Vieira do Minho: Doze locais obrigatórios para conhecer Praia fluvial da albufeira da barragem do Ermal - Telesky - Vieira do Minho Ondas da Serra

Vieira do Minho: Doze locais obrigatórios para conhecer

Classifique este item
(11 votos)

Vieira do Minho no sopé da Serra da Cabreira, vizinha do Parque Nacional da Peneda-Gerês, perto da azafama da área metropolitana do Porto, é um bom refugio para passar uns dias tranquilos, junto da natureza e vida selvagem. Neste artigo vamos conhecer o Parque de Campismo de Vieira do Minho, Serra da Cabreira e seus Garranos, Barragem do Ermal, Aldeia de Espino, Praia Fluvial de Poço das Traves, Santuário de de Nª Senhora da Lapa, Nossa Senhora da Fé, Serra da Cabreira, Aldeia Histórica de Agra e Ponte do Diabo.

Vieira do Minho: Doze locais obrigatórios para conhecer

Neste artigo sobre Vieira do Minho, os nossos leitores poderão ler os assuntos a seguir referidos, bastando clicar neles para abrir a página no local pretendido:

Apresentação de Vieira do Minho

Parque Florestal de Vieira do Minho

"Vieira do Minho é o segundo concelho mais montanhoso do distrito de Braga. Ocupa uma área de 218,05 quilómetros quadrados, sendo limitado a norte por Amares, Terras de Bouro e Montalegre, a nascente por Montalegre e Cabeceiras de Basto, a sul por Fafe e a poente pela Póvoa de Lanhoso. A sua população ronda os 12 997 habitantes segundo os Censos de 2011.

As serras do Merouço, Gerês e, sobretudo, a Cabreira caracterizam e constituem a paisagem envolvente, bem como o limite geográfico do concelho. De entre todas é a Cabreira que melhor se identifica com o povo desta terra. Fornece o pasto para os rebanhos, a madeira e a água que irriga os vales férteis e abastece as povoações. Os rios Cávado e Ave, com seus afluentes, providenciam locais de grande beleza natural. As Barragens existentes no concelho constituem uma grande fonte de riqueza para o país, pela produção de energia hidroelétrica."1

Parque de campismo de Vieira do Minho

Estas notas de viagem foram tomadas durante uns dias de férias que passamos nesta região, onde as formosas formas da natureza contrastam por vezes com a má empresa humana. 

Aqui a iluminaria das estrelas é um regalo no céu noturno, olhado por cima das copas das árvores do campismo municipal. Este bonito parque está bem organizado, onde as regras são feitas cumprir e reina a limpeza. Este espaço fica situado entre dois rios, que ali se encontram e formam um pequeno lago, com águas limpas e povoado por pequenos peixes. Na parte superior os campistas têm acesso às piscinas municipais, com extensos relvados e uma soberba vista para a Serra da Cabreira. A mesma fecha durante as horas do almoço e nos dias de maior calor a lotação é rapidamente esgotada.    

Na encosta junto de um dos rios fica localizado o parque municipal, com frondosas árvores e plantado de flores, mas a necessitar de obras urgentes. Que pena não ser feita uma grande intervenção para requalificar a frente ribeirinha, aproveitando o açude do rio para fazer uma praia e desbravar o amazónico parque florestal.

"O Parque de Campismo da Cabreira localiza-se a poucos metros da vila de Vieira do Minho. Protegido pela Montanha verdejante, permite um contacto privilegiado com a natureza. Comporta uma área de 19.363m2 e pode acolher até 390 campistas. Está dotado de todos os equipamentos necessários para a satisfação das mais elementares necessidades dos campistas.

Possui serviços administrativos capazes de dar resposta rápida e eficaz às solicitações apresentadas. É constituído por um snack-bar e um restaurante panorâmico com capacidade para 180 pessoas, bem como um complexo desportivo que integra duas piscinas (com um desconto de 75% nas piscinas exteriores para ocupantes do parque), campo de ténis, pavilhão polidesportivo e um campo de jogos (serviços independentes). Aqui, o campista tem ainda a oportunidade de alugar BTT para percorrer os percursos sinalizados ao longo do concelho e de se informar sobre a rede de trilhos pedestres da Serra da Cabreira.

