. Esta planta tem a capacidade de absorver e fixar metais pesados no seu rizoma, sendo, por isso, bioacumuladora."3

Mocho-Galego

"Esta ave de rapina noturna de pequeno porte (comprimento: 21 a 23 cm e envergadura: 54 a 58 cm) pode, por vezes, ser observada durante o dia. Alimenta-se essencialmente de insetos e prefere nidificar em cavidades e fendas de árvores."3

Parque da Boavista - Arouca

Parque da Boavista  na Ecovia do Arda - Arouca

"Parque da Boavista, está integrado na Ecovia do Arda, tendo sido inaugurado a 18 de novembro de 2023, pela presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém."3

Maciço de Arouca

"Na área central do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO aflora o Quartzodiorito de Arouca Esta é uma rocha magmática de cor clara que podemos observar com frequência em amostras soltos no leito e margens do rio, a aflorar nos taludes ou ainda como material de construção de edifícios antigos como moinhos ou o Mosteiro de Arouca."3

A Rede Hidrográfica

"O rio Arda, modelador de parte do geomorfologia da região, é abastecido por uma rede hidrográfica cuja formação se iniciou há cerca de 2 milhões de anos (Pleistocénico), São, por isso, inúmeros os ribeiros que nele desaguam como por exemplo o ribeiro de Monte Moção, situado nas proximidades."3

Pesca e Pescadores

"O rio Arda, desde cedo, foi explorado para obtenção de recursos piscícolas. Conhecido por ter muito e bom peixe, este era um complemento importante na alimentação da população mais pobre, cujas refeições eram pouco diversificadas, alternando maioritariamente entre o "escoado" e o caldo."3

Capela de Santo António

"Mandada construir, no ano de 1598, pelo pároco da altura designava-se, inicialmente, Capela do Carvalhal Erguida no topo de um pequeno monte apresenta um corpo retangular, em cantaria trabalhada, ao qual foi acrescentado uma capela-mor, já no século XVIll. Em tempos, o pequeno adro serviu de cemitério."3

Freixo - Fraxinus angustifolia

"Esta árvore de folha caduca, típica de áreas ribeirinhas, floresce entre fevereiro e abril. As características da sua madeira permitem que seja utilizada para a marcenaria, enquanto as suas folhas, formadas por 5 a 13 folíolos, podem servir de forragem para o gado."3

Abelha-do-mel - Apis mellifera

"Criada há milhares de anos para a produção de mel, esta espécie é uma reconhecida polinizadora que voa durante todo o ano. As abelhas-do-mel são verdadeiramente sociais, tendo a rainha, as obreiras e os zangões funções bem definidas. Entre outras funções, as obreiras (abelha representada na imagem) alimentam as larvas e armazenam pólen e mel para que a colmeia tenha alimento durante o inverno."3

Ponte da Cavada - Arouca

Ecovia do Arda - Arouca

Depósitos Aluvionares

"Nas margens do rio Arda encontramos frequentemente depósitos aluvionares, nos quais se destaca uma elevada percentagem de argila. Esta é uma componente importante dos solos férteis desta região, responsáveis pela forte implantação agrícola no concelho de Arouca ao longo dos séculos."3

Se fores lavar ao rio

Ecovia do Arda - Arouca

"Outrora, a importância do rio ia além dos seus recursos piscícolas e hídricos. Aqui também se lavava roupa. Encontramos reflexos destas vivências no Cancioneiro de Arouca, por exemplo na canta "Se fores lavar ao rio, lava na pedra do meio (...) S ́a pedra deitar felores, apanha-a, bota-a p'ro seio"."3

Rã-Verde - Pelophylax perezi

"No estado larvar e na reprodução, a rã-verde vive dependente do meio aquático. Quando adulta, pode ser avistada em meio terrestre, embora nas proximidades de locais húmidos (tanques, charcos, cursos de água). Este animal é um importante auxiliar no controlo de pragas agrícolas, uma vez que, na fase adulta, se alimenta de insetos, aranhas, minhocas e caracóis."3

Borboleta-Vírgula - Polygonia c-album

"Esta é uma espécie de fácil identificação, tanto pelas asas recortadas, como pela presença de uma "vírgula" branca na parte inferior das asas posteriores. A borboleta-vírgula hiberna na forma adulta. No início da primavera acasala e põe ovos nas plantas hospedeiras, como urtigas, choupos e aveleiras."3

Parque da Cavada - Arouca

Parque da Cavada - Ecovia do Arda - Arouca

"Parque da Cavada, está integrado na Ecovia do Arda, tendo sido inaugurado a 18 de novembro de 2023, pela presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém."3

O Parque da Cavada é um dos mais bonitos da Ecovia do Arda, pela forma como foi enquadrado e se integra bem na paisagem, com os seus bancos, mesas em madeira para piqueniques, e troncos no mesmo material para as crianças subirem. Por outro lado o seu acesso é feito por passadiços em madeira, uma pequena ponte pedonal e piso em betuminoso.

