quinta, 16 novembro 2017 23:55

Fuste | História de um cão

Classifique este item
(2 votos)

Já estamos habituados que nas nossas caminhadas e explorações nos aconteçam as mais variadas peripécias. Na nossa viagem a Fuste – Moldes – Arouca, para trilhar o PR8 - Rota do Ouro Negro, aconteceu-nos algo especial.

Fuste | História de um cão

Fuste | História de um cão

À saída da aldeia as setas pareciam indicar que deveríamos entrar pelo pátio particular duma casa. Mas não havia outra alternativa e tivemos mesmo que seguir as indicações e passar numa pequena abertura que dava acesso a um pátio interior, onde floresceu uma sombreira ramada. Aqui fomos encontrar nas tarefas quotidianas o casal habitante dessa casa. A senhora lavava roupa num tanque e o homem mexia em ferramentas. Paramos um pouco a falar com eles e fizemos festas a vários animais, como fizemos a outros nesta aldeia e deve ter sido isso que despoletou a história que se segue.

Começamos o percurso e verificamos que um pequeno cão de cor creme, bem tratado, com coleira, com postura feliz e carinhosa, nos seguia muito contente e dava correrias de forma energética.

Nós pensamos que a dada altura ele regressaria aos donos como é habitual nestes casos. Mas ele não parava de nos seguir, nem com os nossos insistentes pedidos. Uma ocasião fomos mais “duros”, durante breves instantes o cão desapareceu, para regressar logo de seguida em espetacular correria e passar a toda a velocidade por nós.

Nesta fase do trajeto pensamos nós que a companhia do animal era desígnio superior e que já estávamos longe o suficiente para não termos a certeza que ele regressava em segurança a casa. Soubemos logo nessa altura que ele teria no final de ser entregue aos donos.

E assim foi, parecia que o cão era nosso, quando nos ultrapassava ficava à nossa espera com as orelhas arrebitadas, quando ficava para trás, dava uma corrida para nos apanhar. Por vezes desaparecia por entre a vegetação ou molhava-se nos pequenos ribeiros que encontrava.

O percurso foi duro, este tem locais muito perigosos, onde até colocaram arames para as pessoas se segurarem. Em alguns pontos o caminho não tem mais de um metro de largura, uma queda pode ser a morte certa. No entanto alheio ao perigo o cão passava por nós a correr a todo a velocidade, ficávamos com o coração nas mãos, alguém ia-lhe dizendo, “O pá ainda vais cair lá baixo”.

Paramos para retemperar forças, no vale junto à Cascata da Ribeira do Covela, claro que o pequeno cão estava com fome depois de ter gastado alguma da sua energia. O “farnel” não era muito, mas lá comeu um pouco das nossas sandes. comeu de tudo; menos de banana..., devíamos pensar que ele era um macaco.

Retomando o caminho, a dada altura, o cão parou em postura defensiva com as orelhas arrebitadas. Nós não vimos nada, mas ele pressentiu algum perigo e mais tarde ficamos a saber que por ali vivem lobos que têm matado cães e ovelhas por aquela região.

Já perto do nosso destino em Rio de Frades surgiu outro cão que logo fez amizade com o “nosso”. Bem um cão ainda vá lá, mas dois já era de mais, mas constatamos que este tinha a sua casa ali próximo.

Chegamos ao destino e o nosso animal vendo a casa da Srª Alice Silva com a porta aberta depressa entrou lá para dentro, para comer a ração do gato. Mas a chegada repentina da proprietária levou-o fugir com medo, apesar das suas insistências ele não mais entrou e ela foi obrigada a deitar-lhe comida no exterior.

O tempo passou a correr e o crepúsculo aproximava-se e como ainda tínhamos que regressar a Fustes por caminhos de montanha, pedimos boleia à Sr.ª Fátima Tavares de Arouca, que se encontravam ali perto a descarregar achas de madeira. Este foi a única vez que o cão teve medo quando pegamos nele para ir aos nossos pés na cabine. Estávamos a ver que ele se iria enervar, mas lá com uma festas o conseguimos acalmar.

Bem próximo do destino o cão “finalmente” deu mostras de cansaço, colocando-se entre as nossas pernas. Mas acabamos por chegar, também nós já estávamos fatigados. Ali perto encontramos três mulheres, que tinham estado a trabalhar nos campos, Maria Ribeiro, Adília Duarte e Adília Ferreira, que nos indicaram quem era o dono do animal.

Uma delas veio connosco indicar-nos a casa, que por sinal era a que foi mencionada no começo desta jornada. Os donos eram o Alcino Silva e a Palmira Moreira que ao verem o animal ficaram muito contentes e aliviados. O dono disse já ter ido perguntar aos vizinhos pelo cão e ficado desconfiado que ele tivesse ido com os senhores da caminhada. Ficaram todos estupefactos com a história e que o cão não costuma fazer isso, já que é habitual passarem pessoas por ali nas caminhadas.

Finalmente soubemos o seu nome “Bobi”, tem dois anos, está registado e tem chipe. Isto deu motivo para ficarmos bastante tempo no local a falar, acompanhado pelo vinho que amavelmente nos ofereceu e que depois de tão grande esforço nos pareceu o néctar dos deuses, ainda que alguns não bebam por norma álcool.  Partilhamos histórias do Ondas da Serra e eles dos lobos que atacam a região e que serão tratadas noutro artigo. O cão, esse ficou algum tempo no colo do dono a dar-lhes lambidelas no rosto. Não fosse ele querer fugir novamente o mesmo foi fechá-lo dentro de casa.

Agora quando formos novamente a Fuste vamos cumprimentar o nosso amigo “Bobi” e os seus donos.

 

Leia também os nossos artigos destas caminhadas:

Galeria de fotos

Lida 1516 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como era o ensino no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Conheça a bonita e maior praia fluvial do Areinho em Arouca

A bonita e aprazível praia fluvial do Areinho é banhada pelo Rio Paiva, ficando localizada na União de Freguesias de Canelas e Espiunca – Arouca, sendo a maior deste concelho que pertence ao distrito de Aveiro. Não se vai arrepender de se banhar nas suas temperadas águas e confie em nós que irá passar um dia magnifico neste aprazível local, que ficou um pouco movimentado por causa dos passadiços do Paiva, mas que não lhe retiraram o encanto.

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.