sexta, 10 fevereiro 2017 14:24

Coveiro, a profissão que não existe Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Uma profissão de emoções mas que já não existe no século XXI. Coveiro, ou assistente operacional como atualmente se assume, é aquele que abre covas para cadáveres. Mas, hoje, é também aquele que reconforta pessoas todos os dias e garante um cemitério cuidado e seguro.

Coveiro, a profissão que não existe

Existem em praticamente todas as juntas de freguesia de Portugal. São 3091 freguesias que compõem o país, de acordo com a atual versão da carta administrativa redigida pela Direção-Geral do Território. Os cemitérios fazem parte da história nacional, tal como os coveiros.

Em Santa Maria da Feira, no cemitério do centro da cidade, o coveiro é simultaneamente guardião de sepulturas e confidente daqueles que precisam dos seus conselhos mas, sobretudo, da sua disponibilidade.

O dono das chaves do portão ferrugento que protege os que já partiram admite que a profissão não o assusta e que a morte se tornou mais leve há medida que o tempo foi passando.

Aqui, o coveiro não é pálido, infeliz nem misterioso. Tem gosto no que faz e usufrui da companhia das pessoas. Limpeza e abertura de covas, vigilância e manutenção do cemitério, acompanhamento de funerais e confortar as pessoas são apenas das suas funções diárias.

“Estou no cemitério constantemente. Se houver funerais ao fim-de-semana, eu estou cá. Prefiro abdicar das minhas folgas e estar com as pessoas. Gosto de estar aqui”, desabafou o assistente operacional, ou talvez o coveiro, com quem o ‘Ondas da Serra’ conversou e que pediu para não ser identificado.

Galeria de fotos do cemitério de Santa Maria da Feira

Lida 1082 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

O Reiki na vida de três mulheres

O Ondas da Serra foi até São João da Madeira e falou com três mulheres que nos contaram como reencontraram o equilíbrio com a energia universal. Quais foram essas encruzilhadas que levaram estas mulheres para o mesmo trilho, que começa a ser percorrido por um número crescente de pessoas, mas que ainda é alvo de reservas por ser uma terapia alternativa, o Reiki.

Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras

Ana Pires: “Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças!”

A primeira mulher cientista-astronauta portuguesa é natural de Espinho e vive em Lourosa, Santa Maria da Feira. Ana Pires nasceu a 13 de janeiro de 1980 e cresceu na vila portuguesa de São Paio de Oleiros. Aos 38 anos participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA).

Sara, a apaixonada por pessoas que também é psicóloga da J. F. de Esmoriz

Sara tem 25 anos e todos a conhecem em Esmoriz, concelho de Ovar. É responsável pelo Gabinete Psicossocial da Junta de Freguesia de Esmoriz desde 2016. As pessoas são a sua maior causa e, enquanto psicóloga, trabalha todos os dias para melhorar a vida dos que procuram o seu apoio.