Neste local o rio faz uma pequena curva aumentando de diâmetro e criando um grande espelho de água. O espaço em redor do parque é relvado e onde também nasceu alta vegetação ripícola e foram plantadas outras na área do parque, que depois de crescerem vão aumentar o valor deste local. 

Parque da Cavada - Ecovia do Arda - Arouca

Os Moinhos entre o lugar da Azenha e de Pousada

"No concelho de Arouca o número de moinhos de rodízio deverá ascender às centenas. Atualmente, poucos permanecem ativos, facto para o qual muito contribuiu o abandono da agricultura e a disseminação da moagem motorizada a partir do último quartel do século XX.

Em Santa Eulália, neste pequeno troço do Arda, entre os lugares da Azenha e Pousada, chegaram a funcionar em permanência três moinhos com duas mós cada um. Estes moíam para fora retirando a maquia (porção de farinha que o moleiro retirava como remuneração do trabalho e que variava entre os 5 e os 10%) ou vendiam farinha a que não tinha milho.

Este moinho de rodízio situado na margem direita, foi construído em granito e coberto de telha, possuía três mós a laborar todo o ano."3

Moinho da Cavada - Arouca

Moinho da Cavada - Ecovia do Arda - Arouca

No Parque da Cavada foi recuperado o Moinho da Cavada, onde foi colocado um painel informativo com os diferentes mecanismos de um moinho de rodízio. 

Moinhos de Rodízio

"Por estes compreendem-se todos os sistemas tradicionais movidos a água com roda horizontal. São construídos aproveitando os cursos de água para a moagem de cereais ou linho.
Os moinhos podem ser de uso coletivo - exercendo os consortes o seu direito de moagem numa escala rotativa ou privada, usados pelo proprietário ou como fonte de rendimento, dispondo estes de um maior número mós, por forma a dar resposta às necessidades.

Dependendo da sua localização, os moinhos podem funcionar durante todo o ano ou apenas nas alturas de maior caudal. No caso destes últimos, entre os meses de junho e setembro o seu encerramento relaciona-se com a necessidade de distribuição de água para giros de rega de campos na envolvência, a montante."3

Perfil de um moinho de rodízio

Perfil de um moinho de rodízio

Créditos da foto: Câmara Municipal de Arouca e Arouca Geopark 

Ponte de Pousada - Arouca

Ponte de Pousada - Ecovia do Arda - Arouca

Sedimentos

"Ao observar o leito do Arda e de outros rios, identificamos facilmente, cascalheiras onde encontramos, por exemplo, blocos de xisto e de quartzodiorito, calhaus rolados, areias e argilas. Estes depósitos denominam-se sedimentos e são as rochas mais recentes do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO, com uma idade inferior a 2 milhões de anos."3

A Água

"Muitos dos aspetos observados na paisagem, tais como o perfil das montanhas e dos vales ou a existência de areais no leito do rio, devem-se à ação de erosão, transporte e sedimentação produzida pela água. Um rio é, por isso, um importante modelador do relevo e um dos agentes naturais que mais modificações provoca na paisagem."3

Moinhos

"A energia hidráulica era utilizada na moagem de cereais, da azeitona, na serração de madeiras, ou na pisoagem da lã, desde há vários séculos. Ao longo do rio Arda encontram-se, ainda hoje, vários vestígios de moinhos para moagem de cereais, da qual resultava a farinha de milho ou de centeio, essencial para fazer broa."3

Açudes e levadas do Rio Arda

Açude no Rio Arda junto da Ecovia do Arda em Arouca

"A água era retirada do rio pelas laterais dos açudes e direcionada para os moinhos através de levadas. Estes açudes, construídos com pedras e sem argamassas, dão corpo a uma pequena <<barragem>> que retém a água, elevando o seu nível até entrar pelo canal da levada que conduz ao engenho ou moinho."3

