Caminhada do Rio Cáster - Um percurso pelas suas margens em direção à foz na Ria de Aveiro Rio Cáster
terça, 18 abril 2017 09:04

Caminhada do Rio Cáster - Um percurso pelas suas margens em direção à foz na Ria de Aveiro Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Se visitar Ovar não deixe de passear pelas margens do Rio Cáster em direção à sua foz na Ria de Aveiro. Este curso de água que outrora se encontrava bastante poluído, nasce na freguesia de Sanfins, do concelho de Santa Maria da Feira e atravessa várias freguesias Feirenses e passa bem no centro da cidade vareira, desaguando na Ria de Aveiro, que tem o seu limite norte no Carregal.

Percurso Pedestre pelas margens do Rio Cáster em Ovar que desagua na Ria de Aveiro

Ondas da Serra aconselha os visitantes a deixarem o seu transporte no Cais da Ribeira, onde podem ver resquícios do grande comercio de sal que se fazia outrora e da intensa atividade envolvendo barcos moliceiros.

Uma caminhada cheia de história

Neste local até rainhas dormiram e desembarcaram, como foi o caso da Rainha D. Maria II a 23 de maio de 1852, em passagem régia por Ovar, acompanhada pelo Rei-Consorte D. Fernando II, do Príncipe Real, futuro Rei D. Pedro V e do Infante futuro Rei D. Luís I. Antes da inauguração no séc. XIX da linha do Norte as viagens e mercadorias circulavam pela ria, sendo este o porto de Ovar mais usado.

Depois de olharem com mais atenção para o "Cais da Ribeira", podem caminhar por uma pequena estrada em direção a sul, que a dada altura se transforma num caminho em terra batida e onde deveria ser proibido circularem automóveis, só deveria ser permitida a passagem aos veículos agrícolas.

Esta caminho tem um baixo grau de dificuldade, possuindo cerca de 4 km em rota linear, onde se podem ver bonitos prados, sendo ladeado pelo rio e pela ria, numa alegre companhia. Ao fundo se o tempo o permitir vêem-se as montanhas que inspiraram o nome do nosso projeto em quadros de grande beleza.

Por todo o lado se observam aves e até Flamingos, ver significa não incomodar e não perturbar desnecessariamente a fauna e flora local.

Galeria de fotos

 

UM POEMA VISUAL do jornalista Fernando Manuel Oliveira Pinto - Ribeira de Ovar - MÚSICA: Shostakovich (Piano Concerto N.º 2 in F major Op 102, Movement II Andante

Lida 1554 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.

Cabril Gerês o que visitar, natureza selvagem desconhecida

A freguesia de Cabril pertencente ao concelho de Montalegre, região de Trás-os-Montes, sendo ainda uma jóia resguardada do Parque Nacional Peneda-Gerês. Situada no interior profundo é descrita como selvagem pelos seus ilustres moradores, possuindo riquezas culturais, naturais e arquitectónicas que fascinam quem as contempla.

Para sentir Cabril falamos com um autarca, empresário e historiador locais, que demonstraram o seu empenho pelo seu desenvolvimento, defesa e promoção. Nós amantes das serranias e graníticos penedos, ficamos enamorados pela Surreira do Meio Dia e beleza desta região. Neste artigo esperamos que as pessoas despertem para a conhecer e a respeitem quando a visitarem.