Norberto Pinto fala do seu voluntariado em África Norberto Lopes Pinto

Norberto Pinto fala do seu voluntariado em África

Classifique este item
(1 Vote)

Norberto Lopes Pinto rumou ao continente africano para fazer voluntariado e reuniu as memórias de viagem no livro “Africa nos Sentidos”. Na próxima sessão do ciclo “Conversa com…” da Biblioteca Municipal, no sábado pelas 16h30, o autor vai partilhar as emoções, os perigos e as várias situações marcantes que viveu durante a viagem, que começou em Inglaterra e acabou na África do Sul. A entrada é livre.

Norberto Pinto fala do seu voluntariado em África

Escritor Norberto Lopes Pinto

Com vontade de viver novas experiências num continente diferente, Norberto Lopes Pinto “levantou-se da cadeira da estagnação” e viajou até África, onde exerceu voluntariado em diferentes países. No seu percurso, trabalhou com crianças de rua numa favela de Bamaco, no Mali, apoiou vítimas do VIH (vírus da imunodeficiência humana) no Uganda e conheceu o dia a dia dos orfanatos em Mombaça, no Quénia.

Cruzar o continente africano colocou o autor perante situações de corrupção e perigo, mas também de superação, como a travessia do deserto do Saara, na Mauritânia, ou a passagem pela selva do Congo. “África nos Sentidos” é o relato de uma viagem única, mas também uma reflexão sobre o voluntariado. Ao longo das páginas do livro, Norberto Lopes Pinto interroga-se sobre o que é ser voluntário hoje, qual o impacto nas comunidades e se é uma atividade que todos podem exercer.

Norberto Lopes Pinto nasceu em 1979, em S. Gonçalo, Amarante. Depois de uma experiência profissional como Técnico Desenhador Projetista, ingressou no Ensino Superior e concluiu a Licenciatura em Relações Internacionais na Universidade Lusíada do Porto. Tem uma Pós- Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Católica  de Lisboa. Criou a marca/conceito “Censura Clothing” e trabalhou como controlador de qualidade numa empresa sediada em Londres, no ramo da Saúde. Atualmente divide o tempo entre o trabalho na área social em Inglaterra e o próximo destino.

Lida 508 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Pessoas e projetos empreendedores de Aveiro e Portugal

Há pessoas que nasceram com uma ambição, força e coragem que lhes permitem criar e desenvolver ideias que se traduzem muitas vezes em negócios de sucesso. Esta caraterística de empreendedorismo não é exclusiva de nenhum género, raça ou instrução, é uma maneira de ser. Ondas da Serra selecionou alguns exemplos de negócios que podem ser apontados como exemplo e dar força a quem pensa criar um negócio, ou já começou e enfrenta problemas e desafios que só podem ser vencidos com perseverança e resiliência. “O sucesso não é definitivo, a falha não é fatal. O que importa é a coragem de continuar.” Winston Churchill. As pessoas destes projetos associaram-se ao Ondas da Serra para juntos demonstrarmos que é possível ter uma atitude positiva na vida, não se darem à maledicência e contribuirem para a saúde da sociedade.   

Histórias de Pardilhó que o tempo apagou por Mário Saleiro

Pardilhó ocupa um lugar especial no coração do Ondas da Serra, por isso certo dia fomos à procura da sua história e encontramos um livro com as memórias dum Pardilhoense que tinha vivido no Brasil, Mário de Oliveira Saleiro, “O Almocreve da Ti Rendeira | Esboço da História Contemporânea de Pardilhó”. Através das suas palavras ficamos a conhecer melhor a história desta terra, profundamente ligada à Ria de Aveiro, pesca, construção naval, terras marinhoas, famílias, pedreiros e tempos onde o homem estaria mais conectado à mãe terra.

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.