Características do Parque de campismo de Vieira do Minho:

  • 4 bungalows ( 2 T1 e 2 T2);
  • Desconto de 10% com a apresentação de cartão de campista;
  • Aluguer de BTT (o extravio ou quaisquer danos provocados na bicicleta serão da responsabilidade do utilizador);
  • Restaurante;
  • Sanitários;
  • Piscinas a 30m;
  • Court Ténis a 30m;
  • Pavilhão Polidesportivo a 100m;
  • Água Quente;
  • Parque Infantil;
  • Campo de Jogos a 70m;
  • Fraldário;
  • Lavandaria;
  • Animais são permitidos"5

Serra da Cabreira - Vieira do Minho

Serra da Cabreira - Vieira do Minho

A serra da Cabreira é uma elevação de Portugal Continental, com 1262 metros de altitude, no Alto do Talefe. Situa-se no Baixo Minho e no Baixo Barroso, onde faz fronteira com 3 concelhos o de Montalegre o de Vieira do Minho e Cabeceiras de Basto. Aqui nasce o Rio Ave que passa a Agra, aldeia de Portugal e desagua em Vila do Conde.

Serra da Cabreira e o Talefe - Vieira do Minho

"Reza a lenda que a Serra da Cabreira deve o seu nome a uma jovem e bela cabreira que por ali costumava guardar seu rebanho: “ (…) E o povo quis perpetuar para sempre, com toda a justiça, o amor desgostoso da moça pastora. Por isso, deu à serra onde ela vivera a sua grande paixão o nome de Serra da Cabreira e, já que ela queria ser ave e voar, passou a chamar ao rio da Vila do Conde, o Rio Ave… “.

Seja a pé, de btt ou de viatura, a Serra da Cabreira é passagem obrigatória para quem visita Vieira do Minho, e para quem deseja desfrutar de uma exuberante paisagem serrana. A Serra da Cabreira estende-se pelos territórios de Vieira do Minho e de Cabeceiras de Basto.

A sua Fauna é dominada pelas espécies típicas das zonas de matos e das florestas de coníferas, estando as espécies dos restantes habitats muito confinadas. Convém, no entanto salientar que a diversidade de espécies é ainda assim, relativamente elevada, quando comparada com outras zonas do país. Destacam-se, pelo seu estatuto de protecção e/ou raridade: entre os anfíbios a salamandra-lusitana, o tritão-de-ventre-laranja e o tritão-palmado; entre as aves o tartaranhão-caçador, melro-d’água. De referir ainda a existência de duas espécies (o dom Fafe e a felosa-das-figueiras) cujo valor patrimonial é elevado devido à raridade dos locais conhecidos de nidificação em Portugal. Já no que diz respeito aos mamíferos, merecem menção, a toupeira de água, o lobo, a lontra e o gato bravo.

A região da Serra da Cabreira encontra-se numa zona que, do ponto de vista biogeográfico, se classifica como de transição entre a flora da região cantábrica e a flora da região ibero-atlântica. O primeiro tipo de flora é mais próximo da flora eurosiberiana, dominada por espécies adaptadas ao calor e relativa secura, mas em que ambos os factores são atenuados pela presença regular de massas de ar húmidas e frescas, provenientes do Atlântico. A coexistência destas espécies vegetais é possível pela particularidade do clima da Serra da Cabreira, que congrega uma grande disponibilidade de água, com influência do clima mediterrâneo, que marca progressivamente as regiões mais a sul. Na Cabreira foram recenseadas 256 espécies de plantas, possuindo 43 um particular interesse para a conservação do património natural devido à sua raridade, vulnerabilidade, carácter endémico ou perigo de extinção, como azevinho ou perigo de extinção, como o azevinho ou a Drosera rotundifolia (espécie carnívora).