Vaca-Loura - Lucanus cervus

"O carvalho-alvarinho centenário, que existe na proximidade deste local, é habitat da vaca-loura, um escaravelho ameaçado de extinção a nível europeu. Este inseto vive nas raízes de árvores antigas durante cerca de 3 anos, onde passa por um processo de metamorfose. Quando adulto, sai das raízes e vive poucos meses, com o objetivo de acasalar e reproduzir."3

Jacinto-dos-Campos - Hyacinthoides hispanica

"Entre março e maio, o jacinto-dos-campos exibe as suas flores azul-violáceas dispostas em vários planos e em forma de sino. Esta planta bolbosa tem cerca de 20 a 40 cm de altura e pode ser utilizada como ornamental."3

Ponte do Rossado - Arouca

Ponte do Rossado - Ecovia do Arda - Arouca

Grandes propriedades agrícolas

"Sobranceiras ao rio Arda surgem propriedades agrícolas de famílias de ascendência nobre ou simplesmente de grandes agricultores. Além da casa principal, estas propriedades
comportavam estruturas de apoio à prática agrícola como moinhos, canastros, eiras, lagares e casas dos caseiros que se encarregavam do cultivo das terras, pagando uma renda em géneros."3

As culturas do Vale do Arda

"Com uma forte tradição agrícola, além do milho, nas margens do Arda são atualmente cultivados frutos como morangos, mirtilos, kiwis, entre outros, bem como diversos produtos hortícolas que podem ser adquiridos no comércio local e/ou saboreados em menus 'GEOfood' no Arouca Geoparque Mundial da UNESCO."3

Canastros

"Surgem, em regra, junto de eiras, em zonas ensolaradas e bem arejadas. Têm pés maciços que suportam uma estrutura em madeira, com paredes inclinadas para o exterior, impedindo a entrada da água da chuva. Os canastros dividem-se em quartéis, tendo em média cada quartel capacidade para dois ou três carros de bois de milho."3

Ouriço-Cacheiro - Erinaceus europaeus

"É o maior mamífero insetívoro da fauna portuguesa e o único que possui espinhos. A sua dieta alimentar inclui, essencialmente, invertebrados terrestres como gafanhotos, escaravelhos e moscas, podendo ainda consumir minhocas e caracóis, ovos de aves, cereais e frutos silvestres."3

Aveleira - Corylus avellana

"Este arbusto de folha caduca cresce em solos frescos, profundos e ricos em nutrientes. Os seus frutos integram a dieta do ser humano e de vários animais selvagens, nomeadamente de roedores como, por exemplo, o esquilo."3

Várzea - Arouca

Clima

"O clima de Arouca é caracterizado por verões quentes e secos e invernos frescos e frios. Entre junho e setembro as temperaturas excedem frequentemente os 30°C. Já entre novembro e março a precipitação é frequente, registando-se temperaturas baixas, por vezes negativas, que favorecem a formação de geada e gelo, especialmente em locais abrigados como na envolvente das linhas de água e em encostas viradas a norte."3

O Alvéolo de Arouca

"Geomorfologicamente, o vale de Arouca é conhecido por «Alvéolo de Arouca». É delimitado pelo geossítio «Pedra Má», rocha cuja elevada dureza e pouca alterabilidade terá contribuído para a retenção de sedimentos, evitando o seu escoamento pelo rio Arda."3

Igreja de Várzea

"A construção original será anterior a 975, fruto dos esforços de repovoamento da região, após as invasões muçulmanas. Passou por numerosas reformulações, nomeadamente a adição da torre sineira, até atingir o aspeto que hoje lhe conhecemos. O historiador Pinho Leal (1816-1884) diz ter observado estragos nesta Igreja causados pelo terramoto de 1755."3

Sítio Arqueológicos da Civicidade

"A ocupação humana deste povoado remonta aos séculos VII a IV a.C., entre o final da Idade do Bronze e o início da Idade do Ferro. Trata-se de um espaço cercado por uma pequena muralha, que permitia o domínio visual de uma das entradas do vale de Arouca e de toda a paisagem envolvente. Terá sido utilizado como espaço de reunião, onde se realizariam cerimónias diversas."3

