Trilhe a velha rota do carteiro na volta de Rio de Frades Tunel de antiga mina de volfrâmio em Rio de Frades Ondas da Serra
sábado, 20 janeiro 2018 03:13

Trilhe a velha rota do carteiro na volta de Rio de Frades Destaque

Classifique este item
(4 votos)

O PR6 Caminho do Carteiro é um árduo trilho que começa em Rio de Frades e percorre a antiga volta que estes homens faziam para entregar a correspondência nesta aldeia e nas de Cabreiros e Tebilhão. Pelo caminho passa pela antiga mina de exploração de volfrâmio, encosta com vista assombrosa para o fundo do vale e antigas explorações deste minério que eram feitas muitas vezes de forma ilegal.

Rio de Frades - Arouca, ponto de partida do PR6 Caminho do Carteiro

PR6 - Caminho do Carteiro - Rio de Frades - Arouca

Rio de Frades fica situado no fundo de um vale e possui uma atmosfera especial, dizem que o nome surgiu quando foram extintas as ordens religiosas em Portugal e alguns homens do clero fugitivos encontraram ali refugio. Ainda hoje não é fácil ali aportar, o local já merecia uma estrada melhor. Quem quiser fazer este percurso ou visitar o local, aconselhamos a deixar o automóvel junto ao cemitério. O problema é que ainda têm que caminhar um bom bocado a descer e no regresso já cansados subir aquela encosta.

Nós arriscamos e fomos como o carro por ali abaixo, ia correndo mal porque deparamo-nos de frente com um camião que fruto dos incêndios tem muito que transportar. Não dava para os veículos se cruzaram, tivemos sorte porque bem perto uma rampa de acesso a uma casa salvou-nos de ter que fazer umas centenas de metros em marcha-atrás a subir, como acontece por vezes segundo os moradores.

Nós fomos estacionar num largo perto duma pequena ponte mesmo à entrada da localidade. Na descida irá encontrar um ponto onde surge uma placa a indicar as minas na parte superior da encosta, tome a estrada da direita.

Já começamos a ser conhecidos por aquelas paragens e encontramos gente amiga, as Senhoras Alice Silva e a Natália Ferreira. Está última confidenciou-nos que foi a neta que lhe mostrou as fotos dela na web que nós lhe tiramos para outro trabalho.

Para os mais aventureiros e em boa forma física, se começarem cedo podem fazer os dois percursos, o PR8 e PR6. Para isso aconselhamos que os façam no verão que tem mais horas de claridade. Se optar por fazer ambos aconselhamos a começarem em Fuste e terminarem a primeira parte em Rio de Frades (PR8), neste lugar começa o percurso até Tebilhão (PR6). Ambos estão bem assinalados, mas atenção são em rota linear e se não quiserem voltar pelo mesmo caminho terão que se organizar de forma a que alguém os possa ir buscar a Rio de Frades ou Tebilhão.

Descrição da Rota do Carteiro

PR6 - Caminho do Carteiro - Área mineira desativada

Vamos agora falar um pouco da Rota do Carteiro, é um percurso agradável, com várias paisagens, que passa por antigos locais de mineração, acompanhando a vertente de um vale com um rio no fundo e algumas quedas de água. Passa por pontes e localidades muito bonitas, se bem que as pessoas são mais fechadas que em outros locais, talvez por causa do isolamento. A dado momento quisemos tirar uma foto a um agricultor em Tebilhão, que vociferou “Eu sou algum palhaço, quer uma foto para por nas internetes”, nós respeitamos a sua decisão e não incomodamos mais.

Logo à saída de Rio de Frades surge uma indicação para poder visitar o túnel duma antiga mina desativada. Contudo avisamos que o mesmo anda a ser recuperada pela Câmara Municipal de Arouca, motivo porque está temporariamente fechado. Por sinal os homens que trabalham no mesmo estão hospedados na “Casa do Volfrâmio”, da Alice Silva acima referida. O túnel tem cerca de 200 metros e no final poderá encontrar um rio com uma bonita queda de água. Nós tivemos sorte porque no dia que lá fomos as obras estavam paradas e podemos passar. A nossa amiga atrás referida emprestou-nos uma lanterna para vermos no escuro e literalmente neste caso vimos uma luz ao fundo do túnel.