A Serra da Cabreira conserva ainda um importante núcleo de vestígios arqueológicos, como abrigos pré-históricos, sepulcros megalíticos, mamoas, gravuras rupestres que atestam a antiguidade da ocupação humana neste concelho.

Aqui encontramos também os Fojos de Lobo, armadilhas de caça através das quais os lobos e a caça grossa eram capturados, e ainda as cabanas que abrigavam os pastores quando estes apascentavam o gado. São conhecidos 4 fojos, Fojo da Alagôa, Fojo Grande, Fojo do Meio e Fojo Novo. Este conjunto monumental é constituído por paredes com cerca de 2,5m de altura. A sua área de implantação abrange as freguesias de Anjos, Ruivães e Rossas, estendendo-se no seu conjunto por 2,5 km. As cabanas são construções mais modestas, quase sempre de planta circular, com paredes de pedra, cobertura de lajes e de torrões de terra. Estas foram construídas entre os finais do século XVI e inícios do século XVIII.

O seu cume, o Talefe, situa-se a 1262 metros de altitude e presenteia os visitantes com uma paisagem verdadeiramente deslumbrante e sublimes panorâmicas sobre as aldeias serranas, albufeiras e a Serra do Gerês. Encontramos ainda um parque eólico composto por 10 aerogeradores, bem como um posto de vigia dos Serviços Florestais.

Aqui, o visitante é surpreendido com o som dos chocalhos, o mugido do gado barrosão e o relinchar dos Garranos. O Garrano é uma das raças mais emblemáticas que aqui vive em estado semi-selvagem e em manada. É uma espécie equídea portuguesa de pequeno porte mas robusto. A pelagem castanha, a crina e cauda pretas caracterizam-nos. Também algumas aves de rapina, como o milhafre ou o falcão, poderão ser avistadas em pleno voo majestoso.

No inverno, o visitante deve acautelar-se e levar agasalhos, pois aqui o frio aperta e a neve cobre as encostas e aldeias da Cabreira. Contudo, para conhecer a Cabreira, descobrir os seus encantos e alcançar lugares recônditos, nada melhor que experimentar um dos trilhos pedestres (Percurso do Turio, Percurso da Costa dos Castanheiros, Percurso de longo curso aos Fojos, etc.) e caminhar por entre a natureza. Esta será a melhor forma de contactar com a fauna, a flora e o património humano dessa serra. Para cada percurso encontra-se publicado um desdobrável que contem uma ficha técnica com as características do percurso, a descrição do trilho, o perfil altimétrico e o mapa. Estes podem ser adquiridos no Posto de Turismo de Vieira do Minho."2

Garranos na Serra da Cabreira - Vieira do Minho

Garranos na Serra da Cabreira

Quando visitar Vieira do Minho pode subir a serra por uma difícil estrada sinuosa, mas com uma vista soberba sobre a montes, vales e Albufeira de Salamonde. Se for cedo poderá encontrar nas suas encostas superiores, galinholas e os famosos Garranos, que ao contrário do que as pessoas pensam não são originários desta região, tendo vindo da Mongólia quando esta região foi invadida pelos hunos.

"A origem do nome indica trata-se de um cavalo pequeno, no entanto, de sólida estrutura física e com características muito próprias: perfil recto, corpo atarracado, com uma altura máxima nos animais adultos de 1,35 m, de sólida constituição óssea, com um peso entre os 150 e os 200 Kg e pelagem de cor castanha. O Garrano de hoje em dia não se distanciou muito dos seus antepassados pré-históricos, tanto genética como morfologicamente. Para tal terão contribuído certamente o isolamento da sua região de criação, bem como a forma de criação em liberdade que tem sido desde sempre utilizada e que lhe permitiu, através da selecção natural, manter as suas características de excepcional adaptação ao habitat montanhoso." (Gonçalves, 2009), pág. 46.

