O Ondas da Serra visitou o Cais do Puxadouro, na Ria de Aveiro, em Válega. Durante séculos, este foi o local de onde partiram produtos agrícolas, de pecuária, telha e caulino. O porto, com as embarcações de madeira que os transportavam, foi perdendo as suas funções originais e o local transformou-se em CENÁRIO. O Centro Náutico da Ria de Ovar surge com a missão de preservar a memória do Cais e de recuperar histórias que, de outra forma se perderiam.

Ondas da Serra foi resgatar um pouco das nossas raízes ao lugar do Monte – Paramos – Espinho. Perdido no meio das encostas de um vale, encontram-se as ruínas da Estação Arqueológica – Castro de Ovil.

O ONDAS DA SERRA marcou presença na 2.ª edição de "Paço del Rey", feira medieval que se realizou no passado fim de semana (30 de setembro e 1 de outubro), na Quinta da Cerciaz, situada no lugar de Figueiredo, Pinheiro da Bemposta, concelho de Oliveira de Azeméis.

192 dias em Moçambique traduzem-se em mais de 4000 fotografias, 50 vídeos e inúmeros momentos que nenhuma objetiva poderia captar. Baterias explodiram, passaportes roubados (e reencontrados), fronteiras cruzadas e cajus (demasiados) apreciados. Infelizmente, os espinafres não resistiram, acabando dizimados pelas mãos de uma senhora de porte frágil mas força, aparentemente, invejável.

"A história de Arouca é conhecida desde os tempos longínquos, devido há existência de alguns vestígios pré-históricos. A civilização romana também deixou a sua marca através de uma via romana que começava em Viseu e cruzava o concelho de Arouca rumo ao Porto. Nota-se a presença de populações de origem germânica, que resultam das invasões barbaras, devido à toponímia como exemplo os nomes Sá, Sarail, Alvarenga, Burgo, Escariz, Friães e Melareses.