Truta-de-Rio - Salmo trutta

"Esta espécie pode atingir 60 cm de comprimento. Apresenta manchas nos flancos que podem ser avermelhadas ou negras, estando as primeiras rodeadas por um círculo colorido. Habita em rios com águas frias e oxigenadas e tem lúdica e um elevado interesse comercial, ao nível da pesca desportiva."3

Amieiro - Alnus glutinosa

"Com uma altura que raramente ultrapassa os 25 m, esta árvore necessita de estar em contacto quase permanente com a água para se desenvolver. A sua madeira tem várias utilizações, nomeadamente para o fabrico de utensílios domésticos, enquanto as suas folhas jovens e a casca do seu tronco podem ser utilizadas em infusões, graças às suas propriedades farmacológicas."3

Doninha - Mustela nivalis

"Com um comprimento cabeça-corpo que varia entre os 16 e os 25 cm e um peso baixo (machos < 250 gr. e fêmeas < 80 gr.), este é o carnívoro mais pequeno que ocorre nesta região. As suas presas prediletas são pequenos roedores (ratos, musaranhos, etc.), podendo consumir ovos de aves e lagartos, entre outros animais."3

Geossítio G40 - Pedra Má

Pedra Dura como "cornos"

"A "Pedra Má" é uma rocha corneana que se situa a jusante do alvéolo de Arouca tendo se formado devido ao metamorfismo de contacto exercido entre o batólito de Arouca e os metassedimentos ante-ordovícicos circundantes. A dureza e pouca alterabilidade desta rocha terá mesmo motivado uma maior eficácia do processo de retenção de sedimentos no alvéolo de Arouca, contribuindo para a permanência de férteis solos agrícolas das áreas circundantes ao  Mosteiro de Arouca."5

Rossas - Arouca

O Urtigosa

"O rio Urtigosa é um dos afluentes da margem esquerda do Arda. Nasce na Serra da Freita e nele convergem diversas linhas de água que recortam a encosta norte desta montanha, causam a erosão das rochas e transportam sedimentos que se acumularam no vale de Rossas, contribuindo significativamente para os seus bons solos agrícolas."3

Rossas e a Serra da Freita

"Foi apenas nos últimos 3 milhões de anos que o vale de Rossas e os seus solos se desenvolveram e a Serra da Freita, que majestosamente se impõe na paisagem, se elevou."3

Rossas e a antiga comenda da Ordem de Malta

"As Comendas eram «terras»> entregues a Ordens religiosas militares que ficavam responsáveis pelo povoamento e defesa desses territórios. Em Arouca, a Ordem Hospitalar de Malta atuou na defesa dos interesses de D. Mafalda e do próprio Mosteiro, existindo, ainda hoje, marcos centenários nos seus locais originais que delimitam o território a que correspondia a Comenda de Malta, em Rossas."3

Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Rossas

"Esta igreja, do século XVII, destaca-se pela grande quantidade de marcas de canteiro nos seus silhares. A sua cantaria provirá de um outro templo mais antigo (séc. XI), construído nas proximidades do rio Urtigosa, cujas siglas serviam para identificar os pedreiros, dado que estes recebiam pagamento mediante a quantidade de peças executadas."3

Gaio - Garrulus gland

"As penas azuis das asas contrastam com a tonalidade do dorso e do peito e permitem um reconhecimento rápido desta ave florestal residente. Nesta área, o gaio encontra o alimento que necessita para a sua sobrevivência: os invertebrados são as presas preferenciais durante a primavera e o verão, enquanto os frutos e as sementes são o alimento privilegiado para o outono e o inverno."3

Feto-Fêmea - Athyrium flix-femina

"O seu nome comum deve-se ao facto das suas frondes ("folhas") apresentarem um aspeto mais delicado, quando comparadas às do feto-macho. O amadurecimento dos soros (grupos de esporângios onde se formam e desenvolvem os esporos) ocorre na página inferior das frondes, entre os meses de maio e setembro."3

Zendo - Arouca

Ecovia do Arda - Arouca

"Os xistos desta área são as rochas mais antigas do Arouca Geoparque Mundial da UNESCO. Formaram-se há cerca de 600 milhões de anos pela deposição de sedimentos no fundo do mar, em latitudes próximas às da ilha de Madagascar, na atualidade."3