Albufeira da Barragem do Ermal - Vieira do Minho

Albufeira da Barragem do Ermal - Vieira do Minho

Saímos um domingo bem cedo de bicicleta para visitar ali perto a Barragem do Ermal, onde se organiza um conhecido festival. Nós ficamos arrebatados pela sua beleza e atónitos pelo campismo selvagem ali montado, tendas, caravanas, diligências, lixo acumulado, restos de fogueiras improvisadas com pedras à laia do velho Oeste e umas fragrâncias que voavam com a fresca brisa, dos alívios humanos matinais e outras mais antigas, mas melhor temperadas. Os automóveis e caravelas são ancorados o mais perto possível das águas para os seus pilotos darem de beber aos cavalos.

Não demos de caras com índios ou cowboys, mas pelo avançar do dia, vislumbramos sinais de fumo, alertamos a cavalaria que disseram que a prioridade era o Gerês, depois um fogo vem e queima tudo, até pessoas! Na outra margem da Barragem fica situado uma praia não vigiada, como fica mais perto da ilha do Ermal, muitas pessoas vão até ela a nadar. Aqui uma empresa fornece vários divertimentos, sendo o mais mediático o teleski, mas o local tem outros atrativos como um café com vista soberba sobre a albufeira, insufláveis e aluguer de barcos.   

"Das 24 praias galardoadas no distrito de Braga e Viana do Castelo, a Barragem do Ermal, em Vieira do Minho, continua a merecer, por parte da Quercus, o Galardão qualidade de Ouro. Trata-se de um um galardão obtido, mais uma vez, pela qualidade das suas praias e das suas águas cristalinas.
Refira-se que para poderem receber a distinção “qualidade de ouro” por parte da Quercus, as praias têm de ter obtido classificações de “Excelente” nas análises da água durante as últimas quatro épocas balneares.

Na lista das praia galardoadas, referência para a praia de Adaúfe, situada em Braga na margem sul do rio Cávado, a praia de Verim, na Póvoa de Lanhoso, em Fafe, a praia da Queimadela e em Cabeceiras de Basto a praia de Cavez.

A Albufeira do Ermal, de beleza ímpar, é alimentada pelo Rio Ave, por certo o mais belo e formoso de todo o mundo e, entre os portugueses, o mais fecundo e produtivo.
Esta Albufeira de águas aprazíveis, límpidas e cristalinas faz, não só, a delícia dos mais aventureiros, mas também dois mais sossegados. É um recanto onde o visitante se poderá deixar refrescar pelas águas cristalinas e descansar escutando os sons da natureza. A Albufeira do Ermal é hoje, um dos mais importantes pontos de interesse turístico de Vieira do Minho.
O Ermal fascina pela sua beleza e encanto. Aqui o visitante pode usufruir das suas praias ou ousar praticar sky aquático."1

Albufeira da Barragem de Salamonde

Albufeira da Barragem de Salamonde

"A barragem de Salamonde, no rio Cávado, foi construída em 1953, no quadro do plano de aproveitamento hidro-eléctrico desta bacia hidrográfica. A estreita albufeira, comprimida entre as vertentes do Gerês, a norte e da Cabreira, a sul, estende-se 7 km para montante até à confluência do Cávado com o seu afluente Rabagão e à romântica Ponte da Misarela. Um conjunto de paisagens inesquecíveis, dignas dos Alpes suíços.

Actividades Desportivas e de Lazer Permitidas: Pesca, Natação, Barcos à vela;
Localização e acessos: Servida pela Estrada Nacional 103;
Rio a que pertence: Rio Cávado;"6

Aldeia de Portugal de Espindo - Vieira do Minho

Aldeia de Espino - Vieira do Minho

Para os amantes do BTT, por aqui há vários trilhos, uma manhã saímos do parque bem cedo em direção de Cantelães, subimos a Serra da Cabreira, onde no planalto encontramos cavalos autóctone Garranos e onde um potro mais curioso aproximou-se para indagar, bovinos da raça cruzada e perdizes por aqui também abundam. Ao descer a encosta oposta tem-se uma vista soberba sobre a Barragem de Salamonde e aldeia de Espindo, onde uma vaca nos beijou a máquina de filmar e estragou algumas fotos, por não termos limpado bem a objetiva.

