Pág. 1 de 2

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.

Para os amantes das bicicletas há um percurso que aconselhamos a fazer entre Castelo de Paiva e Alvarenga, pela estrada nacional 225. Este trajeto é muito calmo, tranquilo e dotado duma serena natureza. Por estas terras existe um equilíbrio entre a natureza e humanização da paisagem. É um percurso difícil, com subidas acentuadas pela serra, com o abismo e passadiços do Rio Paiva à vista. Há muito tempo que procurávamos e encontramos finalmente uma zona sem manchas florestais queimadas. Não foi fácil esta demanda e releva o que se tem passado nos últimos anos em Portugal.

O PR6 Caminho do Carteiro é um árduo trilho, sempre a subir, por escadarias em pedra e encostas ingrimes, que começa em Rio de Frades e percorre a antiga volta que estes homens faziam para entregar a correspondência nesta aldeia e nas de Cabreiros e Tebilhão. Pelo caminho passa por uma antiga mina de exploração de volfrâmio, num túnel aberto pelo interior da montanha e que foi requalificado. As encostas têm uma com vista assombrosa para o fundo do vale, que estarrecem os mais temerosos e antigas explorações deste minério que eram feitas muitas vezes de forma ilegal, esburacando a serra em busca do ouro negro.

No nosso projeto por vezes andamos na ria, outras nos mares, mas adoramos as montanhas. Por montes e vales, podemos pousar o olhar nas silhuetas curvilíneas e sensuais das paisagens serranas. O som é diferente e as pessoas talvez porque vivam mais isoladas, são mais calorosas. É por isto que Arouca nos atrai, mesmo depois dos incêndios terem delapidado parte da sua riqueza.  Mas nem tudo se perdeu, o melhor ainda lá está, as suas gentes, costumes, campos e animais.

Pág. 1 de 2