domingo, 30 setembro 2018 18:38

Sara, a apaixonada por pessoas que também é psicóloga da J. F. de Esmoriz Destaque

Classifique este item
(4 votos)

Sara tem 25 anos e todos a conhecem em Esmoriz, concelho de Ovar. É responsável pelo Gabinete Psicossocial da Junta de Freguesia de Esmoriz desde 2016. As pessoas são a sua maior causa e, enquanto psicóloga, trabalha todos os dias para melhorar a vida dos que procuram o seu apoio.

“Quando era criança queria ser educadora de infância, mas as coisas acabaram por se alterar. Gosto muito de pessoas e a psicologia exige que estejamos em contacto permanente com pessoas. O facto de trabalhar com a comunidade em que nasci, cresci e vivi, ainda vivo, aumentou a relação com as pessoas e hoje é como se estivesse quase em família”, explica Sara.

 

“As pessoas são apaixonantes. Acho as emoções e os comportamentos extremamente interessantes de observar e a psicologia permite-me estudar e trabalhar estes aspetos”, conclui.

 

De facto, Sara nunca quis ser psicóloga até descobrir a psicologia no 9.º ano. A partir daí, ficou claro qual seria a sua área profissional. Queria trabalhar sobretudo com crianças. Estudou na Universidade do Porto e especializou-se em educação. No entanto, quando surgiu a oportunidade de trabalhar na Junta não pensou duas vezes.

 

“Podem pedir aos médicos de família para as encaminhar ou vir cá diretamente e tratamos de tudo na Junta. Estamos abertos de Segunda a Sexta-feira, das 09h às 12h30 e das 14h às 17h30.

 

O Gabinete Psicossocial da Junta de Freguesia de Esmoriz possui um âmbito de atuação alargado. Dirige-se a qualquer pessoa da comunidade, por excelência, mas não exclui pessoas fora da cidade de Esmoriz ou do próprio concelho de Ovar. De acordo com Sara, o gabinete conta neste momento com pessoas de todas as faixas etárias, desde os 10 anos aos 60.

 

“Por ano, temos há volta de 60 a 70 pessoas a passar por cá, sendo que apenas contabilizamos as que têm um contacto prolongado com o gabinete psicossocial”, refere. “Apesar de ser da Junta de Freguesia de Esmoriz, temos pacientes de Ovar, Espinho, Maceda, Cortegaça, Arada, entre outros. A maior das juntas não tem apoio e as pessoas vêm porque são referenciadas ou ouviram falar. Acolhemos todos, mesmo que não sejam do nosso município. Não negamos este apoio porque sabemos que o acesso à psicologia pode não ser fácil e a nossa missão é ajudar.”

 

“Normalmente, as pessoas vêm quando já não conseguem lidar sozinhas com a situação. Ainda há um enorme estigma relativamente à psicologia e por isso tendem a procurar-me em cenários extremos. Os casos mais intensos são os traumas de infância e que são muito difíceis de lidar.”

 

A força da “menina que cresceu”, como é conhecida, deve-se também ao apoio da família: “Nunca me disse que eu não era capaz. Aliás, a minha família sempre me deu e exigiu autonomia. Isso fez com que eu quisesse seguir os estudos e procurar meios para ser independente.”

 

Aos 25 anos, a psicóloga de Esmoriz preservou a visão cor-de-rosa do mundo: “Acredito muito nas pessoas e procuro sempre ver o lado bom delas. Acredito que todos nós podemos contribuir para um bem maior e isto está muito relacionado com o que eu faço enquanto psicóloga, mas que ultrapassa a Sara psicóloga em muito.”

 

O objetivo é contribuir para o bem-estar e a saúde da comunidade de Esmoriz, mas também de todos os que procuram a Sara e que não vivem na cidade. A intervenção junto das famílias, de idosos, crianças, adolescentes e adultos faz de Sara uma profissional verdadeiramente comprometida em trabalhar a capacitação da comunidade com benefícios inquestionáveis.

 

O contacto próximo com outras entidades locais, como o Gabinete de Inserção Profissional de Esmoriz, o Centro Comunitário e a Câmara Municipal, permite um trabalho multidisciplinar e que se traduz num acompanhamento rigoroso e saudável de todos os utentes.

Lida 2032 vezes Modificado em quarta, 14 outubro 2020 09:18

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Construção de moliceiros-Tudo o que você sempre quis saber

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para fazer nascer moliceiros, sendo estes artífices conhecidos por "Mestres do Machado".

A Forja do Mestre Cuteleiro Toni Pinho

Das mãos feridas por cortes, nascem no templo do Mestre, à força da têmpera e bigorna, facas, espadas, catanas e navalhas, que só um cuteleiro sabe forjar. O Ondas foi conhecer em Ovar, um raro homem de sabedoria ancestral, de nome António Santiago, que do bruto metal, imbuído de crenças orientais, faz peças únicas que intimidam só pelo olhar.

Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras

Ana Pires: “Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças!”

A primeira mulher cientista-astronauta portuguesa é natural de Espinho e vive em Lourosa, Santa Maria da Feira. Ana Pires nasceu a 13 de janeiro de 1980 e cresceu na vila portuguesa de São Paio de Oleiros. Aos 38 anos participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA).