quinta, 16 novembro 2017 23:55

Fuste | História de um cão

Classifique este item
(3 votos)

Já estamos habituados que nas nossas caminhadas e explorações nos aconteçam as mais variadas peripécias. Na nossa viagem a Fuste – Moldes – Arouca, para trilhar o PR8 - Rota do Ouro Negro, aconteceu-nos algo especial.

Fuste | História de um cão

Fuste | História de um cão

À saída da aldeia as setas pareciam indicar que deveríamos entrar pelo pátio particular duma casa. Mas não havia outra alternativa e tivemos mesmo que seguir as indicações e passar numa pequena abertura que dava acesso a um pátio interior, onde floresceu uma sombreira ramada. Aqui fomos encontrar nas tarefas quotidianas o casal habitante dessa casa. A senhora lavava roupa num tanque e o homem mexia em ferramentas. Paramos um pouco a falar com eles e fizemos festas a vários animais, como fizemos a outros nesta aldeia e deve ter sido isso que despoletou a história que se segue.

Começamos o percurso e verificamos que um pequeno cão de cor creme, bem tratado, com coleira, com postura feliz e carinhosa, nos seguia muito contente e dava correrias de forma energética.

Nós pensamos que a dada altura ele regressaria aos donos como é habitual nestes casos. Mas ele não parava de nos seguir, nem com os nossos insistentes pedidos. Uma ocasião fomos mais “duros”, durante breves instantes o cão desapareceu, para regressar logo de seguida em espetacular correria e passar a toda a velocidade por nós.

Nesta fase do trajeto pensamos nós que a companhia do animal era desígnio superior e que já estávamos longe o suficiente para não termos a certeza que ele regressava em segurança a casa. Soubemos logo nessa altura que ele teria no final de ser entregue aos donos.

E assim foi, parecia que o cão era nosso, quando nos ultrapassava ficava à nossa espera com as orelhas arrebitadas, quando ficava para trás, dava uma corrida para nos apanhar. Por vezes desaparecia por entre a vegetação ou molhava-se nos pequenos ribeiros que encontrava.

O percurso foi duro, este tem locais muito perigosos, onde até colocaram arames para as pessoas se segurarem. Em alguns pontos o caminho não tem mais de um metro de largura, uma queda pode ser a morte certa. No entanto alheio ao perigo o cão passava por nós a correr a todo a velocidade, ficávamos com o coração nas mãos, alguém ia-lhe dizendo, “O pá ainda vais cair lá baixo”.

Paramos para retemperar forças, no vale junto à Cascata da Ribeira do Covela, claro que o pequeno cão estava com fome depois de ter gastado alguma da sua energia. O “farnel” não era muito, mas lá comeu um pouco das nossas sandes. comeu de tudo; menos de banana..., devíamos pensar que ele era um macaco.

Retomando o caminho, a dada altura, o cão parou em postura defensiva com as orelhas arrebitadas. Nós não vimos nada, mas ele pressentiu algum perigo e mais tarde ficamos a saber que por ali vivem lobos que têm matado cães e ovelhas por aquela região.

Já perto do nosso destino em Rio de Frades surgiu outro cão que logo fez amizade com o “nosso”. Bem um cão ainda vá lá, mas dois já era de mais, mas constatamos que este tinha a sua casa ali próximo.

Chegamos ao destino e o nosso animal vendo a casa da Srª Alice Silva com a porta aberta depressa entrou lá para dentro, para comer a ração do gato. Mas a chegada repentina da proprietária levou-o fugir com medo, apesar das suas insistências ele não mais entrou e ela foi obrigada a deitar-lhe comida no exterior.

O tempo passou a correr e o crepúsculo aproximava-se e como ainda tínhamos que regressar a Fustes por caminhos de montanha, pedimos boleia à Sr.ª Fátima Tavares de Arouca, que se encontravam ali perto a descarregar achas de madeira. Este foi a única vez que o cão teve medo quando pegamos nele para ir aos nossos pés na cabine. Estávamos a ver que ele se iria enervar, mas lá com uma festas o conseguimos acalmar.

Bem próximo do destino o cão “finalmente” deu mostras de cansaço, colocando-se entre as nossas pernas. Mas acabamos por chegar, também nós já estávamos fatigados. Ali perto encontramos três mulheres, que tinham estado a trabalhar nos campos, Maria Ribeiro, Adília Duarte e Adília Ferreira, que nos indicaram quem era o dono do animal.

Uma delas veio connosco indicar-nos a casa, que por sinal era a que foi mencionada no começo desta jornada. Os donos eram o Alcino Silva e a Palmira Moreira que ao verem o animal ficaram muito contentes e aliviados. O dono disse já ter ido perguntar aos vizinhos pelo cão e ficado desconfiado que ele tivesse ido com os senhores da caminhada. Ficaram todos estupefactos com a história e que o cão não costuma fazer isso, já que é habitual passarem pessoas por ali nas caminhadas.

Finalmente soubemos o seu nome “Bobi”, tem dois anos, está registado e tem chipe. Isto deu motivo para ficarmos bastante tempo no local a falar, acompanhado pelo vinho que amavelmente nos ofereceu e que depois de tão grande esforço nos pareceu o néctar dos deuses, ainda que alguns não bebam por norma álcool.  Partilhamos histórias do Ondas da Serra e eles dos lobos que atacam a região e que serão tratadas noutro artigo. O cão, esse ficou algum tempo no colo do dono a dar-lhes lambidelas no rosto. Não fosse ele querer fugir novamente o mesmo foi fechá-lo dentro de casa.

Agora quando formos novamente a Fuste vamos cumprimentar o nosso amigo “Bobi” e os seus donos.

 

Leia também os nossos artigos destas caminhadas:

Galeria de fotos

Lida 1659 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Ponte suspensa de Arouca para enfrentar o caminho do abismo

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.