"Espindo é uma aldeia sui generis cheia de mitos e lendas para desvendar! Inserida na freguesia de Ruivães, em Vieira do Minho, possui uma vista privilegiada sobre a serra do Gerês, mas no local há muito para conhecer! O Fojo da Alagoa, por exemplo, é uma armadilha de caça aos lobos que se prolonga por uma razoável extensão até terminar num poço com cerca de 8 metros! Sobre um poço existe também a misteriosa lenda do "Buraco da Gola". Segundo o mito, este poço, originado pela queda de água, não tem fundo!

Os antigos terão chegado a atar presos a cordas com dezenas de metros, fazendo-os descer, sem nunca conseguirem aferir a profundidade do poço! Por isso mesmo, enquanto algumas teorias dizem que vai desaguar no rio Cávado, a alguns quilómetros de distância, ou mesmo no mar, outras consideram este poço uma passagem para o outro mundo!

Perca-se por estas encostas verdes da parte mais serrana da aldeia, onde poderá também encontrar outro ex-libris local: os abrigos de pastores. São 19 cabanas em granito usadas pelos pastores, de outros tempos, para se abrigarem das intempéries, quando passavam longas temporadas fora a apascentar os rebanhos. A pastorícia, uma das atividades mais marcantes do local, tem origens ainda mais remotas, como comprova a Aldeia Velha da Portela, um povoamento secular onde ainda se encontram diversas estruturas que outrora foram cabanas e currais. Vale a pena acompanhar estas pequenas construções ao longo de um passeio por esta encosta, banhada pela ribeira de Tôco onde poderá refrescar-se!

Não deixe, ainda, de apreciar a arquitetura mais tradicional da povoação, baseada na agricultura e na pastorícia. Deste quotidiano rural ficaram como testemunha 13 moinhos e 20 espigueiros que ainda hoje podem ser apreciados. Caminhadas, provas de automobilismo nos troços da Cabreira, caça e BTT são outras atividades que tomam conta deste local esporadicamente. Também a religião marca presença em Espindo com a Capela de Santa Isabel, de construção anterior a 1758, a ser ajudada por duas alminhas e um cruzeiro.

O vinho e o pão são a base da alimentação da aldeia e ambos ainda se produzem segundo os ritos tradicionais: a pisada das uvas em lagares de pedra após a vindima e a broa de milho ou centeio fabricados com cereal moído, num dos 13 moinhos de água! A gastronomia local completa-se com outros produtos cultivados na terra: feijões com couves acompanhados com pernil de porco caseiro, pica-no-chão, cozido à portuguesa com carnes caseiras, cabrito, anho e posta barrosã.

Nos doces o destaque vai para as filhoses e a aletria. Com estes ingredientes poderá fazer um inesquecível piquenique no parque de merendas da Serradela, local que possui uma vista privilegiada sobre o vale florestado de Túrio. Se aprecia festas populares, a altura indicada para visitar a aldeia será no primeiro domingo de julho, quando se celebra a festa em honra de Santa Isabel. Para pernoitar, escolha a Casa de Santa Isabel. Na sua passagem por esta aldeia tradicional, aprecie a mestria artesanal com que se confeccionam rendas e bordados em linho."3

Área de Lazer e Praia Fluvial de Poço das Traves - Ruivães - Vieira do Minho

Praia Fluvial de Poço das Traves - Ruivães - Vieira do Minho

Em Ruivães passamos dias divertidos na praia fluvial de Poço das Traves, requalificada pela freguesia, onde as águas são límpidas para nadar e os mais novos dão grandes bombas. O local possui um pequeno bar, mesas para piqueniques e grelhadores, mas tem que telefonar para a junta freguesia para reservar, telefone 253 658 032. O problema é que nem sempre essas marcações são bem respeitadas pela empresa que gere o local.

