Imprimir esta página
“Eu sou a alma e ele é o alecrim”

“Eu sou a alma e ele é o alecrim” Destaque

Classifique este item
(2 votos)

As emoções são o princípio de um projeto a dois. Se para Filipa é impossível viver sem alma, para Pedro a vida é mais intensa através da fotografia. Conheceram-se, viajaram, casaram e lançaram a Alma de Alecrim. O blogue, a loja virtual e o espaço físico, no centro histórico de Aveiro, são histórias de amor simples, mas intensas.

Comida, viagens e outras estórias são o princípio do blogue Alma de Alecrim. As emoções que cada fotografia revela são a parte imaterial do projeto lançado por Filipa e Pedro e que está prestes a celebrar dois anos.

No blogue cabe ainda uma loja online e que complementa o espaço físico a escassos minutos do canal de Aveiro.

“A nossa loja é tipicamente de inspiração nórdica: o branco, a madeira, os produtos, o cantinho das crianças para os pais poderem ver a loja. Queremos criar estes mimos para as pessoas e o feedback tem sido ótimo”, partilha Filipa Sousa.

A bloger trabalhou 15 anos na indústria alimentar antes de reinventar o seu caminho. Deixou a bioquímica e hoje dedica-se em exclusivo à Alma de Alecrim: “Quando nos conhecemos, o Pedro queria criar um projeto em comum, com energia positiva. O alecrim é uma erva energizante e achámos que esta ideia fazia todo o sentido. Eu sou a alma e ele é o alecrim. É a alma dele, do Pedro”.

São as palavras de Filipa Sousa, mãe do Tomás e do Miguel, e para quem as emoções são vitais para viver bem: “Eu gosto da palavra alma e de tudo o que implica. Gosto de escrever com alma”.

A candura da loja combina harmoniosamente com a simplicidade dos produtos. São apontamentos funcionais e diferenciadores, pedaços do mundo acessíveis a todos. Cadernos de viagens, capas de vasos, álbuns de fotografia, vinis de parede e cadernos artesanais fazem parte de uma extensa lista de mundos e perceções da realidade.

Filipa revela que os materiais preferidos são essencialmente feltro, madeira e tecidos: “São materiais confortáveis, que nos transmitem serenidade, e que para nós fazem sentido”, acrescenta. As capas de vaso são o produto mais procurado, em 100% lã e com borracha natural no interior, em que se pode regar o vaso e não estraga o produto. Se for amante do café, a loja física também oferece o serviço coffee to go.

“Temos uma linha que é toda feita no Nepal, sendo que tudo o que é feito de feltro é feito no Nepal, embora seja desenhado na Suécia e em França”, arremata Pedro. Fotografo e designer, é apaixonado por culinária e viver intensamente. Para isso, não dispensa a máquina fotográfica nem o entusiasmo de Filipa.

Leia também: DAM - Manifesto contra o design aborrecido

Alma de Alecrim surgiu de uma ideia simples. “Saíamos, fotografávamos e queríamos partilhar as fotografias e as emoções que elas podem dizer”, recorda a bloger. Filipa não sabe dizer de onde é. Nasceu em Lisboa, viveu em Azeitão e no Porto e está em Aveiro há vários anos. É de Portugal.

“Do blogue nasceu a ideia de loja porque queríamos trazer um pouco de todos os produtos que íamos vendo e pelos quais nos íamos apaixonando. Queríamos torna-los acessíveis. Surge a loja online e depois surgiu a loja física e que nos enche as medidas”, explica Filipa. No fundo, o projeto “nasceu da vontade de partilhar as fotografias com as pessoas”, conta Pedro e, entretanto, expandiu-se.

Aliados às fotografias, aos produtos e às divagações, surgem os workshops. A escrita criativa, as técnicas de dobragem de papel (origami) e art coaching são as temáticas dos próximos eventos. Iniciativas que promovem a arte de fazer e a criatividade.

“Andamos a correr de um lado para o outro. As pessoas não param, não respiram, não olham, não namoram e é isso que queremos transmitir. Há coisas bonitas na vida. Aqui, podemos ter objetos diferentes e que nos permitem ter uma vida simples, uma vida calma. Simplificando, conseguimos tudo”. Filipa é perentória na sua perspetiva de vida.

Leia também: Ilustrações Catita - presentes com muito para dizer

A filosofia do casal é a simplicidade sem sacrificar o entusiasmo, a aventura, o amor e o tempo. Ao fim-de-semana, exploram Portugal e quando a oportunidade surge saltam as fronteiras para conhecer novos destinos, sempre num conceito de roadtrip. “Gostamos de conhecer espaços que tenham a nossa essência, onde se é intenso, mas de forma serena”, termina Filipa Gomes de Sousa.

A loja de lazer não tem apenas produtos para decorar a casa, prendas com consciência ou um estilo de vida. Alma de Alecrim é o espelho das almas de Filipa e Pedro. Um projeto que o amor criou e que vai bem com estórias intensas de amizade, bem-estar e simplicidade.  

 

Localização e Contáctos Próximos workshops

Alma de Alecrim

Rua Luís Cipriano, 25 (junto do Teatro Aveirense)

3810-128 Aveiro

Segunda a Sexta-feira: 10h30 - 18h30

Sábado: 10h30 - 13h:00 e 15h30 - 18h00

Website: www.almadealecrim.pt

Origami (capas de jarra) – 17 de Março. 

Art coaching – 24 de Março.

Escrita Criativa nível 1 – 7 de Abril

Aguarelas – 28 de Abril.

Escrita Criativa (nível por definir) - 5 de Maio.

Encadernação - data por definir.

 

 

Lida 652 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Últimas de Ricardo Grilo

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Intermarché de Ovar conta a história da cidade em azulejo português

Um supermercado já não é apenas um espaço comercial que vende produtos de consumo corrente. Oferecer cultura local em azulejaria portuguesa enquanto vai às compras é reconhecer que a experiência de cliente do século XXI não termina nas caixas registadoras. Por isso é que o Intermarché de Ovar lhe conta a história da cidade num projeto assinado por Marcos Muge.