O CENÁRIO da Ria de Ovar, por Hélder Ventura Hélder Ventura - Presidente da Cenário - Cais do Puxadouro - Válega - Ovar
terça, 29 janeiro 2019 01:35

O CENÁRIO da Ria de Ovar, por Hélder Ventura

Classifique este item
(2 votos)

O Ondas da Serra visitou o Cais do Puxadouro, na Ria de Aveiro, em Válega, onde durante séculos, partiram embarcações carregadas de produtos agrícolas, pecuária, telha e caulino. O porto foi perdendo as suas funções originais e transformou-se num novo CENÁRIO. O Centro Náutico da Ria de Ovar surge com a missão de preservar a memória do Cais e de recuperar histórias que, de outra forma se perderiam.

Hélder Ventura - Presidente da Cenário - Cais do Puxadouro, Válega, OvarHélder Ventura - Presidente da CENÁRIO

Hélder Ventura é o presidente desta associação. Filho de um antigo fragateiro, embarcado em Lisboa, o arquiteto de formação considera-se um “curioso do mundo”. Nasceu em Válega e a ligação ao mar, e à ria, vem do berço. Vivenciou a pesca no Furadouro e a náutica de recreio do Areinho. Trata os barcos e a vela por tu.

Sob o ponto de vista urbanístico e arquitetónico, navegou até aos aglomerados urbanos e às culturas que decorrem dessa evolução. Tem uma relação especial com o território, sobretudo na componente estética que envolve a cultura náutica: “Fui tomado pela estética dos barcos”, revela.

A sua geração foi marcada por Jacques Cousteau, oficial da marinha francesa, cineasta, oceanógrafo e inventor conhecido pelas viagens de pesquisa a bordo do Calypso. Foi com estas viagens que se apaixonou pelo mundo submarino, pelo mergulho e pela oceanografia. Viveu alguns anos no Estado Unidos da América a lutar pelo sonho de ser oceanógrafo e trabalhou no Porto, uma cidade extraordinária pela sua relação com o rio.

O curso da vida levou-o, em 2004, em conjunto com um grupo de amigos, a criar a CENÁRIO. Este nascimento deveu-se a um sentido de oportunidade apurado. Em finais dos anos noventa, recuperou com um amigo um barco e, mais tarde, o edifício onde funciona a associação foi colocado à venda. A experiência de recuperar um barco, e que se repetiu com o “Vouga”, deram-lhe a motivação necessária para embarcar na aventura da CENÁRIO: “Cada barco tem uma história, uma função. A cultura náutica é uma janela que se abre sobre o mundo”, partilhou Hélder com o Ondas da Serra.

Os objetivos da CENÁRIO

A associação reúne perto de meia centena de sócios e tem como principais objetivos a identificação, estudo, desenvolvimento e promoção do património náutico. A importância inquestionável de Ovar no desenvolvimento dos desportos náuticos em meados do século XX acelerou a criação da CENÁRIO. O município litoral foi precursor no distrito de Aveiro na fundação de uma escola de vela e de um clube náutico e que se foram afirmando no panorama nacional, principalmente na náutica de recreio.

Os eventos da CENÁRIO

A CENÁRIO realiza anualmente três eventos, nomeadamente o seu aniversário em maio/junho, que tem sempre um convidado especial, um passeio de barco, um lanche com os sócios e amigos e uma regata aberta apenas a barcos de madeira.

Pontualmente, promove workshops e outras iniciativas de carpintaria naval, vela, acessórios de madeira e levantamento de barcos. Fazem ainda, em parceria com Associação Amigos do Cáster, um passeio pela natureza.

Os sócios promovem grandes convívios nas instalações em épocas especiais, nomeadamente da lampreia e dos chocos, aproveitando a pesca residual destes peixes para promover encontros informais entre amigos.

Para ser sócio da associação basta partilha dos objetivos da CENÁRIO e enviar o interesse através de email, telefonar ou comparecer no local.

As dificuldades da associação

Uma das dificuldades que a associação enfrenta é a falta de espaço, provocada pela chegada sucessiva de barcos em mau estado para recuperação.

A ria de Aveiro, com cerca de mil anos, está em permanente evolução, estando a perder qualidades em termos de navegabilidade. De acordo com Hélder Ventura, “Nos últimos quinze/vinte anos ouve mudanças drásticas neste sistema, não tanto provocadas pela natureza, mas pela ação humana”.

O progresso afastou os vareiros da ria, assim como as outras culturas que se estabeleceram em seu redor, que no passado dependiam dela para a pesca, apanha do moliço para agricultura e transporte. Como Ovar fica situado no topo Norte, tinha uma ligação privilegiada com o interior do Douro e Régua.

Hélder Ventura frisou que quando se fala em empreendedorismo, da economia do mar e dos apoios para que se desenvolva esta área, só funcionara de facto se houver sensibilidade para a cultura em matérias de mar, ria e território. Caso contrário as pessoas não se sentem informadas e estimuladas. Não é a legislação que leva as pessoas para estas áreas, é a sua vivência, cultura e memória: “Nesta estratégia cultural, os museus são fundamentais para dotar os portugueses de mecanismos para o desenvolvimento”, conclui.

Os sonhos da associação são promover a redescoberta da ria pelos vareiros: “A melhor forma de preservar o património é dar-lhe uma função, sem o descaracterizar em demasia”.

Hélder é assertivo: “O nosso sonho é que houvesse um espaço onde se pudesse cumprir os nossos objetivos e fosse utilizado em termos pedagógicos, até para a ligação das novas gerações ao território, à ria e ao mar.

Morada e contactos da CENÁRIO

Morada: CENÁRIO - Cais do Puxadouro - Rua dos Mercantes, Válega

Contactos: Telemóvel: 965 635 233 | email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

O restauro de um barco na CENÁRIO

 

Alguns momentos da CENÁRIO - fotos cedidas por esta associação

Lida 1269 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Ria de Aveiro-Associação dos Amigos da Ria e Barco Moliceiro

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.

Construção de moliceiros-Tudo o que você sempre quis saber

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para fazer nascer moliceiros, sendo estes artífices conhecidos por "Mestres do Machado".