Mário de Oliveira Saleiro | Recordando o autor do livro "O Almocreve da Ti Rendeira, Esboço da História Contemporânea de Pardilhó" Mário de Oliveira Saleiro na sessão de autógrafos de apresentação do livro "O Almocreve da Ti Rendeira, Esboço da História Contemporânea de Pardilhó", Junta de Freguesia de Pardilhó no verão de 1982

Mário de Oliveira Saleiro | Recordando o autor do livro "O Almocreve da Ti Rendeira, Esboço da História Contemporânea de Pardilhó"

Classifique este item
(3 votos)

Pardilhó ocupa um lugar especial no coração do Ondas da Serra, por isso certo dia fomos à procura da sua história e encontramos um livro com as memórias dum Pardilhoense que tinha vivido no Brasil, Mário de Oliveira Saleiro, “O Almocreve da Ti Rendeira | Esboço da História Contemporânea de Pardilhó”. Através das suas palavras ficamos a conhecer melhor a história desta terra, profundamente ligada à Ria de Aveiro, pesca, construção naval, terras marinhoas, famílias, pedreiros e tempos onde o homem estaria mais conectado à mãe terra.

Recordando Mário de Oliveira Saleiro

Mário de Oliveira Saleiro a discursar na sessão de autógrafos de apresentação do livro

Em Pardilhó passeamos, contemplamos a ria, aves, o nascer do sol na Ribeira do Nacinho, onde encontramos muitas vezes o Mestre carpinteiro naval, Felisberto Amador a pintar os seus barcos ou a retirá-los das águas para os levar para o seu estaleiro.

Quando queremos fugir da azáfama e acalmar o espírito é para aqui que viajamos de bicicleta, começando na Ribeira do Mourão e dando à volta pela Ponte da Varela, quando não nos entusiasmamos e vamos até Aveiro e regressamos de comboio. 

Recebemos recentemente uma bonita e sentida mensagem de Mário Saleiro Filho, agradecer-nos por ter encontrado nos nossos trabalhos, referências bibliográficas ao livro do pai, que ele ajudou a redigir e que agora partilhamos com os nossos leitores.

O ser humano é eterno, depois de morrermos vivemos através dos nossos filhos e das memórias que deixamos, que poderão ser tanto maior quanto a bondade e vida frutuosa que tivemos. 

O filho reside no Brasil e também para nós foi com emoção que recebemos e agradecemos as suas palavras e unimos estes dois continentes separados pelo Atlântico, mas próximos pelo coração.

Ler também: As Ribeiras das Terras Marinhoas de Pardilhó

Fotos: Cedida por Mário Saleiro Filho

Mensagem enviada por Mário Saleiro filho para o Ondas da Serra

ONDAS DA SERRA UM TSUNAMI DE EMOÇÃO

Mário Saleiro Filho

Sou a mais perfeita testemunha que a pandemia induz-nos a introspeção, e consequentemente, muitas vezes, diante desse quadro, afogamo-nos nas pesquisas da internet, e jamais imaginamos que impacto benéfico poderia nos causar.

Em 20 de fevereiro de 2021, resolvi ir a um famoso site de busca da internet e inseri o nome de meu pai "Mário de Oliveira Saleiro" na pesquisa. Descobri uma citação de seu livro "Esboço da História Contemporânea de Pardilhó" no site Ondas da Serra, comandado pelo Sílvio Dias. Foi verdadeiramente uma grande emoção...especialmente de saudades.

Ano que vem meu pai completaria 110 anos, 40 anos do lançamento do seu livro, e 60 anos que eu fui pela primeira vez conhecer o seu lócus natal. Posso afirmar que sou um luso-brasileiro militante porque há seis décadas que vivo, convivo, e interajo com o universo português, sobretudo pardilhoense.

Mesmo vivendo há [quase] 64 anos no Rio de Janeiro, houve quatro intermitências dessa vivência carioca pois fui morar em Portugal: duas em Pardilhó por quase um ano (com 5 e 10 anos de idade respectivamente, a ser apresentado a aldeia [na época] e posteriormente a cursar a escola primária), e duas em Lisboa (atuando como recém arquiteto na virada dos anos oitenta para noventa por quase três anos, e cursando por um ano o pós-doutoramento em arquitetura na Universidade de Lisboa entre 2017 e 2018).

Sou uma pessoa dividida entre duas Mátrias (julgo essa terminologia mais adequada - Mães Pátrias), mas também sou ser multiplicado no âmbito cultural (modéstia à parte). Meu pai plantou uma semente lusa na minha educação e consegui fazê-la germinar. No início dos anos oitenta fui eu que datilografei o seu livro, por quatro vezes, para acontecer a noite de autógrafos na Junta de Pardilhó no verão de 1982 - quando meu pai completaria 70 anos. Atuei na parte mecânica desse processo autoral com muita satisfação. O livro não deixa de ser um afilhado meu.

Como acadêmico, não posso deixar de ficar sensibilizado pelas citações bibliográficas, e sabiamente, Sílvio Dias o fez excecionalmente bem. Consubstanciando ainda mais nesse sentido, no mesmo site, deparo-me com um vídeo de Sílvio Dias manuseando o livro de meu pai sentado a um barco [acredito que] na Ribeira da Aldeia, apresentando-o ao mundo.

A afirmação os olhos são as janelas da alma é indelével. As minhas janelas foram lavadas nesse sábado de fevereiro por uma Onda da Serra um verdadeiro Tsunami de Emoção.

Muito obrigado pelo carinho, um grande abraço.

Mário Saleiro Filho em 20 de fevereiro de 2021.

Vídeo do Ondas na Ribeira da Aldeia

Lida 237 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Livro “Paluí” envolveu 500 crianças da Feira

Lançamento dia 30 de novembro, na Biblioteca Municipal

“Paluí – Viagem por histórias sonoras que a língua portuguesa conta” é o título do livro que será lançado dia 30 de novembro, às 21h30, na Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira. A obra, da autoria de Helena Caspurro e Pedro Carvalho de Almeida, é uma viagem pelos textos de mais de 500 crianças de escolas do concelho feirense, que participaram no projeto “Se queres saber o que é o Paluí… põe o teu dedo aqui!”, iniciado em 2014.

Monografia torna públicos os resultados dos trabalhos arqueológicos no Castelo

Uma edição da Câmara Municipal | Monografia torna públicos os resultados dos trabalhos arqueológicos no Castelo

No Dia Nacional dos Castelos, 7 de outubro, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira vai lançar a publicação monográfica “Castelo de Santa Maria da Feira: estudos arqueológicos” que, pela primeira vez, torna públicos os resultados arqueológicos realizados no ex-líbris feirense. Coordenada pelo arqueólogo Ricardo Teixeira, a obra representa o corolário natural da investigação iniciada aquando do desenvolvimento do projeto de valorização do Castelo da Feira.

"Mar e outros poemas", de Fernando Pinto

"MAR E OUTROS POEMAS – POESIA E HUMANIDADE" - Crónica de Jacinto Guimarães sobre o livro do jornalista Fernando Manuel Oliveira Pinto.