Castelo de Paiva-Alvarenga,pedalar junto à falésia do Paiva Miradouro sobre o "Rapido dos três saltinhos" - Rio Paiva Ondas da Serra

Castelo de Paiva-Alvarenga,pedalar junto à falésia do Paiva Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Para os amantes das bicicletas há um percurso que aconselhamos a fazer entre Castelo de Paiva e Alvarenga, pela estrada nacional 225. Este trajeto é muito calmo, tranquilo e dotado duma serena natureza. Por estas terras existe um equilíbrio entre a natureza e humanização da paisagem. É um percurso difícil, com subidas acentuadas pela serra, com o abismo e passadiços do Rio Paiva à vista. Há muito tempo que procurávamos e encontramos finalmente uma zona sem manchas florestais queimadas. Não foi fácil esta demanda e releva o que se tem passado nos últimos anos em Portugal.

Percurso de bicicleta pela EN 225 entre Castelo de Paiva e Alvarenga

Percurso de bicicleta pela EN 225 entre Castelo de Paiva e Alvarenga

Esta estrada tem pouco movimento, está sempre ladeada de arvoredo e pode-se avistar as serras em redor ou o desfiladeiro em baixo por onde serpenteia o Rio Paiva. O percurso tem cerca de 25 quilómetros para cada lado, quase sempre em asfalto bem conservado, mas tem um grau de dificuldade elevado. A cada pedalada ouvem-se os grilos e pássaros cantar e riachos a correr. O ar é adocicado pelos perfumes da Primavera e dá gosto saborear os seus aromas.

Como há pouco trânsito os condutores confiam e cortam curvas duma forma completamente louca, quem for fazer este trajeto tem que estar atento a esta situação.

Durante o nosso caminho perto das aldeias e nos campos em redor viam-se fumos e fogueiras e pessoas mais ou menos vigilantes a controlar, num caso porem isso não estava a acontecer e as labaredas consumiam as ervas e silvas junto a uma casa, isto quer dizer que os comportamentos negligentes e perigosos continuam.  

A visita à freguesia de Fornos - Castelo de Paiva

Fornos - Castelo de Paiva

Nós temos o hábito de por vezes sair da estrada para explorar as aldeias em redor e por isso fomos visitar Fornos, que está bem plantada numa planície, onde as vinhas do verde da região, parecem ondas que vão rebentar junto a Igreja de São Pelágio.

História da freguesia de Fornos - Castelo de Paiva

"A freguesia de Fornos ocupa o território de confluência do rio Paiva pelo nascente e o Douro pelo norte. Numa doação do ano de 1110 ao Mosteiro de Alpendurada por Elvira Froilaz, indica-se bem a sua situação: "Subtus mons, Serra Sicca discurrentem Rivulo Pávia terrirorio Portumgalie", a Serra Seca designava o conjunto de serrania que vinha do sul, do monte de Gamarão.

A dominar a confluência referida eleva-se a colina de Crasto que dá o nome de Castelo ao disperso populacional que serviu no século passado à honorabilização do concelho, juntando-se à designação antiga de Paiva a de Castelo.

A primeira associação documental dos dois topónimos aparece registada numa acta do dia 4 de Março de 1852, passando a partir daí, a designar-se o concelho pelo nome de Castelo de Paiva. A povoação do Castelo julga-se que seja de origem antiquíssima como o atesta a existência, em tempos, de um "castro". Ficava-lhe fronteiro, do outro lado do Paiva, no concelho confinante, o castro de Escamarão. Reduzido o de Paiva a cultura agrícola e erosionado pelas chuvas e exploração de pedra, nada de típico se encontra à superfície. No entanto, o achado ali de mós justifica o seu nome.

Um pouco abaixo desta povoação, junto ao rio Douro, existe um lugar denominado de Castelo de Baixo onde terá havido outro povoado castrejo. Pinho Leal no seu "Portugal Antigo e Moderno" fala mesmo de um dólmen que se destacava pelas suas enormes proporções e "( ..) se encontrava na povoação do Castelo, na freguesia de Fornos, junto ao rio Douro". Do mesmo não restam hoje quaisquer vestígios, mas segundo o mesmo autor era constituído por "(...) sete pedras dispostas verticalmente, que pareciam calhaus arredondados, devido ao atrito causado pela corrente".

Mas outros povos terão habitado este lugar e toda a freguesia de Fornos. Dos romanos, foram há já bastantes anos encontradas, por aqui, moedas dessa época. Da presença germânica fala-nos o topónimo Cardia, cujo significado é "quinta".

Nas Inquirições de 1258 a freguesia surge como término de Paiva e segundo a informação prestada pelo pároco João Martinho, a apresentação do padre à igreja era da responsabilidade da Ordem do Hospital e Cavaleiros. Em 1537 a apresentação já estava a cargo de padroeiros leigos com confirmação do bispo. Em 1758 o pároco era apresentado por D. Manuel de Ataíde Azevedo Pinto, senhor da honra de Barbosa, situada em Arrifana de Sousa.

