As vinhas Casa D’Almear Ferreira Santos, António Castilho (centro) e José Correia

As vinhas Casa D’Almear Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

A personalidade dos vinhos da Casa D’Almear começou a ser traçada em 2007 quando António Castilho se aventurou num projeto vinícola em Travassô, no concelho de Águeda. Onze anos depois, os dois hectares das vinhas Casa D’Almear são insuficientes para os projetos que se avizinham.

António CastilhoFoi em mais um trilho da equipa do Ondas da Serra que a conversa com o fundador do projeto Casa D’Amear se proporcionou. Enquanto José e Rui terminavam o seu trabalho, António Castilho, com 66 anos de idade, verificava se estava tudo em conformidade com os seus padrões de qualidade e exigência. Foi há onze anos que a sua paixão pela produção vinícola deu o passo seguinte.

Hoje, os dois hectares de vinhas produzem anualmente perto de 12 mil garrafas apenas para consumo interno. A restauração é o principal canal de vendas, mas a loja online, brevemente disponível, é uma das principais apostas para 2018.

A seleção criteriosa das castas utilizadas, o recurso às técnicas tradicionais de vinificação o carácter particular da região, e o desejo insaciável de oferecer um produto nacional de excelência, contribuíram para um crescimento sustentado ao longo dos anos.

Leia também: Casa D’Almear: O segredo está no amor pelos vinhos

Situado na região Beira Atlântico, os vinhos produzidos pela família Tavares Castilho estão integrados na Denominação de Origem (DO) Bairrada. A vista sobre o rio Águeda e o contexto paisagístico único conferem uma magia ímpar às vinhas Casa D’Almear.

A preferência pelas castas Tinta Roriz, Touriga Nacional, Syrah e Merlot surge do reconhecimento do potencial da região para maximizar as características específicas de cada casta, permitindo criar vinhos de qualidade superior, nomeadamente:

Casa D’Almear – Tinto

Casa D’Almear Reserva Tinto 2012

Vinha dos Estorninhos - Tinto

António III – Branco

Alba de Castilho – Rosé

Proprietário da Isolusa, uma empresa de refratários e isolamentos industriais, António Castilho revela os projetos para o futuro próximo: “Queremos ampliar o negócio, adquirir mais parcelas de terreno, aumentar a produção e pensar noutros voos”. A internacionalização é o objetivo final.

Leia também: Trilho da Ponte de Ferro

O filho e neto de produtores de vinho da freguesia de Barrô, concelho de Águeda, começou há mais de dez anos a dar vida à sua paixão e hoje não podia estar mais satisfeito. Agora, é “um projeto sério e tem de ser auto-sustentável”.

Site da empresa vinícola.

Lida 1128 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Maia & Andrade | Imobiliária de Gerações

O ‘Ondas da Serra’ visitou a imobiliária Maia & Andrade em Ovar para se inteirar um pouco deste mercado tão em voga e aquilo que tem para nos revelar, nomeadamente nesta área geográfica onde está inserida.

A Loja Centenária da Marçalina

Ondas da Serra viajou até Cabomonte – São Miguel de Souto, onde subsiste há mais de um século uma antiga taberna, mercearia ou como o povo gosta de chamar “Loja de comes e bebes”, mais conhecida por “Loja da Marçalina”, uma das mais velhas das terras de Santa Maria e onde ainda se podem sentir os refinados odores dos petiscos dos nossos avós.

De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo

O Ondas da Serra, ou melhor o Sílvio, o Rui e eu, percorreu Ovar a Aveiro em bicicleta. A aventura começou no primeiro dia em que se ponderou fazer o caminho desde a cidade vareira à cidade dos canais, sempre com a Ria como apoio. Foram mais de 10 horas de percurso e perto de 90 quilómetros de caminho. Mais do que pedalar, ficar espalmado ou mergulhar os pés na lama, ficou a importância do tempo.

Pub