O local, paisagisticamente rico, é pontuado por vários edifícios e inclusivamente vestígios de uma antiga ponte, que acrescentam ao local uma riqueza invulgar de união entre a estrutura verde, a água e o edificado. A cantaria aparelhada de pedras de granito pontuam o espaço e aludem a vivências de outros tempos mantendo a harmonia entra a paisagem e o edificado.

De forma a manter esse carácter do lugar as intervenções levadas a cabo foram feitas de forma a preservá-lo. Mais importante que manter o carácter dos edifícios é manter o carácter idílico do local e inclusivamente a natureza salvagem do mesmo, que o marca e que aparentemente lhe confere o factor atrativo de quem o visita atualmente. Neste sentido, a ruína é também entendida como elemento a preservar, como um vestígio a descobrir, estimulando a curiosidade e aventura para pessoas de todas as idades.

Por esse motivo, é criado um percurso interpretativo no edificado fazendo referência à sua função original, unindo o lazer à história e o Património natural ao cultural. Salienta-se que os edifícios existentes são na sua maioria antigos moinhos, excluindo um, o de maior área, que constituía um lagar de azeite.Créditos: Junta de Freguesia de Ruivães.

Santuário da Nossa Senhora da Lapa e Nossa Senhora da Fé - Vieira do Minho

Santuário da Nossa Senhora da Lapa e Nossa Senhora da Fé - Vieira do Minho

Estas gentes são católicas devotas e por isso foram edificados para sua proteção alguns santuários, cujo nosso destaque vai para a Senhora da Lapa, incrustada num penedo e Nossa Senhora da Fé, que domina a serra com a sua cruz para proteção dos crentes e da passarada, que ali constrói os seus ninhos, para alegrar a natureza com os seus bailados e chilrear. A confluência destas montanhas, dos seus vales e albufeiras protegidas criam um microclima onde a força do sol não é quebrada pelo vento frio do litoral e oferecem-lhe um verão mais quente.

"A Capela da Senhora da Lapa, situada no monte de Penamourinha, freguesia de Soutelo, foi construída em 1694 a mando de João Gonçalves e sua esposa Margarida da Silva. Esta capela destaca-se pela sua originalidade, uma vez que foi edificada no interior de um penedo. É de salientar ainda a porta da entrada que data de 1898, várias inscrições gravadas no tecto e o quadro encaixilhado com a história do santuário escrita pela Padre José Maria Machado em 1851. Nas imediações do santuário existem um coreto, várias fontes, as instalações que dão apoio aquando da romaria anual (Segundo domingo de Julho) e um miradouro."1 

Aldeia de Portugal Histórica de Agra - Vieira do Minho

Aldeia de Portugal Histórica de Agra - Vieira do Minho

As últimas pedaladas que demos de bicicleta foi entre o campismo e a aldeia histórica de Agra. Pelo caminho passamos por bonitas aldeias, com os seus campos bem cultivados, regados de milho e protegidas pelos seus templos. Antes de entrar na aldeia paramos junto da ponte Romana da Parada, onde nos refrescamos nas águas do rio Ave que ali nasce. Depois de darmos umas voltas pelas antigas calçadas da aldeia, onde a maioria foi reconstruída para o turismo rural, fomos provar a deliciosa posta da raça cruzada e um vinho verde tinto que encerrou da melhor forma estes dias no Minho.   

"Uma paisagem de rara beleza enquadra a aldeia de Agra. Localizada na freguesia de Rossas, concelho de Vieira do Minho, fica no sopé da serra da Cabreira e é banhada pelo rio Ave. Percorra sem pressas este aglomerado de casas, caminhando pelas suas ruas calcetadas em granito, e deixe-se surpreender pelos apontamentos religiosos que vão surgindo aqui e ali, como as alminhas, os cruzeiros, e a própria Capela de São Lourenço, que outrora mataram a sede à alma da população. Para matar a sede do corpo, por toda a aldeia se encontram também fontanários e bebedouros.