Bacia Hidrográfica do Douro

"O rio Arda integra a Bacia Hidrográfica do Douro. Em dimensão, esta é a maior bacia hidrográfica da Península Ibérica, drenando uma área maior que Portugal continental. Importa lembrar que apenas 2,5% da água existente na Terra é doce e que desta somente cerca de 25% pode ser utilizada pelos seres humanos, pelo que todos devemos contribuir para a sua salvaguarda."3

Samacalo - Anarrhinum bellidifolium

"Entre março e agosto, o samacalo exibe as suas flores e fornece néctar e pólen a diversos insetos, nomeadamente para a borboleta-limão (Gonepteryx cleopatra). Esta planta cresce em taludes, clareiras de matos, solos secos e pedregosos e pode ter um uso ornamental."3

Esquilo-Vermelho - Sciurus vulgaris

"Este mamífero possui uma pelagem bastante variável, sendo castanho-avermelhada viva no verão e castanho-escuro com matizes e tufos nas orelhas no inverno. É facilmente observável a saltitar entre árvores, onde procura alguns dos seus alimentos prediletos, como pinhões, bolotas e fungos."3

Musgo Comum de Caliptra Peluda - Polytrichum commune

"Os musgos são pequenas plantas que contribuem para a formação, estabilização e recuperação do solo. O musgo comum de caliptra peluda apresenta um aspeto semelhante a um pinheiro em miniatura e uma seda de cor avermelhada. Na extremidade da seda existe uma cápsula onde se encontram os esporos responsáveis por originar novas plantas."3

Mimosa - Acacia dealbata

"Esta árvore pode atingir 15 m de altura e produzir milhares de sementes que se mantêm viáveis até 20 anos. O descasque é um dos métodos de controlo aplicado nas plantas adultas desta espécie. Faz-se um anel em redor do tronco, sem ferir a madeira, e retira-se a casca até à raiz."3

Erva-da-Fortuna - Tradescantia fluminensis

"Esta erva rastejante apresenta caules compridos que fragmentam facilmente e enraízam pelos nós. Assim, um fragmento desta planta é suficiente para originar uma nova planta. Para controlar a invasão, deve arrancar-se a planta na totalidade, deixando-a desidratar num local seguro."3

Sanguinária-do-Japão - Reynoutria japonica

"Espécie invasora perigosa! Esta erva apresenta caules que podem crescer até 3 me as suas folhas são largas. O seu rizoma pode atingir 3 m de profundidade, bastando menos de 1 cm para originar uma nova planta. Se a encontrar, procure informação antes de agir."3

Parque da Ribeira - Arouca

"Parque da Ribeira, está integrado na Ecovia do Arda, tendo sido inaugurado a 18 de novembro de 2023, pela presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém."3

Circuito de Arborismo  - Parque da Ribeira - Tropeço

Circuito de Arborismo - Ecovia do Arda - Arouca

"O arborismo é uma atividade recreativa que consiste na travessia de plataformas suspensas em ambiente natural."3

Regras de utilização do Circuito de Arborismo3

  • Idade mínima: 6 anos;
  • Altura mínima: 100 cm;
  • Peso máximo: 100 kg;
  • Lotação máxima: 1 pessoa por plataforma
  • O uso deste equipamento pressupõe condição física e conhecimento técnico que permita transpor as diversas plataformas;
  • A idade mínima para utilização do equipamento é de 6 anos;
  • A utilização do equipamento requer a supervisão de um adulto;
  • O uso indevido do equipamento é da responsabilidade do seu utilizador ou responsável legal;
  • É obrigatório seguir o sentido indicado;
  • Só é permitido uma pessoa em cada plataforma;
  • Verifique o estado do equipamento antes de iniciar a travessia;

Proibições e recomendações para a utilização do Circuito de Arborismo3 

Circuito de Arborismo - Ecovia do Arda - Arouca

  • É proibido saltar ou balancear em cima das plataformas;
  • É proibido trepar as redes de proteção;
  • É proibido o acesso com sacos e mochilas;
  • É proibido o acesso com comidas e bebidas;
  • É recomendável prender o cabelo;
  • É recomendável o uso de capacete;
  • Em caso de encontrar alguma anormalidade, deve contactar a entidade responsável pelo espaço (Câmara Municipal de Arouca); 

Campos floridos na Ecovia do Arda

Na primavera os campos junto da Ecovia do Arda enchem-se de flores onde se destacam os bem me queres, criando mares de ondulação amarela, onde as abelhas trabalham pulando afincadamente em cada uma para recolher o pólen e produzir o seu mel, no entanto até estes insetos estão em perigo e fazem perigar os ecossistemas e o homem que delas necessita para polinizar as suas culturas.

