Museu do Rádio abriu portas em bustos Museu do Rádio | Paula Silva, Manuel Silva e Mário Joao Oliveira

Museu do Rádio abriu portas em bustos

Classifique este item
(0 votos)

Museu do Rádio abriu portas em bustos | Sonho de décadas foi concretizado

O sonho é hoje uma realidade! Foi inaugurado, no dia 27 de setembro, a Radiolândia – Museu do Rádio, na vila de Bustos, que conta com uma coleção de cerca de 1.500 rádios.

Radiolândia - Museu do Rádio - Bustos - Oliveira do Bairro

Radiolândia - Museu do Rádio

“Um museu era o único destino que poderia ser dado a esta coleção e Bustos seria o único local onde ele se poderia instalar. O sonho do meu pai tornou-se realidade. A Radiolândia regressou a casa”. As palavras emocionadas de Paula Silva, filha do colecionador Manuel Silva, responsável pelo espólio, marcaram a cerimónia de inauguração deste novo espaço museológico. Paula Silva, fez questão de agradecer de forma sentida ao Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, restante Executivo e técnicos camarários envolvidos no projeto, por terem concretizado o sonho do pai, referindo que “por vezes dizemos que as autarquias não se interessam, pois esta interessou-se”. E Bustos tem agora um museu único no país.

Para Mário João Oliveira, “também os bustuenses e oliveirenses concretizaram hoje um sonho: o de terem no seu território um museu com uma coleção de rádios única no país e talvez até mesmo além fronteiras”. O autarca reforçou a importância deste equipamento, referindo que “é motivo de regozijo que um museu desta importância, com uma coleção reconhecida internacionalmente, fique situado numa vila como Bustos, num pequeno concelho como é o nosso”.

O novo equipamento museológico do Município de Oliveira do Bairro, que se junta ao Museu de Etnomúsica da Bairrada, localizado na vila do Troviscal, apresenta um layout atrativo, moderno e interativo, que vai contando a história do colecionador, da rádio e de alguns dos mais importantes, e raros, exemplares em exposição. Da coleção de cerca de 1.500 rádios, estão expostos 50 exemplares, de vários períodos e proveniências, estando os restantes em áreas de reservas, que poderão ser visitáveis.

O museu está implantado na antiga Escola Primária de Bustos, a que se juntam dois novos volumes construídos de raiz, e poderá ser visitado de 2.ª a 6.ª feira, entre as 10h00 e as 18h00, com interrupção entre as 13h00 e as 14h00, aos sábados das 14h00 às 18h00 e aos domingos e feriados mediante marcação prévia.

A Radiolândia – Museu do Rádio, surgiu da oportunidade de criar um espaço para albergar e musealizar um rico e vasto conjunto patrimonial, que tem como base um valioso acervo, que reúne alguns dos rádios mais raros e importantes do século XX, pertença de Manuel Silva, e que engloba ainda muitos outros aparelhos oriundos de diversas proveniências e doadores, constituindo um espólio absolutamente único, com reconhecimento internacional.

A denominação Radiolândia, presente na designação do novo equipamento, era precisamente o nome da antiga loja de comércio de rádios, propriedade de Manuel Silva, perpetuando assim a memória de um local que faz parte da história do concelho de Oliveira do Bairro, que tanto contribuiu para o desenvolvimento da vila de Bustos e que, nos dias de hoje, volta a ganhar vida.

Coleção de Manuel Silva

Manuel Silva nasceu em 1930, em Bustos, e foi um reconhecido comerciante e técnico de rádios que, por volta de 1950, iniciou a sua coleção, ficando com os rádios velhos dos clientes que, na sua loja, compravam um novo.

A sua paixão pelo mundo dos rádios começou quando frequentou um curso de telecomunicações na Marinha, em Lisboa. Posteriormente, esteve emigrado nos Estados Unidos, regressando mais tarde à sua terra natal, onde fundou a loja “Radiolândia”. Este foi, durante anos, um dos mais emblemáticos espaços comerciais do concelho de Oliveira do Bairro, providenciando a muitas famílias um local onde adquirir um rádio, disponibilizando ainda o serviço de reparação desses equipamentos.

Manuel Silva dispõe atualmente de uma coleção de rádios única a nível mundial, contando com mais de mil exemplares, sendo este museu o ansiado espaço para fazer jus ao seu espírito colecionador, desenvolvido durante mais de 50 anos.

O novo Museu do Rádio, que transporta consigo o nome da sua loja “Radiolândia”, é também ele um espaço de homenagem à figura daquele que, para além de um grande colecionador, foi um reconhecido e respeitado comerciante do concelho de Oliveira do Bairro, cujo grande sonho era criar um museu, onde pudesse expor todos aqueles rádios que colecionou e que fazem parte da história mundial da comunicação.

Leia também: Museus da região de Aveiro

 

Horário

2.ª a 6.ª feira: 10h/13h - 14h/18h
Sábados: 14h/18h00
Domingos e feriados: mediante marcação prévia

Morada

Rua Jacinto dos Louros, n.º 10
3770-018 Bustos – Oliveira do Bairro
GPS. 40º 29’ 48,99’’ N | 8º 35’ 50,69’’ O

 

Contactos

Telefone: 939 951 072
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Site: http://mmolb.cm-olb.pt

Lida 1467 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Passadiços do Rio Caima com belas margens clamando atenção

O Rio Caima pula como uma criança pela Serra da Freita abaixo, brincando por montes e vales desde Albergaria da Serra em Arouca até à foz no Rio Vouga. Ao chegar à Frecha da Mizarela lança-se incauto no abismo, mas vai ganhando carácter com o crescimento ao passar por terras de Vale de Cambra e Oliveira de Azeméis. Em Ossela é já um confiante e belo jovem por cujas damas se enamoram. Para o agradar, Palmaz em 2011 ofereceu-lhe nas suas margens uns passadiços, muito aclamados pelo povo. Este é um local agradável para caminhar pelos recônditos trilhos, rodeados de frondosa vegetação, escutando a sinfonia dos pássaros, sussurro das águas e zumbidos das abelhas. Contudo passado mais de uma década desde a sua requalificação o espaço carece de atenção e de obras de manutenção, para relançar todas as suas potencialidades e recolocar o velho rio no seu usurpado trono.

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].