Além da bonita paisagem natural, que alia ao ambiente serrano uma configuração recortada pelos pequenos terrenos agrícolas cultivados e divididos por muros e sebes, herança do passado agrícola, a aldeia é pontuada por diversos locais de interesse que não deve deixar de conhecer. O percurso pedestre que descobre os Moinhos do Ave ou a interessante Ponte Romana são visitas obrigatórias!

As casas e restante arquitetura da aldeia revelam o seu passado e identidade marcadamente rurais, na simplicidade e funcionalidade das formas que merecem um olhar atento. No restaurante de Agra delicie-se com os pratos típicos locais, com destaque para os saborosos vitela barrosã, o cabrito e as couves com feijões! Para dedicar mais tempo a usufruir deste local tranquilo, escolha um dos alojamentos da povoação: Casa do Cruzeiro, Casa do Delgado e Casa da Varanda da Eira. Se quiser levar uma lembrança desta bonita aldeia para casa, saiba que além de adquirir peças artesanais típicas feitas no local, com destaque para a tecelagem e os bordados, pode mesmo aprender a elaborar estes objetos - e queijos artesanais - na oficina existente na aldeia!"3

Ponte da Mizarela - Vieira do Minho

Ponte da Mizarela - Vieira do Minho

A Ponte da Misarela, ou Diabo, sobre o rio Rabagão, fica situada no lugar de Frades, Ruivães e Vieira do Minho. A passagem tem raízes medievais e a sua agreste construção granítica, em medonho local com íngremes penedos que se projetam para penoso e profundo vale, fizeram nascer cultos satânicos de arrepiar e mulheres ali ocorrem com responsos de fertilidade. A lenda reza que um criminoso desesperado em fuga invocou o Diabo, em troca da sua alma, para passar o rio, que logo a fez brotar das entranhas da terra. Quando estava a morrer um padre livrou o condenado de tão grave pena. O local terá sido amaldiçoado e a besta gostar de sangue, porque ali se travaram mortíferas batalhas entre tropas portuguesas e francesas, na segunda invasão napoleônica, liberais e absolutistas, cartistas e constitucionalistas, no período conturbado que antecedeu a implantação da república. Parece apenas uma pequena ponte, mas homens expiaram nas suas lajes, afinal Belzebu ainda ali está de atalaia para cobrar a sua dívida e vingar-se do prior.

Ponte Romana da Parada Aldeia de Agra - Vieira do Minho

Ponte Romana da Parada Aldeia de Agra - Vieira do Minho

"A ponte romana da Parada em Agra, sobre o rio Ave, situa-se junto à aldeia do mesmo nome, na Serra da Cabreira, perto de Vieira do Minho, faz parte de um percurso turístico pelas margens do rio, com vários moinhos e a cascata da Candosa. Esta ponte é constituída por um único arco, com guardas e também com aspecto de não ter manutenção há muito tempo, de assinalar que no percurso para a aldeia de Agra, existem dois poços bastante profundos designados, Poço Negro e Poço dos Gatos, que não têm qualquer referência quanto à sua existência."

Ponte Medieval dos Anjos - Vieira do Minho

Ponte Medieval dos Anjos - Vieira do Minho

Ponte medieval no limite da freguesia dos Anjos sobre a Ribeira de Vilarchão.

Cabril Gerês o que visitar, natureza selvagem desconhecida

A aldeia de Cabril pertence ao município de Montalegre, mas como fica perto de Vieira do Minho, não deixe de a ir conhecer e ficar desconcertado com a sua beleza, sendo ainda uma joia resguardada do Parque Nacional Peneda-Gerês. Situada no interior profundo é descrita como selvagem pelos seus ilustres moradores, possuindo riquezas culturais, naturais e arquitetónicas que fascinam quem as contempla. Para sentir Cabril falamos com um autarca, empresário e historiador locais, que demonstraram o seu empenho pelo seu desenvolvimento, defesa e promoção. Nós amantes das serranias e graníticos penedos, ficamos enamorados pela Surreira do Meio Dia e beleza desta região. Neste artigo esperamos que as pessoas despertem para a conhecer e a respeitem quando a visitarem.

