Percurso Pedestre PR1 - "VARANDAS DA FELGUEIRA – Vale de Cambra Amendoeiras em flor - aldeia de Felgueira - Montanhas Mágicas - Vale de Cambra
quarta, 19 abril 2017 15:51

Percurso Pedestre PR1 - "VARANDAS DA FELGUEIRA – Vale de Cambra

Classifique este item
(7 votos)

A equipa do ONDAS DA SERRA foi até Vale de Cambra conhecer o novo Percurso Pedestre "VARANDAS DA FELGUEIRA (PR1)". Aquele Vale, na primavera, é realmente mágico... Nem o cinza do incêndio que devastou grandes áreas da serra, no verão de 2016, consegue esconder a alvura e o delicado aroma das cerejeiras em flor que embelezam o caminho.

Percurso Pedestre PR1 - "VARANDAS DA FELGUEIRA – Vale de Cambra

Antes de iniciar este passeio virtual, convidamo-lo a passear o olhar pelas 27 fotos da GALERIA que lhe oferecemos. Nas três primeiras imagens vai descobrir o ponto de partida desta nova aventura da equipa do ONDAS DA SERRA, desta vez por terras de Vale de Cambra ("Vale Má do redilgico").

Fomos de carro até à aldeia da Felgueira. O sol começava a acordar quando chegámos à curiosa paragem de autocarro que vinha indicada no folheto do "PR1 - Varandas da Felgueira" [fotos 1 e 2]. O antigo percurso, segundo nos informaram, tinha 5,1 km e demorava cerca de 2 horas a percorrer, e o novo trajeto, também de desenho circular, passou a ter quase o dobro da distância (9, 5 km), e faz-se em 3h30.

O Rebanho de cabras a sair redil

Saida do rebanho de cabras do redil - Felgueira - Vale de Cambra

Tirámos as câmaras do saco para fazermos os primeiros registos fotográficos, os da praxe, e fomos surpreendidos com uma cena da vida campestre que atraiu a nossa lente: um rebanho acabava de sair do redil. Conversámos com o pastor José Augusto Tavares (José das Ovelhas), de 71 anos de idade, que alertou: "Antigamente, as cabras limpavam os terrenos... Como podem ver, está tudo cheio de silvas, de mato, e os lobos descem às aldeias".

A aldeia de Felgueira - Vale de Cambra

Na aldeia da Felgueira, onde predomina o casario de granito e xisto, falámos com outros moradores, como a senhora Maria Custódia, de 91 anos de idade, que vigiava o marido, lá do alto, enquanto o Sr. Manuel Joaquim tentava retirar os pedregulhos que lhe tinham plantado na terra onde costuma semear batatas. A rua encontrava-se em obras... Aliás, a paisagem está a mudar por estas "varandas" – autênticos miradouros naturais –, porque os incêndios do verão de 2016 deixaram, infelizmente, a sua marca na paisagem serrana. Em 4 de março de 2017, para ajudar a reflorestar este recanto do "Vale Mágico", a Associação Desportiva e Cultural da Felgueira plantou várias espécies de árvores autóctones, como o carvalho e o medronheiro, num terreno junto à aldeia. O ONDAS DA SERRA aplaude esta iniciativa!

Fomos buscar o folheto do PR1 ao saco para nos orientarmos: "Por entre o casario, toma-se o sentido Sul e rapidamente se alcança o antigo caminho de ligação a Carvalhal do Chão e Mouta Velha. A atividade agrícola, muita dela desenvolvida em socalcos, confere um colorido único à paisagem. É desta aldeia que se inicia a subida para a zona do "Alto da Carrasqueira"...

Guardámos o desdobrável, bebemos um gole de água, e percorremos os vários trilhos até alcançarmos os 854 metros de altitude. A paisagem ainda estava enegrecida devido ao incêndio, mas o percurso está bem sinalizado com as habituais marcas a amarelo e vermelho – caminho certo ou errado – colocados em locais bem visíveis, como postes, muros, pedras e árvores. (O pedestrianismo em Portugal está no bom caminho, porque tem permitido este salutar contacto com a natureza, a atividade física, e, principalmente, a descoberta destas "Aldeias de Portugal"). 

Passámos por Vilar e Viadal, onde a simpatia dos locais não deixa ninguém ficar indiferente. Chegados ao Santuário de Nossa Senhora da Ouvida, voltámos à leitura. O folheto revelava que o santuário foi erigido naquele local porque "N.ª Sra. terá aparecido aos pastores de Cepelos e Rôge, que vinham à serra apascentar os seus rebanhos".

Terminámos o percurso como começámos, à conversa com o pastor José das Ovelhas. Gente boa, gente honesta, a da serra... Como alguém escreveu: "Conhecer Vale de Cambra é também deliciar-se com a sua Gastronomia: a vitela assada à serrana (acompanhada de um vinho verde sublime), o cozido à portuguesa, a broa de milho, os enchidos, o presunto e o queijo refletem toda esta envolvência serrana; um leite-creme divinal coroa a refeição."

TEXTO e FOTOS: Fernando Pinto (Clique na 1.ª foto, depois em play, para ver o Slideshow)

Galeria de fotos

 

Leia também outros artigos sobre Vale de Cambra

Pessoas: Rostos de Vale de Cambra

Fotos: Olhares das "Varandas da Felgueira"

Vídeo: Por entre montanhas do Vale Mágico

 

Lida 1831 vezes Modificado em quarta, 01 setembro 2021 18:51

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

O que visitar na Serra da Arada no belo Trilho das Bétulas

Saltando sobre picos montanhosos, cruzamos a imensidão da Serra da Arada, no concelho de São Pedro do Sul, que irrompeu pelo Maciço da Gralheira, no reino das Montanhas Mágicas e aventureiros descobrem a Rota da Água e da Pedra. Nesta serra trilhamos a Rota das Bétulas, que começa junto do Retiro da Fraguinha, que encerra religiosamente um pedaço de turfeira, antigo tesouro do tempo das glaciações. Do alto do espetacular Miradouro da Ribeira Escura, vislumbramos as aldeias de Candal e Póvoas das Leiras, que se fazem acompanhar pela Ribeira de Paivó e uma levada que parte da Lagoa da Fraguinha. Os modernos moinhos de vento chegaram como maquiavélicas criaturas, dotados de eólicos braços, que prostrados em cimo dos penedos ameaçam tudo o que a vista alcança, brandindo as suas facínoras espadas. Vamos então viajar e conhecer estes recantos, onde tão desrespeitado tempo viajou para paragens mais afortunadas e bafejadas pela agitação, desassossego e humano desatino.

O que visitar na Serra de São Macário onde viveu o ermita

A Serra de São Macário em São Pedro do Sul, parece ter sido esculpida para intrépidos exploradores, que se alimentam de cruas rochas e agrestes penedos. Subindo estas montanhas irrompemos pelos céus, ziguezagueando pela estrada do inferno. Nestes castelos encontramos mitos populares de força e inspiração tamanhas. Aqui em verdes prados fomos conduzidos até à gloria do senhor e descansamos nas águas refrescantes das suas aldeias. Vamos agora refugiar-nos como o santo, fugindo dos nossos pecados, longe de vista humana e pedir absolvição pelos nossos padecimentos. 

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.