Ecovia do Arda - Arouca

Gado da espécie caprina na Ecovia do Arda

Nos terrenos particulares junto ao percurso da Ecovia do Arda pode ser encontrado gado de diferentes espécies a pastar livremente, sendo os mais comuns bovinos, caprinos e equinos.

Ecovia do Arda - Arouca

Sinalização, segurança e recomendações da Ecovia do Arda3 

Sinalização na Ecovia do Arda

A ecovia do Arda está bem sinalizada, podendo ser encontrada de três tipos diferentes para o ajudar no seu percurso:

Sinalização rodoviária

Na interseção da Ecovia do Arda com as estradas municipais foi colocada sinalização vertical e marcas rodoviárias, para os peões e ciclistas saberem da aproximação destas vias onde o trânsito circula com velocidade.

Ecovia do Arda - Arouca

Por outro lado, também foi colocada sinalização idêntica na própria estrada para os automobilistas saberem que vão aproximar-se da ecovia e diminuírem a velocidade e pararem se for necessário para as pessoas passarem. O cuidado com a segurança para evitar acidentes deve ser repartido entre ambos, visitantes e automobilistas, nenhum deve imputar o cuidado com a segurança apenas ao outro.

Painéis informativos com a localização, direção e progressão

Foram colocados pelo percurso mapas onde as pessoas podem saber o local onde estão e a direção que estão a seguir. A nível da progressão gostamos da forma como foram pintados os quilómetros percorridos nas tampas de saneamento, disfarçando a estrutura e dando-lhe uma segunda função.

Painéis com informação sobre o património

O visitante pode também consultar painéis informativos sobre o património natural e arquitetónico, com fotos e detalhes sobre a fauna, flora, cultura, monumentos civis, religiosos e história local.

Segurança da Ecovia do Arda3

  • Prepare-se antecipadamente para as atividades ao ar livre;
  • Respeite a sinalização existente no território;
  • Acampe apenas nos locais autorizados;
  • Pratique desportos de natureza apenas nos locais assinalados;
  • Não faça fogueiras, utilize os fogareiros disponíveis nos parques de merendas;
  • Respeite a passagem dos animais domésticos pelas estradas e caminhos;
  • Proteja-se durante aproximação de animais domésticos ou selvagens;
  • Estacione os veículos nos parques apropriados;
  • Contacte as autoridades sempre que detete algo irregular;

Respeito pelo património cultural3

  • Mantenha integridade do património (museus, igrejas, complexos mineiros, mamoas);
  • Respeite as regras e normas em vigor nos diversos monumentos;
  • Respeite os habitantes locais e as suas propriedades;
  • Respeite as tradições e modo de vida da população;

Promoção dos produtos e serviços locais3

  • Usufrua dos serviços e atividades de animação do território;
  • Visite os museus e unidades interpretativas;
  • Desfrute dos serviços de alojamento e restauração locais;
  • Adquira produtos tradicionais;
  • Aproveite os eventos que o território oferece; 

Avaliação da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

O Ondas da Serra avaliou a Ecovia do Arda de forma muito positiva nos seguintes aspetos:

Riqueza ambiental da Ecovia do Arda

O enquadramento natural da Ecovia do Arda é muito rico, com a presença constante do Rio Arda, com os seus açudes, moinhos e levadas. A presença de uma importante galeria ripícola junto ao rio, com muitas árvores que oferecem boas e refrescantes sombras e onde o cantar dos pássaros é uma constante.

Riqueza humana da Ecovia do Arda

Do lado oposto à galeria ripícola pode ser encontrada uma intensa atividade humana de cultivo dos campos e criação de gado bovino e caprino que oferecem paisagens rupestres muito características desta região.

Sinalização da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

O percurso da Ecovia do Arda está bem sinalizado a nível de sinalização rodoviária, quilómetros percorridos e localização e painéis informativos sobre o património natural e arquitetónico deste vale.

Estruturas de apoio da Ecovia do Arda

A nível das estruturas de apoio na Ecovia do Arda podem ser encontrados ao longo do percurso bancos, por baixo de estruturas metálicas, para nos dias de maior calor oferecerem sombras, vários parques para as crianças, adultos e atividades radicais.

