Rosa Maria

Rosa Maria

Rosa Maria, é Diretora/Editora do Orgão de Comunicação Social, Jornal Online, Ondas da Serra, inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, registo nº 126907 de 16-FEV-2017, com o Cartão de Equiparada a Jornalista n. TE-734 A, cofundadora da marca Ondas da Serra, registada no INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, processo nº 567314, publicado no Boletim de Propriedade Industrial nº 190/2016, de 30 de Setembro 2016.

Realiza-se anualmente na Vila de Cucujães, do concelho de Oliveira de Azeméis, no dia 13 de dezembro, a secular romaria da Santa Luzia. Esta celebração religiosa atrai à terra fervorosos crentes nos milagres da Santa que cura as maleitas dos olhos. A igreja acolhe centenas de fiéis para participarem na missa e pagarem as suas promessas através de olhinhos em cera que adquirem na Casa da Irmandade, ou outras partes do corpo conforme a enfermidade. Os pontos altos são a procissão e o leilão de produtos agrícolas e animais de capoeira. Duas tradições estão também associadas a efeméride, uma feira e venda de jeropiga, vinho licoroso que aquece as almas, nestas tardes frias do inverno. Para almoçar, o povo acorre em reboliço à Associação da Casa do Sagrado Coração de Jesus, onde podem provar a saborosa comida caseira de rojões, patanisca, arroz de feijão, broa de milho e vinho, um regalo. Uma festa do povo, que não quer perder as vistas, assim alguns homens da coisa pública tivessem a mesma vontade e não se deixassem cegar pelo brilho do vil metal.

A fama dos Passadiços do Paiva em Arouca, por quem Gaia se enamorou, foi elevada pelos ventos aos quatros cantos da Terra. As suas formosas escadarias parecem tomar os céus de encontro ao Criador. O rio Paiva que as acompanha é dos últimos de águas bravas e mais limpas da Europa. O seu percurso ondulante acariciando o vale aproxima o ser humano da natureza que esqueceu, mas quer resgatar. Este Jardim do Éden, pode conduzi-lo aos verdes prados e águas refrescantes, porque nada lhe falta, por isso temos o dever de o proteger e enaltecer a sua natureza. Esta aventura vai desvendar algumas das riquezas da sua fauna, flora, geologia, história, rápidos e praias fluviais. Muito se tem escrito sobre este premiado ser, contudo neste artigo vamos dar-lhe uma visão prática da visita, para colmatar uma das suas lacunas, para você saber de antemão o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e tocar.

Portugal segundo os dados estatísticos é um dos países mais seguros do mundo, facto apregoado pelos nossos governantes aos quatro ventos, sempre que lhe convém. No entanto, por detrás desta realidade estão homens e mulheres que fardados ou à civil trabalham para nos proteger. Como em todas as profissões têm problemas profissionais, mas também pessoais que os afetam. Nesta sociedade cada vez mais problemática, quisemos saber como é que estas pessoas lidam com a pressão e trabalho tão escrutinado pelo cidadão, hierarquia, inspeções, tribunais, estado e comunicação social. Para este efeito estivemos à conversa com um Agente da Polícia de Segurança Pública, que de forma sigilosa nos contou uma dura realidade nem sempre radiosa por detrás dos holofotes. 

A aldeia transmontana de Maçores pertence ao município de Torre de Moncorvo e cresceu no sopé do Monte Ladeiro, cujo corpo é povoado por oliveiras e amendoeiras e ervas rasteiras de urzes, estevas, giestas, espinheiros e carquejas. Foi no meio desta idílica paisagem que um pastor de ovelhas da raça autóctone Churra contou-nos a sua Odisseia. Neste artigo vamos conhecer a história desta terra, património natural e arquitetónico, gastronomia, festas, tradições e economia. Vamos destacar alguns dos seus monumentos naturais e criados pelas artes modernas e rupestres, festa do São Martinho e percursos pedestres. Conhecemos a Comissão de Festas do São Martinho que nos recebeu na sua mesa com saborosas carnes e odoríferos vinhos. Aqui ainda se perpetuam antigos rituais pagãos de adoração aos elementos da terra, pão e do vinho que celebramos fazendo libações aos deuses para agradecer a nossa chegada a Ítaca.

Castelo de Paiva viu nascer, há 47 anos, Ricardo Jorge, um homem amante da terra onde ganhou raízes e semeou uma grande carreira e vida familiar. O Rio Douro serpenteia por estes vales, que ele seguiu até ao Porto, onde se formou em direito. Fomos conhecer este advogado, que irradia serenidade, sabedoria e uma energia que emprega na defesa de causas legais, associativismo, andar de bicicleta ou jogar futsal com os amigos. Nesta entrevista deu-nos a conhecer as suas paixões e valores que defende. Falamos sobre a sua carreira, advocacia, direito administrativo e estado da justiça. Falamos também do direito laboral e aprofundamos a questão do assédio laboral e de que forma os trabalhadores se podem defender e quais são os seus direitos. Estas vítimas podem fazer queixa para o comportamento dos seus superiores hierárquicos ser avaliado judicialmente para eventualmente serem julgados e sancionados a nível contraordenacional ou criminal.

Henrique Araújo, independente do Movimento 2030, apresenta-se como um homem que não é profissional da política, que gosta de fazer o bem pela causa pública, dizendo que é apelidado com frequência de megalómano, mas que a história por vezes transforma em visionários. A razão principal desta entrevista foi a destruição do Perímetro Florestal das Dunas de Ovar, que depois duma suspensão para avaliação, recomeçou novamente no talhão 74. Os factos apresentados não deixam grandes dúvidas dos atropelos que se cometeram, numa floresta que passou de proteção, para conservação e acabou em produção e que está em investigação judicial, para apuramento se foram cometidos crimes. Nós quisemos também ouvir que propostas este movimento tem para o concelho de Ovar.