Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita Percurso Pedestre PR3 - Na Vereda do Pastor - Vale de Cambra - Aldeia da Lomba - Capela de N. Sra dos Milagres e Núcleo de Espigueiros e Canastros Ondas da Serra
domingo, 18 julho 2021 00:41

Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.

As aldeias do PR3 – Vereda do Pastor, Covô, Agualva e Lomba – Arões - Vale de Cambra  

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Capela de N. Sra dos Milagres, cemitério e Núcleo de Espigueiros e Canastros

O percurso começa na aldeia do Covô, perto da aldeia da Felgueira e não junto da cidade, onde por artes do destino há uma terra com o mesmo nome e nós fomos por engano lá parar.

Este percurso apesar de ser aparentemente pequeno é muito difícil, devido ao seu elevado grau de inclinação. No seu trajeto circular destaca-se a aldeia da Lomba, onde poderá apreciar quando se aproximar pela encosta, no cimo de um monte, a sua igreja, cemitério, conjunto de 15 espigueiros e os socalcos que recortaram a serra. Para as imaginativas mentes é fácil viajar no tempo e participar nas sementeiras do milho, no mondar das bandeiras, desfolhar as maçarocas,receber o serendeiro, carregar os espigueiros e moer o cereal nos moinhos de rodízio, mas esvair-se as forças de tão desgraçada agreste vida e partir nos vapores para as Américas ou dar o salto para Espanha, esvaziando o casario xistoso e memórias dum povo.

Cruzeiro da aldeia da Lomba  

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Cruzeiro na aldeia da Lomba

Na aldeia da Lomba poderá descer por um acentuado trilho junto ao cruzeiro, até ao Vale da Ribeira de Agualva, e onde pode apreciar as suas águas a precipitarem-se destemidas da cascata de Porqueiras. Neste local poderá continuar a imaginar a vida sôfrega das pessoas nas aldeias abandonadas da Porqueiras e Berlengas e compreender porque partiram.

Nesta cascata refrescamos o corpo e a mente, almoçamos e desgastamos a energia no difícil regresso à aldeia da Lomba, carregando pela encosta acima por labirínticas escadarias esculpidas na rocha, por entre frondosa vegetação, ao som de riachos e sempre à espreita duma energia passada se manifestar sem nós a temermos.

Chegados ao cimo tivemos forçosamente que descansar e ouvir da boca de vividos anciãos que nos observavam curiosos que antigamente as pessoas desciam lá para o fundo carregadas à cabeça com gigas de estrume que regressavam com uvas e espigas. Este casal queria à força toda oferecer-nos umas crias de gatos e tivemos que explicar que apesar de gostarmos de animais não os poderíamos levar connosco, rematando ela a conversa com, “E o raio da gata que não pára de parir!”

Café "Gruta da Lomba"

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Aldeia da Lomba - Café Gruta da Lomba

Nesta aldeia da Lomba, há um curioso café intitulado “Gruta da Lomba”, com o telemóvel nº 914 429 968, construído na cave duma casa, cujo acesso é feito por uma frondosa “gruta de vegetação”. Neste local poderá saciar a fome e dar de beber à sede e encomendar comida regional antecipadamente. Nós havemos de regressar um dia só para fazer o pequeno trajeto circular entre a Lomba e a Cascata de Porqueiras (variante 3.1) e almoçar neste café onde gostamos sempre de falar com os conterrâneos que nos contam sempre algo importante sobre as suas terras.

Vídeo "A cabra curiosa da Aldeia da Lomba"

A saída da Lomba, tivemos uma calorosa despedida por uma curiosa cabra, que nos espreitava do redil por uma abertura na chapa por ela moldada, para ver as vistas e matar a rotina do tempo e que ficou por nós muito interessada.

O trilho continuou a subir, a subir, ainda mais a subir e até nós desesperamos por tanta subida apesar de estarmos em forma e habituados às serranias e íngremes penedos. Quando perdemos a vontade de tirar fotos é sinal que a coisa é dura e foi efetivamente muito dura, porque também o acalorado sol nos bateu com força.

