Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro Mestre Felisberto Amador Ondas da Serra

Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares.

Mestre Felisberto AmadorMestre Felisberto Amador - carpinteiro naval

Nas nossas viagens pela ria, passamos várias vezes por uma oficina na zona da Tabuada em Pardilhó, onde víamos estas embarcações à espera de remendos e outras considerações. Não foi por acaso que um dia na bela e esquecida Ribeira do Nacinho, fomos encontrar o Mestre Felisberto Amador a rebocar o “Marnoto”, para ser consertado e poder voltar aos canais de Aveiro, agora não para o moliço, mas passear o turista.

Regressamos um dia para o conhecer melhor, aproveitando o facto de estar a pintar o seu moliceiro “Amador”, que iria participar na regata da ria. Aqui descobrimos um homem de temperamento afável como a ria, riso fácil e verdadeiro, que trabalha melhor o machado que as falas.

Muitos se enaltecem com a ria e os seus barcos tradicionais, mas são poucos os que ainda têm a arte para os fazer de raiz e consertar.

Construtores de barcos moliceiros e mercanteis para a Ria de Aveiro

Antigamente eram conhecidos por Mestres do Machado, tudo era feito quase exclusivamente com ajuda desta simples ferramenta, que ainda hoje é utilizada, “Naquele tempo os carpinteiros navais, ou carpinteiros de machado (como então se chamavam) constituíam uma verdadeira elite. Ganhavam os maiores ordenados e vestiam as melhores roupas e consumiam os melhores alimentos.” Saleiro, M., 1967. Esboço Da História Contemporânea De Pardilhó.

Fomos também conhecer a oficina do Mestre e o mercantel que contruiu de raiz, com dois pinheiros. Ficamos a saber que é o turismo de Aveiro que vai ainda fazendo subsistir alguns resistentes já com alguma idade.

Leia também: O CENÁRIO da Ria de Ovar, por Hélder Ventura

No sábado da regata da ria bem cedo, antes que o vento fizesse tormentos, fomos ver o BOTA-ABAIXO do moliceiro Amador na ria, para com as cores avivadas navegar até à Torreira para à tarde participar na regata.

Mais do que palavras convidamos os nossos leitores a verem os vídeos onde as imagens são testemunho para a posteridade duma arte que brevemente poderá desaparecer e lembrar a importância que esta terra de encantos já teve. Um dos objetivos deste artigo é que os mais novos conheçam as suas raízes, que afinal são de todos os portugueses, exímios construtores navais que partiram à descoberta do mundo.

 “Se perguntarmos a um jovem pardilhoense nas idades entre doze e vinte e cinco anos, quais as razões e os motivos que determinaram que a sede do Sindicato dos Carpinteiros Navais do Distrito de Aveiro fosse situada em Pardilhó, com certeza nenhum dos perguntados saberá explicar... Na época das construções em madeira, era tal a competência dos nossos carpinteiros, que vários empresários costumavam dizer: - TENHO QUE CONTRATAR ALGUNS PARDILHÓS.” Saleiro, M., 1967. Esboço Da História Contemporânea De Pardilhó.

O nosso obrigada ao Mestre Felisberto Amador pela forma como nos recebeu e paciência para fazermos o nosso trabalho.

 

Lida 754 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

A Forja do Mestre Cuteleiro Toni Pinho

Das mãos feridas por cortes, nascem no templo do Mestre, à força da têmpera e bigorna, facas, espadas, catanas e navalhas, que só um cuteleiro sabe forjar. O Ondas foi conhecer em Ovar, um raro homem de sabedoria ancestral, de nome António Santiago, que do bruto metal, imbuído de crenças orientais, faz peças únicas que intimidam só pelo olhar.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras

Ana Pires: “Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças!”

A primeira mulher cientista-astronauta portuguesa é natural de Espinho e vive em Lourosa, Santa Maria da Feira. Ana Pires nasceu a 13 de janeiro de 1980 e cresceu na vila portuguesa de São Paio de Oleiros. Aos 38 anos participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA).