Pág. 4 de 9

O nosso colaborador Fernando Manuel Oliveira Pinto é um vareiro apaixonado pela sua terra de Ovar e que se perde no seu mar e ria. O Fernando é jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Como amante das artes tem jeito para a escrita que se realiza na sua poesia e contos. O seu último livro de poemas “Mar e outros poemas” é para ser lido pelos amantes das forças da natureza que regem o homem tendo o mar como ritmo dos seus versos. A pintura é outra das suas paixões que usa para pincelar a vida da forma que lhe aprouver.

O PR2 de Albergaria-a-Velha denominado Rota dos três rios, tem inicio e fim no Centro de Atividades Radicais e Ambientais de Vilarinho de S. Roque. Como o próprio nome indica este trilho passar por três rios e por vezes o caminho acompanha as margens ribeirinhas por bastantes quilómetros, o que não deixa de ser agradável pela sua frescura, verde e todo o tipo de fauna e flora que se podem encontrar sendo um regalo para os amantes da fotografia.

No dia 30 de julho fomos a Albergaria-a-Velha calcorrear o PR1 – Rota do linho e o PR2 – Rota dos três rios. Apesar de termos chegado cedo as fotografias e conversas levaram que a parte final do PR2 tivesse que ficar para outro dia. Por outro lado não nos importamos porque essa parte do percurso com cerca de 4,1 quilómetros junto às margens do Rio Fílveda, requer tempo e contemplação.

No dia 17 de junho à tarde fomos ao Parque da Cidade de Lourosa, onde estivemos à conversa com Palmira Tavares que faz parte do Rancho Folclórico “Os Malmequeres de Lourosa” e integra dois projetos de Robertos, “Os Robertos vão à escola” e “Mãos que falam”.  Para quem não sabe os Robertos são aqueles fantoches com uma voz estridente e que faz lembrar uma cana rachada. Estava previsto assistirmos a um espetáculo com os bonecos, contudo o forte calor que se fazia sentir e sucessivos adiamentos inviabilizaram a nossa pretensão, mas não foi por isso que deixamos de falar com a mesma.

O dia 16 de junho acordou quente com o astro rei a brilhar no céu com todo o seu esplendor. Para aproveitar este magnifico tempo e a frescura das margens da ria de Aveiro, fomos de bicicleta observar a Natureza nos percursos da BioRia entre a Ponte Varela e Cais do Bico na Murtosa e Ribeira das Teixugueiras em Pardilhó.

A proliferação das grandes superfícies comerciais é uma das causas do desaparecimento das chamadas feiras tradicionais. A Feira de Espinho, que se realiza à 2.ª feira na Avenida 24, "já teve dias melhores", como alguns feirantes afirmaram ao "ONDAS DA SERRA".

Pág. 4 de 9