Desde sempre que a freguesia de Fornos teve uma importância considerável e uma actividade comercial elevada. A "Grande Enciclopédia Portuguesa Brasileira" escreve que "na margem do Douro fica o lugar de Castelo, ponto importante de embarque de mercadorias, que tem um intenso tráfego, pois serve todo o vale do Paiva, baixo Cinfães e todo o norte e centro de Castelo de Paiva".

Essa importância surge com a atracção pela cidade do Porto que se verifica a partir do século XIII. O grande mercado citadino absorvia muitos dos produtos aqui cultivados e progressivamente o porto do Castelo vai-se tornar um ponto fulcral em toda a estratégia comercial. Recebia também os produtos originários das Beiras e embarcava-os com destino à grande cidade e à outra margem do Douro. Fervilhava, o grande entreposto de mercadorias e mercadores.

Apesar de o Douro ser difícil de navegar, sobretudo a passagem do Cachão de Valeira e do Touro, nunca os destemidos marinheiros, que daqui partiam, deixaram de fazer chegar os "Rabeias" à Ribeira. Depois de muito tempo de intenso movimento, uma fase de apagamento surgiria até à chegada da Grande Guerra. Com ela, ressurgiu a vida do rio e o cais do Castelo registava ainda uns 12 barcos rabelos que aí carregavam lenha em achas, carvão de madeira e frutas.

Também aqui nasceram os chamados "Rabões da Esquadra Negra", barcos adaptados à carga e transporte de carvão de Paiva. Foram assim denominados por oposição aos rabões brancos que só transportavam areia. O estaleiro foi montado na Praia do Castelo.

Esta praia é um dos atractivos da freguesia a que se junta a Ilha do Castelo, outrora uma espécie de península, mas que por via da barragem e consequente subida do nível de água, se transformou em encantadora ilha, na confluência dos rios Paiva e Douro.

Para além do lugar do Castelo, toda a vasta e formosa baixada de Fornos é verdadeiramente fabulosa, com a Igreja Paroquial, a Capela do Santo António, as casas de Vila Nova de Cardia brasonada e a do Covelo." Fonte: fornos.jfreguesia.com

Um percurso que acompanha o Rio Paiva

Praia Fluvial da Espiunca - Rio Paiva - Arouca

A estrada a dada altura começa a descer a encosta e acompanha durante muitos quilómetros o Rio Paiva, no fundo do vale passamos uma ponte junto a um ponto de captação de água.

"O rio Paiva nasce na serra de Leomil, no concelho de Moimenta da Beira, e desagua no rio Douro, em Castelo de Paiva. É um dos mais importante afluentes da sua margem esquerda. Intersecta a região noroeste do território classificado pela UNESCO como Arouca Geoparque, desde Meitriz até Espiunca.

Se fosse possível recuar no tempo geológico cerca de dois milhões de anos, veríamos um rio distinto do actual, fluindo numa região então aplanada, mas que, paulatinamente, se foi encaixando, aproveitando as falhas e fracturas e erodindo as rochas, transportando os sedimentos e moldando a paisagem.

O facto de algumas das rochas intersectadas serem ricas em substâncias minerais, especialmente em ouro, incentivou a exploração romana há cerca de dois mil anos nestas margens. Pode observar os vestígios dessa actividade mineira junto da povoação de Janarde, visitando os geossítios “meandros do Paiva” e “conheiros de Janarde”.

Mais tarde e durante os Descobrimentos, o Paiva terá sido a principal via de escoamento dos troncos de castanheiro e carvalho que, cortados nestas serranias, se destinavam à construção de caravelas e naus no Porto. Existem ainda algumas referências orais à “arte de paivar”, que mais não seria do que a capacidade demonstrada por alguns indivíduos de caminhar sobre estes troncos rio abaixo e, munidos de varas com ganchos, conduzi-los ao destino. Essa tarefa pode actualmente ser replicada, de forma mais segura e como desporto de aventura, em rafting ou canoagem de águas bravas, naquele que é considerado o mais emblemático local para a sua prática em Portugal.

Na actualidade, o vale do Paiva é o principal foco de atracção turística do Arouca Geoparque. Ao longo das suas margens, poderá visitar um património natural biótico e abiótico singular e reconhecido internacionalmente. Além dos dois geossítios já referidos, são imperdíveis os estratos de quartzito verticalizados da “Livraria do Paiva”, em Janarde, ou o “Sítio de Mira Paiva” e os “icnofósseis de Cabanas Longas”, junto da povoação de Paradinha. A partir da ponte do Paiva, pode ainda planear a visita de mais cinco geossítios: “Garganta do Paiva”, “Cascata das Aguieiras”, “Praia Fluvial do Vau”, “Gola do Salto” e “Ocorrências geotectónicas de Espiunca”.