Acabamos por chegar, estafados, a suar em bica, mas ainda tivemos tempo de ir a banho para nos refrescar na praia fluvial de Albergaria da Serra, que não fica muito distante. Desta forma ficamos frescos, podemos mudar de roupa e vingar-nos num excelente jantar num conhecido restaurante da Freita onde nos foi servido costelas Arouquesas, picante caseiro à base de malaguetas e vinho verde para terminar um belo dia.

Leia também: Arouca | Praia Fluvial de Albergaria da Serra

Percurso “Na Vereda do Pastor”*

Aldeia de Côvo - Arões - Vale de Cambra

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia de Côvo - Arões – Vale de Cambra

Na Vereda do Pastor, PR3, é um percurso de pequena rota, homologado e marcado nos dois sentidos. O percurso pedestre “Na Vereda do Pastor” inicia-se na aldeia de Côvo, a mais alta do concelho de Vale de Cambra, localizada na encosta Sul da Serra da Freita, a 930m de altitude.

Do fundo do lugar, seguimos em direção a Agualva por um caminho estreito, encaixado entre as últimas casas. Este trajeto começa a alargar-se em direção a Sudeste, primeiro descendo e depois subindo suavemente. Chegado ao cabeço começa-se a descer até ao poste de alta tensão, tomando de seguida um carreiro antigo que leva a um caminho florestal frondoso e à Ribeira das Estacas. Aqui irá atravessar-se um interessante pontão de pedra, após o que se toma um agradável caminho lajeado, que leva até ao lugar de Agualva. Era por este caminho que a população chegava à Serra, muito especialmente ao Côvo, para levar as “vacas ao boi”, tradição que caiu quase em desuso.

Por este caminho lajeado poder-se-á tomar um carreiro que conduz a uma belíssima cascata escondida no meio da vegetação e à confluência de um pequeno ribeiro. Retomando o caminho lajeado, a fonte e o lavadouro público dão as boas vindas à entrada em Agualva. Segue-se então rumo à aldeia da Lomba, pelo caminho da escola e da missa. Neste lugar é de visita obrigatória o núcleo de espigueiros e a Capela da Nossa Senhora dos Milagres. Uma vez nesta aldeia, sugere-se que percorra também a variante 3.1 que o leva a visitar as Porqueiras, uma aldeia remota localizada no fundo do Vale da Ribeira de Agualva, e onde pode também apreciar a cascata de Porqueiras. Antes de regressar à Lomba, o percurso da variante percorre o vale da ribeira de Agualva, até bem próximo da sua confluência com a ribeira de Macieiras, junto ao antigo povoado das Berlengas.

O regresso à aldeia da Lomba é feito por trilhos sinuosos, agora a subir, na companhia de um pequeno afluente.

Todas estas linhas de água integram a bacia hidrográfica do rio Teixeira. Retomando o núcleo principal da aldeia da Lomba, sobe-se até à escola primária e daí para a Serra, observando as pedras gastas pelos cascos das cabras e das ovelhas. Atravessa-se, assim, uma vereda de pastores.

O percurso pedestre abandona o caminho mais largo e toma um carreiro que sobe encosta fora depois dos muros que ladeiam a vereda. Este carreiro vem juntar-se a outro, numa portela, que também sobe a Lomba, aberto propositadamente à mão para que as crianças do Côvo não tivessem que atravessar a ribeira, situação que no Inverno podia tornar-se ainda mais perigosa.

O carreiro estreito continua a sua subida de olhos postos no Côvo, em lugar cimeiro à espera dos caminhantes. Ao alcançar o “caminho novo”, opta-se pela esquerda, acedendo assim à estrada de asfalto que liga à aldeia, a cerca de 200 metros.

PR3 - Vereda do Pastor – descrição do percurso*

Aldeia da Lomba - Arões - Vale de Cambra - Escadinhas de Santo Amaro

Aldeia da Lomba - Arões - Vale de Cambra - Escadinhas de Santo Amaro

A aldeia da Lomba é uma das mais belas aldeias de Portugal, estando empoleirada num promontório, e terminando numa pequena península onde se acotovelam uma igreja, um cemitério, várias casas e mais de 15 canastros.

Esta configuração particular, que resultou de três falhas, enquadram a aldeia nos três lados da península. Os caminhos que daqui saem vão para as aldeias abandonadas de Porqueiras, a 1 km, e das Berlengas, a 2 km.