Aldeia de Cabreiros

PR6 - Caminho do Carteiro - Campos rurais da Aldeia de Cabreiros - Arouca

No lugar de Cabreiros encontram dois cafés, que ficam fora do percurso. Soubemos por uns habitantes que pelo menos um estava aberto, mas não tivemos tempo de o visitar.

O que fica desta incursão é imaginar um tempo em que um homem, perdido nas serras cumpria a sua jornada de trabalho a entregar correio por caminhos tão difíceis e sem se preocupar com o tempo da entrega ou meteorologia. Esse mundo já ficou para trás agora para agarrar esse tempo temos que procurar estes locais onde o tempo é imutável.

Nestas andanças encontramos algumas pessoas interessantes que apresentaremos num próximo artigo, assim como os animais, não havia era necessidade duma cabra sem vergonha nos ter "arremedado" (foto dois).

Informação do percurso disponibilizada pelo Arouca Geoparque:

Como o nome indica, este é o percurso feito pelo carteiro, para levar a correspondência às aldeias de Cabreiros, Tebilhão e Rio de Frades. Durante a II Guerra Mundial, estes caminhos foram largamente cruzados, na senda do volfrâmio, de que as aldeias mineiras são, ainda, testemunhos vivos. O largo da aldeia de Rio de Frades ou a Carreira de Moinhos de Tebilhão são os dois possíveis locais de início deste percurso, que é linear. Enquanto se delicia com a paisagem, vá escutando o correr das águas dos vários rios e ribeiras que cruzam o caminho.

História do Caminho do Carteiro*

PR6 - Caminho do Carteiro - Cabras

"Como o nome indica, este é o percurso feito pelo carteiro, para levar a correspondência às aldeias de Cabreiros, Tebilhão e Rio de Frades. Durante a II Guerra Mundial, estes caminhos foram largamente cruzados, na senda do volfrâmio, de que as aldeias mineiras são, ainda, testemunhos vivos. O largo da aldeia de Rio de Frades ou a Carreira de Moinhos de Tebilhão são os dois possíveis locais de início deste percurso, que é linear. Enquanto se delicia com a paisagem, vá escutando o correr das águas dos vários rios e ribeiras que cruzam o caminho.

Altitudes: Rio de Frades (350m) > Cabreiros (730m) > Ponte do Ribeiro Pequenino (660m) > Tebilhão (815m)

Época aconselhada: Todo o ano

Geossítios: G16 - Galeria do Vale da Cerdeira (Rio de Frades)

Outros pontos de interesse: Minas de Rio de Frades, Aldeias de Cabreiros, Tebilhão e Rio de Frades"

 

*Fonte: Arouca Geopark

Lei também:  Ilídio Fernandes de Tebilhão

Informações

Caraterísticas do percurso

Altitudes: Rio de Frades (350m) > Cabreiros (730m) > Ponte do Ribeiro Pequenino (660m) > Tebilhão (815m)
Época aconselhada: Todo o ano
Geossítios: G16 - Galeria do Vale da Cerdeira (Rio de Frades)
Outros pontos de interesse: Minas de Rio de Frades, Aldeias de Cabreiros, Tebilhão e Rio de Frades
Ponto de partida: Largo de Rio de Frades
Ponto de chegada: Carreira de Moinhos de Tebilhão
Distância: 6,00 km
Grau dificuldade: Alto
Duração: 3,00 h
Altitude máxima: 815 m
Altitude mínima: 350 m

Galeria de fotos

Lida 3274 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Ponte suspensa de Arouca para enfrentar o caminho do abismo

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.