Passadiços do Rio Paiva - Arouca

Passadiços do Rio Paiva - Arouca

Para tal recorra aos Passadiços do Paiva, que o conduzem ao longo de 8,6 quilómetros pela margem esquerda do rio, desde a Praia do Areinho até Espiunca. Irá usufruir de uma infra-estrutura já galardoada pelos óscares do turismo mundial. Ao longo desse percurso, avista-se um património natural biótico onde pontificam uma flora e uma fauna de seres pouco comuns ou em vias de extinção, com especial destaque para os endemismos, que fazem hoje do vale do Paiva um Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000. Para que a descoberta e a aventura sejam completas, não deixe de vivenciar a experiência única de cruzar a “516 Arouca”, a ponte pedonal suspensa e transparente mais longa do mundo, que permite observar, com muita adrenalina à mistura, parte das belezas naturais do vale do Paiva. Afinal de contas, estará como que a pairar, a 170 metros de altura, sobre aquela que é a principal artéria natural desta região, uma verdadeira “aorta” do desenvolvimento sustentável do território." Fonte: nationalgeographic.pt

Leia também: Rio Paiva em Arouca

Almoçamos na Carvalha onde o cabrito e a posta arouquesa são reis e bem acompanhados pelo verde vinho da região.

O trajeto a dada altura passa também por Travanca – Cinfães – distrito de Viseu, onde nos prendeu atenção um casebre em granito, com um jardim todo florido, onde vivem Maria Alice Sousa e Adriano de Sousa, com 56 e 59 anos, que nos contaram um pouco da sua terra.

As Giestas do Jardim da Maria Alice - Vila Viçosa

As Giestas do Jardim da Maria Alice - Vila Viçosa

Continuando a viagem, em Vila Viçosa, no final duma íngreme subida, talvez para amenizar o esforço, encontramos numa curva um jardim que começava na berma e se precipitava para o interior duma casa. O que mais haviam eram giestas de várias cores e qualidades. Ali reside há muitos anos, Maria Alice Soares, que nos matou a sede e contou histórias para outro artigo.  

Leia também: As Giestas da Maria Alice

Perto deste ponto uma mulher, de nome Deolinda Conceição de 79 anos, lavava a roupa à mão num tanque publico e desconfiou com muita razão dos nossos nobres objetivos, infelizmente há para aí muita malandragem.

Miradouro do Rápido dos três saltinhos - Rio Paiva

Rápido dos três saltinhos - Rio Paiva

A dada altura do percurso em Janarte é necessário fazer uma importante escolha quando surgir um entroncamento com as indicações “Cinfães, Arouca, Nespereira e Canelas/Espiunca”. Se seguir em direção a Canelas/Espiunca, pode visitar a aldeia de Espiunca, falha geológica, praia fluvial e uma das entradas para os passadiços do Paiva. Se tomar esta opção deve contar depois com uma forte subida para Alvarenga e aproveitar para visitar o miradouro sobre o "Rápido dos três saltinhos", que tem uma vista soberba sobre o Rio Paiva e os passadiços. Este miradouro necessita como podem se pode ver pelas fotos de manutenção urgente já que há tábuas de proteção partidas.

Estrada Nacional 225 - Castelo de Paiva - Cinfães - Alvarenga

Apesar do esforço nós aconselhamos esta opção e no regresso vir por Cinfães que irá sair ao entroncamento acima referido, trajeto um pouco mais curto. Se quiser uma estrada mais suave segue as placas em direção a Nespereira e sem passar por Canelas/Espiunca.

"Ao percorrer os Passadiços do Paiva somos muitas vezes surpreendidos por barcos de rafting, o desporto de aventura mais praticado neste rio. As diferentes rochas do vale do Paiva e a sua erosão diferencial, diversas vezes associada a falhas, originam zonas com rápidos que garantem a adrenalina a quem se aventura a praticar os diferentes desportos de águas bravas. Entre o Vau e a Espiunca, os aficionados por estes desportos encontram os rápidos da «Parede», «Salto», «Escadinhas», «Esses», «Três Saltinhos». " Arouca Geopark

A chegada a Alvarenga - Arouca

Alvarenga - Arouca

Chegamos por fim a Alvarenga, terra que brotou no meio duma planície cercada por serras, onde o azul e o verde amainam os espíritos. No local os restaurantes da posta à Arouquesa são muitos e as vacas que os alimentam pastam nos campos em redor.

Eduardo Sousa, Natinda Cunha, Fernando Cunha e Joaquim Costa - Alvarenga - Arouca

Quisemos saber mais sobre o local e quatro pessoa que trauteavam num banco de madeira lá nos contaram um pouco sobre o local, Eduardo Sousa, Natinda Cunha, Fernando Cunha e Joaquim Costa, com 59, 77, 88 e 75 anos de idade. Numa horta desta vila encontramos um uso diferente para bonecas, que foram colocadas de forma engenhosa distribuídas pelas culturas para assustar a passarada. No regresso viemos por Nespereira onde abundam os rebanhos de ovelhas e passamos junto à capela de São Brás em Vila Chã - Cinfães.

Começamos esta aventura eram 10h00 da manha e terminamos já passava das 19h00, porque vamos parando para tirar fotos, falando com as pessoas e visitando certas aldeias que nos captam atenção. Estamos agradecidos à natureza por termos feito esta viagem e que continue assim por muitos anos para que outros também o possam desfrutar.

Galeria de fotos do percurso de bicicleta entre Castelo de Paiva e Alvarenga

Lida 2368 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.

Meitriz aldeia de xisto com bela praia fluvial no Rio Paiva

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou. 

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.