Os caminhos de Covêlo de Paivó Caminhos de Covêlo de Paivó
domingo, 10 junho 2018 01:43

Os caminhos de Covêlo de Paivó Destaque

Classifique este item
(0 votos)

A aldeia de Regoufe oferece muitas maravilhas para os amantes da natureza e caminhadas. O próprio local tem muitos pontos de interesse, sendo também ponto de partida para os percursos de Drave (PR 14 – A Aldeia Mágica) e Covêlo de Paivó (PR13 - Na senda do Paivó). O percurso que aqui vamos falar é o que fizemos para Covêlo de Paivó.

Os caminhos de Covêlo de PaivóPercurso pedestre - Na senda do Paivó - Arouca

Este trilho não tem subidas muito acentuadas e o seu percurso ladeia o vale em baixo por onde passa o rio Paivó. Este percurso caracteriza-se pelas paisagens deslumbrantes dos vales, montanhas e caminhos que tocam os céus. As pessoas que tiverem vertigens que respirem fundo e deixem-se levar numa prova de autossuperação.

Na nossa caminhada cruzamo-nos com um rebanho de ovelhas e tivemos que fazer de pastores improvisados. As mais corajosas passaram a correr, as outras mais medrosas foram à nossa frente até aparecer uma bifurcação.

Agricultores em Covêlo de Paivó

Ao chegar Covêlo de Paivó encontramos três homens a espalhar estrume numa terra, para o trator vir depois revirá-la. O terreno pertence a Mário Martins, que tem 61 anos e andava a ser ajudado pelo filho Daniel Martins com 27 anos e o amigo Vítor Figueiredo com 42, como é habitual paramos ali um pouco para trocar dois dedos de conversa.

A aldeia em si é muito bonita com o típico casario em pedra e algumas com telhados em xisto. Só há uma estrada para a aldeia e pelo seu interior circula-se por estreitas vielas e escadarias. Nós descemos até ao fundo e fomos dar um mergulho no rio Paivô para refrescar o corpo e prepara-nos para regressar a Regoufe. Este rio nasce na Serra de Arda, sendo um afluente do Rio Paiva, também conhecido como rio Covêlo.

PR13- Na senda do Paivó – Fonte CM de Arouca

Deixe o carro na entrada da aldeia de Regoufe, porque esta não é transitável. Descubra a aldeia, percorrendo as suas ruas estreitas. Aproveite também para visitar as minas de volfrâmio abandonadas. Para iniciar o percurso terá que atravessar a aldeia até às últimas casas, localizadas na zona oeste, onde irá encontrar um trilho. Siga por ele e um pouco mais à frente encontrará um cruzamento. Vire à esquerda.

As grandes lajes que acamam o caminho e que seguem em direção a Paivô, o lugar de destino, estão profundamente marcadas pelo desgaste das incontáveis passagens dos carros de bois, a lembrar histórias já esquecidas. Ao fim de cerca de dois quilómetros a ribeira de Regoufe junta-se ao rio Paivô, que irá acompanhá-lo até Covêlo de Paivó. Estas linhas de água marcam fortemente toda a paisagem ao longo do percurso., sulcando um vale de grande beleza.

Ao chegar a Covêlo de Paivó poderá passear pela aldeia e, mais tarde, poderá procurar a pequena praia fluvial para um merecido descanso. Para voltar ao ponto de partida é só fazer o mesmo percurso, agora em sentido inverso.

História de Covêlo de Paivó

Freguesia muito antiga, cujos habitantes vivem o presente de olhos postos no futuro. Apostando numa agricultura que já não é só de subsistência, mantêm o apego às tradições: desde a malha do centeio, passando pelas desfolhadas, até à matança do porco. As principais festas e romarias são o S. Pedro, a 29 de junho, a Festa do Senhor, no dia de Corpo de Deus, e as Festas em honra de Nossa Senhora de Fátima e de Santo António, em Maio ou Junho.

Informações sobre o trilho:

 

Distância a percorrer:

9 km: 4,5 km de ida e 4,5 km de volta

Nível de Dificuldade:

Baixo

Desníveis:

Pouco acentuados, sendo descendente até Covêlo

Tipo de caminho:

Tradicional, lageado e bem definido

 

 

Lida 2053 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.

Cabril Gerês o que visitar, natureza selvagem desconhecida

A freguesia de Cabril pertencente ao concelho de Montalegre, região de Trás-os-Montes, sendo ainda uma jóia resguardada do Parque Nacional Peneda-Gerês. Situada no interior profundo é descrita como selvagem pelos seus ilustres moradores, possuindo riquezas culturais, naturais e arquitectónicas que fascinam quem as contempla.

Para sentir Cabril falamos com um autarca, empresário e historiador locais, que demonstraram o seu empenho pelo seu desenvolvimento, defesa e promoção. Nós amantes das serranias e graníticos penedos, ficamos enamorados pela Surreira do Meio Dia e beleza desta região. Neste artigo esperamos que as pessoas despertem para a conhecer e a respeitem quando a visitarem.

Parta de bicicleta do Porto à descoberta de Vila do Conde

No ano da graça de 2021, partimos numa epopeia de bicicleta na demanda duma nau, que começou em Vila Nova de Gaia, navegando junto à costa atlântica do litoral norte do Porto, Matosinhos e Vila do Conde. Fomos à descoberta destas terras desconhecidos e ficamos maravilhados com os seu encanto histórico, patrimonial, ambiental e religioso, que vamos partilhar com o nosso reino.