Contudo, para lá chegar, percorra o percurso "Na Vereda do Pastor" que se inicia na aldeia de Côvo, a mais alta do concelho de Vale de Cambra, localizada na encosta Sul da Serra da Freita. Do fundo do lugar, irá seguir em direção a Agualva por um caminho estreito, encaixado entre as últimas casas. Este trajeto começa a alargar-se em direção a Sudeste, primeiro descendo e depois subindo suavemente.

Chegado ao cabeço começa-se a descer até ao poste de alta tensão, tomando de seguida um carreiro antigo que leva a um caminho florestal frondoso e à Ribeira das Estacas. Aqui irá atravessar-se um interessante pontão de pedra, após o que se toma um agradável caminho lajeado, que leva até ao lugar de Agualva.

Segue-se depois disso, rumo à aldeia da Lomba, pelo caminho da escola e da missa. Aqui é imperdível a passagem pelo núcleo de espigueiros e a Capela da Nossa Senhora dos Milagres bem como as Porqueiras, uma aldeia remota localizada no fundo do Vale da Ribeira de Agualva, e onde pode também apreciar a cascata.

Património natural*

Património natural do PR3 - Vale de Cambra - Na vereda do Pastor - Borboleta

Estes vales encaixados e escarpas são o habitat perfeito para a maior ave de rapina europeia, o majestoso bufo-real. Os carvalhais são refúgio do lobo-ibérico e o melro-de-água aproveita as numerosas quedas de água para nidificar. Nas encostas viradas a sul surpreende ver sobreirais bem constituídos, mas é no fundo dos vales que se escondem os maiores tesouros, relíquias preciosas da Laurissilva, como é o caso do feto-vaqueiro e do azevinho, espécies protegidas que aqui se podem contemplar.

História da aldeia da Lomba - Arões - Vale de Cambra*

Capela de N. Sra dos Milagres, cemitério e Núcleo de Espigueiros e Canastros - Lomba - Arões - Vale de Cambra

Capela de N. Sra dos Milagres, cemitério e Núcleo de Espigueiros e Canastros - Lomba - Arões - Vale de Cambra

A aldeia da Lomba é uma das mais belas aldeias de Portugal, estando empoleirada num promontório, e terminando numa pequena península onde se acotovelam uma igreja, um cemitério, várias casas e mais de 15 canastros. Esta configuração particular, que resultou de três falhas, enquadram a aldeia nos três lados da península. Os caminhos que daqui saem vão para as aldeias abandonadas das Porqueiras, a 1 km, e das Berlengas, a 2 km.

As turfeiras da Serra de Freita*

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - As turfeiras da Serra de Freita

Na saída da aldeia do Côvo no cimo da encosta da serra há uma reserva de turfeiras e pelo caminho poderá também encontrar alguns vestígios deste ecossistema, que poderá visitar com o cuidado devido para a proteger. A turfa é um material de origem vegetal, parcialmente decomposto, encontrado em camadas, geralmente em regiões pantanosas e também sob montanhas (turfa de altitude). É formada principalmente por Sphagnum (esfagno, grupo de musgos) e Hypnum, mas também de juncos, árvores etc.

As turfeiras são um dos habitats mais raros e diversos das nossas montanhas. Relíquias vivas dos tempos dos glaciares, estas são hoje refúgio de muitas espécies de plantas e animais que aqui prosperam. Localizadas no planalto da Freita, entre os 950 e os 1050 metros de altitude, algumas foram constituídas microreservas pelas Quercus. Ao longo de todo o planalto da Freita este raro habitat desenvolve-se junto às linhas de água, juncando de verde as ribeiras que serpenteiam entre os maciços graníticos. O esfagno, musgo que constitui os alicerces das turfeiras, forma tapetes almofadados capazes de uma enorme retenção de água nos seus tecidos. Junto à casa florestal, um imponente filão de quartzo de mais de 3 metros rasga a montanha no sentido NW-SE, testemunhando os fenómenos orogénicos que ergueram a Serra da Freita.

