Investigação do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro

Os esquilos estão definitivamente de volta ao território nacional. Depois de extintos durante centenas de anos até aos anos 80, altura em que, lentamente, foram atravessando a fronteira no Minho, nas últimas duas décadas a espécie expandiu-se até ao rio Tejo e está fora de perigo. As conclusões são do estudo realizado em Portugal sobre a distribuição do esquilo-vermelho, um trabalho do Departamento de Biologia (DBio) da Universidade de Aveiro (UA) que contou com uma preciosa ajuda: as centenas e centenas de cidadãos anónimos que nos últimos anos avisaram os investigadores sempre que viam o simpático animal.

O Comando Territorial de Aveiro da Guarda Nacional Republicana, através do Núcleo de Proteção Ambiental de Santa Maria da Feira, no dia 8 de outubro, em Santa Maria da Feira, deteve um homem de 53 anos, por violação da lei da caça.

O Município da Mealhada voltou, este ano, a ser distinguido com bandeira ECOXXI e, no que respeita à bandeira Eco-escolas, foram 14 as atribuídas aos estabelecimentos de ensino (jardins-de-infância e escolas) do concelho.

O Município da Mealhada voltou, este ano, a ser distinguido com bandeira ECOXXI, um galardão atribuído pela Associação Bandeira Azul (ABAE), que premeia as boas práticas em prol do desenvolvimento sustentável, evidenciadas na concretização de medidas, ações e políticas de sustentabilidade.

Antigo aluno UA – Paulo Domingues, licenciado e doutorado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações

Em setembro de 2006 Paulo Domingues lançava à terra a primeira semente do Projecto Cabeço Santo que é hoje, provavelmente, um dos maiores trabalhos nacionais de recuperação e conservação da biodiversidade. Apostado em devolver à mata do Cabeço Santo, em Águeda, a ancestral vegetação derrotada por eucaliptos e acácias, o antigo aluno e professor da Universidade de Aveiro (UA), licenciado e doutorado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações, lançou à terra na última década milhares e milhares de carvalhos, sobreiros, murtas, medronheiros e salgueiros.

Cerca de 480 alunos do 1.º e 2.º ano do Ensino Básico do Concelho vão visitar, esta semana, a “Casa do Ambiente”, uma unidade móvel que ensina aos mais novos a pertinência do tratamento do lixo e da reciclagem para a salvaguarda da natureza. A atividade está inserida no Programa Municipal de Educação do Município de Albergaria-a-Velha e decorre até 29 de setembro.