Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras Ana Pires participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA)
sexta, 08 março 2019 16:07

Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras

Classifique este item
(1 Vote)

Ana Pires: “Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças!”

A primeira mulher cientista-astronauta portuguesa é natural de Espinho e vive em Lourosa, Santa Maria da Feira. Ana Pires nasceu a 13 de janeiro de 1980 e cresceu na vila portuguesa de São Paio de Oleiros. Aos 38 anos participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA).

Ana Pires do Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência na NASA

“Querer saber mais” levou Ana Pires a querer explorar o mar e o espaço. Falamos com a investigadora do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) numa entrevista sobre o espaço, o mar e Espinho.

  1. Como é que saltou do mar e das rochas industriais para o espaço?

Para mim é tudo engenharia e tecnologia, tem esta ligação comum nas diferentes áreas em que trabalhei e continuo a trabalhar. A área das geotecnologias do mar levou-me ao INESC TEC onde estou agora a trabalhar em mineração debaixo de água e robots/sistemas autónomos subaquáticos. Tendo este enquadramento, e tendo já desde 2015 curiosidade sobre este projecto apoiado pela NASA, o Programa PoSSUM, levou-me a concorrer. E fui uma das selecionadas. Penso que no Laboratório de Robótica, que é onde estou, esta ligação ao espaço faz todo o sentido, porque o nosso Lab poderá apoiar projetos na área das tecnologias e servir como Lab de validação de dados e testes.

  1. O espaço é essencialmente vazio. O que é que a fascina?

Será que o espaço é vazio??? (Risos) Não me parece... O que me fascina, e deve ser intrínseco a todo o ser humanao, é o desconhecido! O querer saber mais!

  1. O desconhecimento é o ponto comum entre o que é feito debaixo de água e no espaço.

Concordo, vai de encontro ao que respondi acima. Existe este denominador comum que é o desconhecido e que nos faz querer explorar o fundo do mar e o espaço. Se calhar o fundo do mar como um ambiente ainda mais extremo e difícil de explorar. Basta percebermos que apenas 3 pessoas foram até ao local mais profundo do mar (cerca de 11 km) e ao espaço mais de uma dúzia já exploraram!

  1. A Ana enquanto investigadora dos mares vê o espaço de que forma?

Vejo como uma oportunidade de poder aprender mais sobre este ambiente, e vejo como uma oportunidade de poder explorar com as Instituições onde trabalho (ISEP/INESC TEC) em futuros projectos ligados à Indústria espacial.

  1. Quando ingressou no Possum, foi com que objetivo?

Poder perceber quais os meus limites, aprender mais, conhecer colegas de todo o mundo e com diferentes backgrounds! Mas acima de tudo, poder levar o meu know-how, e trazer conhecimentos para o Laboratório.

  1. Os conhecimentos que adquiriu serão importantes para o seu trabalho futuro enquanto investigadora?

Sem dúvida, trabalho cada vez mais para continuar a fazer mais cursos no âmbito do projecto PoSSUM, e aproximar-me cada vez mais do Espaço.

  1. De todas as experiências que viveu, qual a foi dura?

Para mim a mais dura, e mais espetacular, foram os voos acrobáticos para experimentar as forças G.

  1. Foi recentemente selecionada para fazer parte de um curso ligado a tecnologias e instrumentação. Pode falar sobre ele?

O Curso que irei fazer em maio no Arizona, será sobre Geologia Lunar e de Marte, no âmbito do Projecto Otter, ainda no programa PoSSUM. Este curso irá permitir preparar idas ao terreno (análogo ao Espaço) para recolha de rochas, sedimentos, preparar os testes e ensaios que são necessários quando se está mesmo numa missão. Recorrendo aos fatos espaciais. Para saber mais, clique aqui.

  1. Sendo natural de Espinho, tem uma ligação especial com o mar?

Tenho! Muito próxima! Está dentro de mim, o mar, a água, as pedras dos esporões de Espinho. Conheço muito bem a costa de Espinho, no âmbito do meu Mestrado em Minerais e Rochas Industriais, e posteriormente no meu trabalho de Doutoramento. Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças! Foi a cidade que me viu nascer. Por outro lado, São Paio de Oleiros foi a Vila que me viu crescer, e onde tenho a minha família e amigos e obviamente que também está sempre no meu coração. Por isso tenho dois amores!

  1. Quais são os planos para o futuro?

Continuar a trabalhar e a estudar, estou neste momento muito empenhada no Curso de Mestrado (mesmo com um Doutoramento em Geociências voltei a estudar) Engenharia Eletrotécnica e de Computadores - Sistemas Autónomos (Robótica) do ISEP. Estou muito interessanda em trabalhar em projectos futuros na indústria espacial, continuar a formação nesta área. E recentemente tive oportunidade de conhecer o primeiro cientista-astronauta, o homem mais bem prepado para ir à Lua, o Prof. Rui Moura, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, e estamos a trabalhar em conjunto.

Vídeos sobre os testes da Ana Pires na NASA

 

 

 

Lida 800 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares.

A Forja do Mestre Cuteleiro Toni Pinho

Das mãos feridas por cortes, nascem no templo do Mestre, à força da têmpera e bigorna, facas, espadas, catanas e navalhas, que só um cuteleiro sabe forjar. O Ondas foi conhecer em Ovar, um raro homem de sabedoria ancestral, de nome António Santiago, que do bruto metal, imbuído de crenças orientais, faz peças únicas que intimidam só pelo olhar.

O Reiki na vida de três mulheres

O Ondas da Serra foi até São João da Madeira e falou com três mulheres que nos contaram como reencontraram o equilíbrio com a energia universal. Quais foram essas encruzilhadas que levaram estas mulheres para o mesmo trilho, que começa a ser percorrido por um número crescente de pessoas, mas que ainda é alvo de reservas por ser uma terapia alternativa, o Reiki.