As turfeiras são lugares excecionais, com muitas espécies que apenas prosperam neste ambiente, como é o caso do carex-das-turfeiras, do junco-das-turfeiras, do tojo e da margariça. O cervum, o narciso-das-turfeiras, a tormentilha, a genciana, e a delicada erva dantonia são algumas das plantas herbáceas que aqui se podem encontrar, contribuindo assim para a sua excecional diversidade.

A orvalhinha, delicada planta carnívora, é também típica destes pequenos paraísos. Nos afloramentos graníticos que intermedeiam as turfeiras, o melro-das-rochas é frequente e o delicado saramago-das-rochas floresce nas frechas dos rochedos. Nos ares, já aqui foi avistada a águia-de-bonelli, sendo frequente o falcão-peregrino e a águia-de-asa-redonda.

Património Cultural*

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Sucalcos agrícolas nas aldeias

O acentuado desnível da ribeira das Estacas e afluente foi aproveitado para edificar mais de 8 moinhos de xisto, confundindo-se em absoluto com a paisagem. Muitos estão também ao lado de cascatas e de marmitas gigantes, adaptando-se assim à sua forma e criando um cenário de grande beleza, em que as construções humanas se harmonizam e fundem com a natureza.  Os socalcos laboriosos completam este quadro, com as encostas a serem trabalhadas degrau a degrau para daí o povo tirar o seu sustento.

Canhão das Estacas*

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Canhão das Estacas

O Canhão das Estacas é um pequeno desfiladeiro na ribeira das Estacas, afluente da ribeira de Agualva que passa pela aldeia da Lomba. Faz parte da bacia hidrográfica do Teixeira, assim como as vizinhas ribeiras de Agualva e das Macieiras.

A erosão escavou na rocha um vale escarpado, aproveitando as fragilidades das falhas no xisto. A ribeira das Macieiras é dominada por grandes rochedos, alguns evidenciando dobras e contornos dramáticos. Já a ribeira de Agualva, que corre inicialmente em granito e depois se precipita nos xistos macios, formou nas suas margens uma das mais belas florestas da região. O acentuado declive destes vales multiplicou as cascatas e quedas de água presentes nestas paragens.

O bosque de caducifólias da Ribeira de Agualva*

Refúgio do raro e protegido feto-vaqueiro

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - feto-vaqueiro

Na Ribeira de Agualva desenvolve-se um magnífico bosque de caducifólias onde podemos encontrar o raro e protegido feto-vaqueiro, estando ainda presentes arbustos como o abrunheiro, o azevinho e o periqueiro. O lobo-ibérico encontra nestes vales refúgio, reflexo de uma natureza selvagem e inexplorada, onde este esquivo predador ainda persiste.

Vale do Rio Teixeira*

Nestes vales encaixados da bacia do Teixeira, cada ribeira tem a sua particularidade. Na Ribeira das Macieiras impera a rocha, com plantas rupícolas como a macerovia-pedunculada, plantas que aproveitam a água que escorre da rocha como a saxífraga. Na ribeira das Estacas encontramos a crepuscular lesma-sarapintada, espécie protegida que junto à linha de água chega a ser comum.

Cascata de Porqueiras – Arões – Vale de Cambra*

Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra - Aldeia abandonada das Porqueiras - Cascata das Porqueiras

A cascata das Porqueiras é uma queda de água com cerca de 15 metros de altura, enquadrada no vale encaixado da ribeira de Agualva, afluente do rio Teixeira, num dos locais mais remotos e belos da serra da Freita. A cascata ganhou o seu nome da aldeia homónima, que até há pouco tempo era habitada. As ribeiras de Agualva e das Macieiras marcam esta paisagem abrupta, com desníveis de mais de 600 metros entre o cimo da Freita e a localidade das Berlengas, antigo povoado localizado na confluência destas linhas de água.