Galeria de fotos de Vieira do Minho

Vídeo sobre Vieira do Minho

Vídeo sobre a Aldeia de Agra - Vieira do Minho

Vídeo sobre a Área de Lazer de Poço das Traves - Vieira do Minho

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.
Fotos e vídeos: Ondas da Serra.
1 - cm-vminho.pt/concelho/
2 - vieiraminhoturismo.com/serra-da-cabreira/
3 - aldeiasdeportugal.pt/aldeia/agra/
4 - guiadacidade.pt/pt/poi-ponte-romana-da-aldeia-de-agra-15092
5 - vieiraminhoturismo.com/locais/parque-de-campismo-da-cabreira/
6 - ifecooler.com/artigo/atividades/barragem-de-salamonde/352828

Bibliografia consultada

GONÇALVES, A. B. et al. A criação de Garranos na Serra da Cabreira (Vieira do Minho) e o uso do fogo. 2009. 

Lida 7210 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Ponte da Misarela envolta em cultos satânicos e fertilidade

A Ponte da Misarela, ou Diabo, sobre o rio Rabagão, fica situada no lugar de Frades, Ruivães e Vieira do Minho. A passagem tem raízes medievais e a sua agreste construção granítica, em medonho local com íngremes penedos que se projetam para penoso e profundo vale, fizeram nascer cultos satânicos de arrepiar e mulheres ali ocorrem com responsos de fertilidade. A lenda reza que um criminoso desesperado em fuga invocou o Diabo, em troca da sua alma, para passar o rio, que logo a fez brotar das entranhas da terra. Quando estava a morrer um padre livrou o condenado de tão grave pena. O local terá sido amaldiçoado e a besta gostar de sangue, porque ali se travaram mortíferas batalhas entre tropas portuguesas e francesas, na segunda invasão napoleônica, liberais e absolutistas, cartistas e constitucionalistas, no período conturbado que antecedeu a implantação da república. Parece apenas uma pequena ponte, mas homens expiaram nas suas lajes, afinal Belzebu ainda ali está de atalaia para cobrar a sua dívida e vingar-se do prior.

Praia Fluvial da Paradinha paraíso escondido no Rio Paiva

A Praia Fluvial da Paradinha, nasceu junto da Aldeia de Portugal da Paradinha, perto de Alvarenga. No fundo do vale corre o invicto Rio Paiva, que por vezes serpenteia vertiginosamente e arremete desgovernado contra os penedos e seixos das margens. Este é o maior rio que banha as terras de Arouca e ajudou a nascer recônditas e misteriosas praias fluviais de águas amenas e natureza sublime. Esta praia tão bela é mais extensa do que larga e permite nadar, mergulhar e contemplar uma natureza ameaçada e que sustenta outros seres, que como nós têm direito à vida. Neste artigo vamos saber pormenores da sua localização, ficha técnica, infraestruturas de apoio, como chegar, outros pontos de interesse, avaliação e apresentar fotos da sua pessoa.

Praia Fluvial de Meitriz para viver momentos inesquecíveis

A Praia Fluvial de Meitriz em Arouca, fica localizada junto de uma bonita aldeia de xisto com o mesmo nome. O Rio Paiva que lhe dá vida, é um rio de águas bravas e das mais limpas da Europa  e que ainda não foi submergido pelas barragens. Aqui há vários locais para nadar, pular ou mergulhar, sempre com precaução. Apesar do avanço dos eucaliptos pelas encostas ainda há uma grande riqueza na galeria ripícola que acompanha o curso da água. No local foi construído um aprazível parque de merendas, com churrasqueiras, mesas em madeira, casas de banho e chuveiros. Para aceder à mesma foi construída uma moderna ponte que não respeitou a traça do local e agora parece desfocada e desajustada da consistência natural e arquitetónica em redor, mas mais vale isso que o antigo barqueiro ainda ter que passar as gentes e animais para a outra banda à força de remos e por vezes debaixo de grandes borrascas.