domingo, 05 fevereiro 2017 03:14

"Amigos Bué Cansados"

Classifique este item
(0 votos)

Fomos pedalar com os “Amigos Bué Cansados”, grupo vareiro criado em 2005 por Fernando Elvas, José Tavares Oliveira Elvas e José Polónia, e nas próximas linhas vai ficar a conhecer um pouco da história destes "cavaleiros das duas rodas".

A génese do grupo ABC – Amigos Bué Cansados

“O primeiro passeio que fize­mos foi à Ribeira da Aldeia, em Pardilhó, no dia 30 de setembro de 2005. Mas quem vai contar como tudo começou é aqui o nosso comandante”, disse José Polónia.

“O meu pai, Fernando Elvas, perguntou-me, um dia, se eu queria dar uma volta de bicicleta com ele, e eu disse-lhe que gostava mais de correr. Estou ligado ao AFIS/ Ovar – Atletas Fim de Semana, e na altura corria todos os dias. Mas depois pensei melhor, e deixei de correr à 6.ª feira para ir pedalar com o meu velhote. Falei com o José Polónia, que tinha saído do Banco BPI, estando como eu, na reforma, e lá fomos os três pela estrada fora. Não foi assim, amigo Zé?”, disse José Tavares Oliveira Elvas, dirigindo-se ao amigo Polónia, que, para além de ser o “2.º comandante” dos Amigos Bué Cansados é o homem que tira as fotografias do grupo e trata da logística.

“Quando passámos a ter meia dúzia de ciclistas, todos reformados, pusemos um nome ao grupo. Arran­jei as três letras, ABC, e ficou como está, Amigos Bué Cansados”, explicou José Polónia, apontando para o logotipo bordado nas camisolas que envergam à 6.ª feira. O 1.º símbolo é da autoria de Carlos Rocha, amigo dos fundadores, e o atual logotipo foi idealizado por Raquel Faneco, filha de Manuel “Nené”, da Ribeira de Ovar, também ele ciclista.

Os “Amigos Bué Cansados” tem cerca de 35 membros, e só três ou quatro é que estão no ativo. “O resto da malta está a gozar a refor­ma”, adiantou José Tavares Elvas.

“Vamos uma vez por ano a São Jacinto, e andamos aqui pelo nosso concelho, ou nas redondezas, pelo Bico da Murtosa, pela Torreira. Já fo­mos a Espinho... O que custa mais a vencer são as subidas”, revelou José Polónia, gesticulando. “O que vale é que temos os nossos carros de apoio, o amigo Manuel Mendonça, que não nos deixa ficar pelo caminho, mesmo quando temos um furo”.

Os passeios de bicicleta têm uma almoçarada como meta, mas nem sempre foi assim, como explica José Polónia: “Primeiro andávamos só de bicicleta, só depois é que me­temos o almoço pelo meio. Na estrada andam só doze ou treze, os outros “pedalam à mesa”.

“Sou eu que trato dos almo­ços... Fui operado a uma anca, mas um dia destes volto à estra­da. Apesar de ainda não termos estatutos, agora decidimos que só entra nos Bué Cansados quem for passear de bicicleta”, adiantou José Tavares Elvas. “Este grupo não é o ABC – Amigos da Bebida e da Comi­da”, disse José Polónia, rindo.

Passeio pela mata atlântica

De Ovar a Arada não deu se­quer para aquecer os selins das bi­cicletas, e o pelotão, composto por onze homens, só parou no ponto de abastecimento, no café situado junto ao apeadeiro de Carvalheira­-Maceda. A mata atlânti­ca, lugar de merendas, aguardava pelos cavaleiros das duas rodas, e “era preciso matar o bicho”, como frisou José Polónia, não fosse ele atacar a meio do percurso. Depois de retemperadas as forças, foram respirar o ar puro da Praia de São Pedro de Maceda [ver foto da capa], seguindo pela ciclovia que acompanha a Avenida da NATO, contigua à Base Aérea. Depois de uma curta passagem pela Praia do Furadouro, os ci­clistas rumaram ao Carregal, onde um delicioso repasto os esperava.

Um desejo dos ciclistas vareiros

“Gostávamos de ter uma ciclo­via que ligasse o Carregal à Ponte da Varela”, disse José Polónia, “porque dessa ponte à Torreira já tem uma pista para ciclistas. Vamos encostados à nossa direita e, na es­trada da ria, costumam passar uns automobilistas cheios de pressa. Até a barraca abana...”

TEXTO e FOTOS: Fernando Pinto

 

 

Lida 695 vezes

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Yoga no Parque – As emoções conflituosas

No domingo dia 24 de março, o Ondas reuniu algumas pessoas da nossa comunidade no Parque Urbano de Ovar, para praticar Yoga. Estes encontros não têm mestres nem professores, apenas pessoas que querem praticar esta arte milenar.

Percursos pedestres em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

É tão bonito! Onde fica?

O chão de madeira serpenteia entre a maior zona lagunar do Norte de Portugal com o brilho que só a natureza pode proporcionar. Os passadiços da Barrinha de Esmoriz, no concelho de Ovar, são o passeio idílico para amantes de praia, natureza e emoções. É bonito por tudo o que oferece a quem o visita. Simples e poderoso.