Pág. 1 de 2

A caminho de Arouca já passamos inúmeras vezes por Mansores, mas nunca paramos nesta terra. Desta vez a pretexto de fazermos o PR11 - trilho das levadas, subimos à Nª Srª do Rosário, no lugar da Vila, onde contemplamos os vales e montanhas que se estendiam em redor.

Chegar a Regoufe – Arouca não é fácil, mas vale o esforço. Esta aldeia fica localizada no fundo de um vale e mantém ainda viva os ecos do seu passado agrícola, com o cultivo da terra, a pastorícia e restos da sua historia mineira. Ao caminhar pelas suas lajes de pedra encontramos a cada virar da esquina velhos agricultores, rebanhos de ovelhas, cabras ou outros animais.

A Falha da Espiunca ocorre no talude da estrada nas rochas mais antigas o Arouca Geopark. Estas rochas formaram-se há mais de 500 milhões de anos nas profundezas de um antigo mar, onde se foram depositando sedimentos, cujos estratos quartzíticos se encontram aqui bem percetíveis.

A equipa do ONDAS DA SERRA foi até Vale de Cambra conhecer o novo Percurso Pedestre "VARANDAS DA FELGUEIRA (PR1)". Aquele Vale, na primavera, é realmente mágico... Nem o cinza do incêndio que devastou grandes áreas da serra, no verão de 2016, consegue esconder a alvura e o delicado aroma das cerejeiras em flor que embelezam o caminho.

Ondas da Serra regressou às montanhas desta vez andou pelos caminhos do PR1 em Varandas da Felgueira - Vale de Cambra, que faz parte das “Aldeias de Portugal”. Neste vídeo centrar-nos como habitualmente nas pessoas, nos rostos mais expressivos e nas historias de vida que fomos encontrando pelos caminhos de Felgueira, Carvalhal do Chão, Vilar de Cepelos e Viadal. O trilho está muito bem assinalado, contudo como ardeu muita floresta no verão passado, em alguns locais há poucas sombra em dias de muito calor.

No dia 07 de Abril 2017, a equipa "Ondas da Serra" aos primeiros raiares da madrugada, deixou as ondas da ria e do mar de Ovar, para rumar às montanhas mágicas de Vale de Cambra, aqui ficam um conjunto de fotografias que documentam a nossa passagem pelo PR1 - Varandas da Felgueira. Estas montanhas poderiam ser mais mágicas se muito do percurso não tivesse sido queimado pelos incêndios no verão do último ano.

Pág. 1 de 2