Infraestruturas do percurso da Ecovia do Arda

Ecovia do Arda - Arouca

O percurso da Ecovia do Arda tem várias estruturas ao longo dos seus quase 11 quilómetros, piso em betuminoso, passadiços de madeira e estruturas metálicas. As mesmas foram integradas de forma positiva na paisagem e estão muito próximas dos campos agrícolas ou propriedades privadas, permitindo aos visitantes participarem na vida bucólica diária dos seus moradores.

Melhoramentos a ponderar

Em determinados locais do percurso foram plantadas árvores que irão aumentar no futuro o valor desta ecovia e oferecer mais sombra e locais de nidificação para a fauna e flora, contribuindo para a biodiversidade.

Quando nós percorremos o percurso não encontramos nenhum bar ou café para tomar alguma bebida, mas como o percurso é recente no futuro poderá abrir algum num dos seus vários parques.

A cereja em cima do bolo seria a autarquia de Arouca conseguir adaptar no curso do rio Arda um local para as pessoas se banharem nos dias de maior calor e quem sabe fazer uma praia fluvial. 

O regresso à Ecovia do Arda 

Depois da nossa primeira visita, regressamos à Ecovia do Arda, no domingo, dia 2024-06-11. Começamos este passeio pelo Parque de Arvorismo da Ribeira, no extremo poente, onde aproveitamos para ultrapassar os diferentes obstáculos.

Neste dia comemorava-se a festa religiosa do Santo António, na freguesia de Santa Eulália e na zona do Areeiro assistimos à passagem da solene procissão. No Parque da Boavista estivemos a ver o lançamento moderno de foguetório, que agora não necessita de canas.

Na primeira vez fizemos o percurso de bicicleta, mas nesta optamos por caminhar. Como fizemos o percurso mais lentamente tivemos tempo de perceber que não existe nenhum ponto de água pelo caminho, bem contentores para colocar o lixo.

Neste regresso verificamos que tinham andado a fazer manutenção na Ecovia do Arda, cortando a vegetação nas faixas laterais que agora se encontrava amontoada e seca, onde pouco verde subsistia. Nós entendemos que é necessário manutenção, só temos dúvidas se esta é a melhor forma de o fazerem, porque fica feio e na verdade na nossa primeira visita a ecovia estava muito mais verde e bonita.  

Os vândalos destruidores do patrimônio atacaram a Ecovia do Arda

Mais grave foi termos constatado que os vândalos destruidores do patrimônio já tinham arrancado alguns sinais de trânsito pela base e partido outros. No Parque da Cavada, fomos dar com a porta para o moinho de rodízio, que tinha sido requalificado arrombada, sobre este facto demos conhecimento à GNR local que ficou de avisar os responsáveis municipais para passarem no local e minimizarem os danos.

O Rio Arda em certos locais estava cheio de plásticos, que é um mal da sociedade de consumo, acabando todo este lixo por ir parar ao mar. Também encontramos junto às bermas, garrafas plásticas e outros recipientes de caminhantes com pouco sentido ambiental, não custa nada colocar o lixo num saco e no final deitá-lo num local apropriado, embora pudesse como já foi aqui dito existir alguns recipientes no percurso para as pessoas o fazerem.

Queremos agradecer ao Senhor de nacionalidade alemã, Herbert Holz, com 69 anos, que vive em Arouca há 15 anos, estando agora na freguesia de Rossas, a ajuda que nos deu.

Contactos úteis da Ecovia do Arda

  • Câmara Municipal de Arouca: Telefone: 256 940 220
  • Bombeiros Voluntários de Arouca (urgências): Telefone: 256 944 122
  • GNR de Arouca: Telefone: 256 940 150
  • Emergência Nacional: Telefone: 112
  • Linha de Saúde 24: Telefone: 808 24 24 24
  • Urgência hospitalar mais próxima, Centro de Saúde de Arouca: Telefone: 256 940 330
  • Incêndios Florestais: Telefone: 117
  • Loja Interativo de Turismo do Arouca Geopark: Telefone: 256 940 258

Galeria de fotos da Ecopista do Arda

Créditos e Fontes pesquisadas 

Texto: Ondas da Serra, com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra, com exceção das que estão referenciadas

