Yoga no Parque – As emoções conflituosas Yoga no Parque – As emoções conflituosas
quarta, 27 março 2019 22:16

Yoga no Parque – As emoções conflituosas

Classifique este item
(0 votos)

No domingo dia 24 de março, o Ondas reuniu algumas pessoas da nossa comunidade no Parque Urbano de Ovar, para praticar Yoga. Estes encontros não têm mestres nem professores, apenas pessoas que querem praticar esta arte milenar.

O tema dessa prática, foram as emoções conflituosas, a natureza moldou o homem com emoções, carinho, empatia, amizade, amor, paixão, admiração, aborrecimento, irritação, antipatia, ódio e muitas mais, umas fortes, outras subtis.

O homem é então um ser emocional, que o ajudou no seu processo evolutivo. Todas as pessoas têm uma equivalência entre o seu potencial negativo e positivo. O homem médio possui um controle razoável sobre as suas emoções, consegue identificar o que sente e com mais ou menos dificuldade ter mão no seu emocional.

Este tema levou-nos a falar daquelas pessoas que não conseguem minimamente controlar o que sentem, deixam as emoções ditarem as suas leis e comandarem a sua vida, o que acaba por lhe trazer vários problemas pessoais em todos os contextos da sua vida em sociedade.

Nós refletimos que ter emoções não é mau e fazem parte da natureza humana, mas que as devemos identificar porque as más são poluidoras e vão gerar atritos no nosso cérebro. Estas más vibrações devem ser identificadas e amavelmente postas de lado. Uma má emoção é como uma fogueira, quando mais lenha deitarmos mais avivávamos o fogo, o que devemos fazer para não nos queimarmos é reduzir o combustível da desgraça ou deitar água nas suas labaredas.

Uma pessoa que constantemente se mova pelo ódio, vingança, que viva constantemente zangada, irritada, praguejando, vociferante, com linguagem vil e semeando a discordia, vai entrar num ciclo de más vibrações que vão afetar o seu emocional, que por sua vez afeta o físico e em última analise leva a doenças, sendo as depressões as mais conhecidas.

Este tema não se esgota aqui, nem numa simples prática, é muito vasto, mas devemos calmamente refletir nele se queremos melhorar a nossa vida, é um erro pensar que se algo não corre bem, a culpa é sempre dos outros e do mundo.

A prática de Yoga visa a união integrações das pessoas consigo própria e com a sociedade onde vivemos, buscando o seu autoconhecimento. A prática continuidade seja de que método for, embora na nossa opinião alguns são mais indicados do que outros, pode ajudar numa primeira fase acalmar o espírito, melhorar o emocional e posteriormente a pessoa mudar o seu comportamento levando a que cessam as causas do seu sofrimento.

Por este motivo o Mestre De Rose, de nacionalidade Brasileira, escreveu o livro, “Faça Yoga antes que precise”, porque o mais correto é a pessoa procurar o Yoga antes de ficar mal e não desistir quando começar a sentir-se melhor, para mais tarde regressar aflita.

Resta-nos dizer o seguinte, o Yoga não é uma moda, para embelezar o corpo, para os animais ou bebés. É uma filosofia de vida, com preceitos morais que devem ser seguidos de forma a que o ser humano evolua, para se sentir bem, não fazer mal aos outros e ao planeta onde vive, porque todos estamos ligados.

Fotos: Rui Sousa do Ondas da Serra. | Leia também: Eventos Ondas da Serra

 

Lida 446 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.

Arouca | Campo de Dobras da Castanheira - Um retrato do nosso passado geológico

A caminho da aldeia da Castanheira, na Serra da Freita em Arouca, onde as pedras brotam pedras e são conhecidas por parideiras, fica localizado o “Campo de dobras da Castanheira”, um dos geossítios mais interessantes do Arouca Geopark.

Arouca | Frecha da Mizarela - Uma das maiores cascatas de Aveiro

A Frecha da Mizarela foi esculpida na Serra da Freita em Arouca, perto da aldeia de Albergaria da Serra, onde o Rio Caima despeja brutalmente e destemido as águas no abismo.