Acesso ao ponto de interesse: 1.100m a pé (a partir da igreja da Lomba); moderado / difícil

Vídeo do Percurso Pedestre - PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra

Pontos de interesse do percurso “Na Vereda do Pastor”*

  • Côvo
    • Uma aldeia do concelho de Vale de Cambra, localizada em pleno coração das Montanhas Mágicas, mais precisamente na Serra da Freita
    • Torfeiras
    • Encosta da serra cobertas por giestas
    • Socalcos agrícolas
  • Cascata das Estacas
  • Agualva
  • Lomba
    • Núcleo de Espigueiros e Canastros
    • Capela de N. Sra dos Milagres
    • Escadinhas de Santo Amaro
    • Socalcos agrícolas
  • Porqueiras (aldeia abandonada)
  • Cascata de Porqueiras
  • Vale da ribeira de Agualva
  • Berlengas (aldeia abandonada)

Ficha técnica do PR3 - Vareda do Pastor*

  • Distância: 7,5 Km - Se fizer a opção do trilho 3.1 aumenta para 10 Km (Muito difícil, mas muito rico em todos os aspetos)
  • Percurso Circular (No sentido dos ponteiros do relógio)
  • Duração: 4h30 horas
  • Altitude máxima/mínima: 951/515m
  • Desnível acumulado: 525
  • Nível de dificuldade: Difícil
  • Época aconselhada: Todo o ano

Gastronomia de Vale de Cambra*

  • Vitela da Raça Arouquesa
  • Cabrito
  • Rojões
  • Vinhos Verdes
  • Broa de Milho
  • Leite Creme

Artesanato de Arões - Vale de Cambra*

• Artesãs de Arões (Vestuário artesanal em linho, lã e burel)

Avaliação global

Destacamos de forma positiva nas aldeias, o quotidiano marcado por uma calmaria e espaço-temporal que não existe nos meios urbanos, alguns campos agrícolas ainda amanhados, a criação caprina e bovina, arquitetura de xisto e a sua riqueza paisagística, da fauna e flora.

Destacamos de forma menos positiva: A falta de marcação do trilho em alguns locais que não permitiu que conseguíssemos visitar o “Canhão das estacas”.

A maior parte do percurso é feita sem sombras em encostas expostas a sol que aliado ao seu grau de dificuldade pode colocá-lo em perigo em dias de muito calor, por isso não se esquece de levar água, comida, chapéu e protetor solar. Mas como em tudo na vida não abuso de protetores com fatores superiores a 50, contou-nos o guia do Geoparque de Arouca, Pedro Rezende que já teve pessoas que o acompanharam nas caminhadas interpretadas que lhes foi diagnosticado falta de vitamina D, pela razão atrás exposta.

*Fonte: Câmara Municipal de Vale de Cambra, Montanhas Mágicas e Rota da Água e da Pedra.
Download do panfleto: PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra

Galeria de fotos da Caminhada pelo PR3 Vereda do Pastor, aldeia da Lomba – Vale de Cambra

Lida 302 vezes Modificado em sábado, 31 julho 2021 15:00

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Cabril Gerês o que visitar, surpreenda-se com a sua natureza

A freguesia de Cabril pertencente ao concelho de Montalegre, região de Trás-os-Montes, sendo ainda uma jóia resguardada do Parque Nacional Peneda-Gerês. Situada no interior profundo é descrita como selvagem pelos seus ilustres moradores, possuindo riquezas culturais, naturais e arquitectónicas que fascinam quem as contempla.

Para sentir Cabril falamos com um autarca, empresário e historiador locais, que demonstraram o seu empenho pelo seu desenvolvimento, defesa e promoção. Nós amantes das serranias e graníticos penedos, ficamos enamorados pela Surreira do Meio Dia e beleza desta região. Neste artigo esperamos que as pessoas despertem para a conhecer e a respeitem quando a visitarem.

Parta de bicicleta do Porto à descoberta de Vila do Conde

No ano da graça de 2021, partimos numa epopeia de bicicleta na demanda duma nau, que começou em Vila Nova de Gaia, navegando junto à costa atlântica do litoral norte do Porto, Matosinhos e Vila do Conde. Fomos à descoberta destas terras desconhecidos e ficamos maravilhados com os seu encanto histórico, patrimonial, ambiental e religioso, que vamos partilhar com o nosso reino.

O que todos deveriam conhecer em São João do Campo - Gerês

O Ondas da Serra foi conhecer a aldeia de São João do Campo - Campo do Gerês - Terras de Bouro – Braga, situada em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês. Neste artigo vamos dar a conhecer esta aldeia, a Albufeira de Vilarinho da Furna, os percursos pedestres da Geira Romana e da Águia do Sarilhão e uma VÍBORA que nos assustou.