1 - www.cm-arouca.pt/municipio-inaugura-ecovia-do-arda-entre-arouca-e-varzea
2 - www.cm-arouca.pt/segunda-fase-da-ecovia-do-arda-e-inaugurada-no-sabado
3 - Painéis informativos colocados ao longo da Ecovia do Arda da Câmara Municipal de Arouca
4 - cm-arouca.pt/visitar/feiras-festas-e-romarias/feira-quinzenal/
5 - https://aroucageopark.pt/pt/conhecer/geodiversidade/geossitios/pedra-ma/
6 - portoenorte 
7 - http://aroucageopark.pt/pt/conhecer/serras-e-rios/rio-arda/

Caminhe no distrito de Aveiro e pedale de bicicleta pelo norte de Portugal

O distrito de Aveiro tem dezenas de caminhadas e percursos pedestres muito bonitos, na serra, junto do mar, ria e rios, que pode aproveitar para os conhecer. No norte de Portugal há muitas ciclovias, ecovias e ecopistas que se pode percorrer, a caminhar ou de bicicleta, muitas delas por antigas linhas ferroviárias, agora convertidas em pista para as pessoas passearem. 

Lida 2466 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Ecopista do Corgo: Guia completo para percorrer o trilho

O percurso da Ecopista do Corgo, desenvolve-se pelo espaço canal da antiga Linha Férrea do Corgo, que na cidade de Peso da Régua, fazia a ligação com a Linha do Douro e levava os passageiros para o interior até Vila Real e Chaves, para muitos curarem as suas maleitas nas águas termais desta cidade, Pedras Salgadas, Vidago. A nossa equipa percorreu todo o seu antigo trajeto, com cerca de 88 km, por dois percursos cicláveis, um por reabilitar entre a Régua e Vila Real, e o que já está aberto ao público entre esta última cidade e Chaves. Nesta epopeia, o ciclista irá ser acompanhado por três rios, Douro, Tâmega e Corgo, e serras do Marão, do Alvão e do Vale de Aguiar. As vistas são magníficas onde se destacam as paisagens do nordeste transmontano, douro vinhateiro, património da humanidade, culturas em socalcos e serras cobertas de oliveiras, cerejeiras e castanheiros. A riqueza do património arquitetónico, natural, paisagístico é muito rica e variada, no entanto o trajeto oficial tem problemas no piso, sinalização e informação. Neste artigo irá encontrar informação detalhada, para programar a sua viagem, a nível da documentação técnica, mapas, património natural e arquitetónico, conselhos, história, fotografias, avaliação e tracking GPS, para download.

Assustadora Estrada do Portal do Inferno na Serra da Arada

A Estrada do Portal do Inferno é uma estreita via sinuosa, com perto de 18 km, a cerca de 1000 metros de altitude que percorre uma crista altaneira da Serra da Arada, caracterizada pelas suas falésias abruptas e precipícios infinitos, que metem medo ao olhar e fazem temer os incautos. O seu percurso em pleno coração do Maciço da Gralheira, começa perto da Capela de São Macário em São Pedro do Sul e termina na aldeia de Ponte de Telhe em Arouca, nos distritos de Viseu e Aveiro. A sua beleza é enaltecida na primavera quando a serra se pinta de tons verdes, amarelos, laranjas e lilases da carqueja, urze e giestas e que perfumam o ambiente e inebriam os sentidos. No seu percurso passa pelo geossítio do Portal do Inferno da Garra, com uma visão panorâmica de arrepiar sobre o vale por onde corre o Rio Paivô e Aldeia de Portugal de Covas do Monte. Os pontos de interesse são variados, desde as aldeias típicas de montanha em xisto, mariolas dos pastores, gado bovino e caprino que pasta livremente, fauna e flora. A mesma é muito popular entre os ciclistas e motociclistas, embora alguns corajosos condutores de automóvel também se aventurem pelos seus domínios.

Conheça a Cascata das Aguieiras das mais belas de Portugal

A Cascata das Aguieiras fica localizada na freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Esta queda de água é o geossítio de interesse com a identificação G35 do Arouca Geopark. Esta maravilha geológica destaca-se pelos sucessivos desníveis por onde a água, proveniente da ribeira com o mesmo nome, se precipita e que no conjunto totalizam cerca de 160 metros. A torrente em queda é descarregada na Garganta do Rio Paiva, onde este curso de água adquire um carácter violento e feroz para vencer as encostas estreitas. A sua importância é reforçada pela forma como pode ser observada pelo miradouro integrado nos Passadiços do Paiva ou Ponte Suspensa 516 Arouca.