"Mar e outros poemas", de Fernando Pinto Pormenor da capa de "Mar e outros poemas"
quarta, 09 agosto 2017 23:13

"Mar e outros poemas", de Fernando Pinto

Classifique este item
(1 Vote)

"MAR E OUTROS POEMAS – POESIA E HUMANIDADE" - Crónica de Jacinto Guimarães sobre o livro do jornalista Fernando Manuel Oliveira Pinto.

Apresentação do livro "MAR E OUTROS POEMAS", de Fernando Pinto

"À primeira vista, as sessões de lançamento de uma obra literária são todas iguais. Escolhido o local, sentam-se a uma mesa o autor e a pessoa convidada para tecer comentários, por regra elogiosos, sobre os dois. Do outro lado alinham-se os destinatários da mensagem, muitos à espera de um autógrafo. A dimensão do aparato e a sua divulgação dependem do impacto do autor e do meio onde ocorre o acontecimento. Esta análise é discutível, mas aí está.

A apresentação do primeiro livro do jornalista Fernando Manuel Oliveira Pinto, "MAR e outros poemas", levada a efeito no dia 25 de novembro de 2016 na Biblioteca Municipal de Ovar, obedeceu ao esquema acima alinhado, mas não só. Foi muito além. Entrou no foro de uma confissão. A empatia do autor com a plateia fez o resto... O lado intimista como Fernando Pinto ligou a obra à sua própria vida deram à reunião autor/assistência o cunho de uma conferência sobre a arte de (bem) viver. A faceta de humanidade de Fernando Pinto, a sua sensibilidade e a forma simples como abordou o tema, que era o livro, prenderam a atenção das pessoas e iludiram o tempo. Que passou a correr, sem ninguém dar por isso. Comecemos pelo "objeto de estimação" que é a amizade. Trazer uma colega de curso para falar sobre a sua obra (e o autor) mostra que os laços de amizade ficaram e perduram. Destacar a presença das dezenas de amigos que enfrentaram a intempérie para estar ali – como salientou – e apontar a dedo os nomes de amigos de “lides artísticas” pode parecer igual ao que sucede nestas ocasiões. Mas no caso de Fernando Pinto isto não é um gesto de conveniência, é genuíno, como genuíno é o sorriso que lhe emoldura as palavras.

Na abordagem do ato de criação literária do livro que nos levara lá, o autor não se ficou pela forma, de que também falou – gosta de poemas curtos e de palavras simples, palavras nuas: mostrou paixão pela sua terra, pelas raízes, tema subjacente à maioria deles. O Furadouro, os pescadores, o pôr do sol, as gaivotas, o MAR. Sempre o MAR. E a vida. A família... Foi ao falar da família que Fernando Pinto mais sensibilizou os amigos ali presentes. E se emocionou... Primeiro dando palco à filha Inês, de 12 anos de idade, ao incluir no livro ilustrações da sua autoria, depois falando no seu filho Leonardo, de nove aninhos, "um menino muito meigo, especial".

Os pescadores, uma das "traves mestras" do livro, fizeram Fernando Pinto relembrar, com emoção, o avô, também ele pescador e "protagonista" do filme "Mudar de Vida", de Paulo Rocha, pois fazia parte da tripulação do barco que merece destaque no filme. A certa altura, quando a apresentadora e amiga Oriana Pataco lia um excerto do poema "Lobos do Mar", Fernando Pinto não resistiu e declamou ele o poema. Todo. E então vimos que não eram as palavras escritas no papel que Fernando Pinto lia: ele expõe-nos a própria alma. O livro contempla poemas desde os quinze anos do autor, escalonados por várias fazes da vida. Quando alguém da assistência pergunta se estão alinhados cronologicamente, Fernando Pinto responde que não, que estão intercalados, mas que os leitores o irão descobrir por eles. Belo desafio. Depois de ler o livro “MAR e outros poemas” e de esta crónica já ir longa, talvez seja altura de me despedir com um verso dito pela Mãe do poema sobre os búzios: Agora dorme. Anoiteceu."

TEXTO: Jacinto Guimarães (escritor de Válega, Ovar)

VÍDEO: Fernando Pinto e Inês Pinto (filmado na Praia do Torrão do Lameiro, Ovar)

FOTO DA CAPA: Fernando Pinto

O livro "MAR E OUTROS POEMAS", de Fernando Pinto, pode ser adquirido na Biblioteca Municipal de Ovar.

Lida 787 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Arte Xávega da Companha Jovem vai morrendo no Furadouro

A história vareira de Ovar está profundamente enredada na pesca artesanal, onde grossos mares reclamaram tantas vidas. As suas varinas saindo de canastra à cabeça, vergadas pelo jugo do peso, caminhando descalças muitas léguas sem fraquejar ou reclamar, apregoavam com rouca marítima voz, “Sardinha do nosso mar”, pelos cantos recônditos do nosso distrito e arredores, levando o seu vozeirão até à longínqua Régua. As companhas de pesca às centenas, pescando cegamente com Arte Xávega, foram morrendo e hoje neste concelho são menos que os dedos da mão. Um destes dias ainda com noite fechada, arremetemos pelo formoso mar, navegando com os pescadores da “Companha Jovem”, a única sobrevivente da praia do Furadouro. É esta história que vamos contar, as vivências destes robustos pescadores, com as suas glórias e angústias, últimos representantes duma arte tradicional que merecia mais atenção, para não deixar morrer a nossa memória, porque nem tudo são cantigas ou distribuição anárquica de subsídios. 

Histórias de Pardilhó que o tempo apagou por Mário Saleiro

Pardilhó ocupa um lugar especial no coração do Ondas da Serra, por isso certo dia fomos à procura da sua história e encontramos um livro com as memórias dum Pardilhoense que tinha vivido no Brasil, Mário de Oliveira Saleiro, “O Almocreve da Ti Rendeira | Esboço da História Contemporânea de Pardilhó”. Através das suas palavras ficamos a conhecer melhor a história desta terra, profundamente ligada à Ria de Aveiro, pesca, construção naval, terras marinhoas, famílias, pedreiros e tempos onde o homem estaria mais conectado à mãe terra.

Solange Duarte: Rainha do Carnaval de Ovar ama ser vareira

Solange Duarte nasceu a 16 de janeiro de 1990, na cidade de Ovar, e ama “toda a história e magia que a cidade tem”. Falamos com D. Sol, a Irradiante, rainha do Carnaval de Ovar de 2019 e vareira de gema, sobre uma das maiores festas do concelho e os projetos para o futuro.