Um destes dias fomos pedalar para Pardilhó e Murtosa e deixamos que o vento insuflasse as nossas velas e nos indicasse a navegação. Estas localidades são especiais porque sofrem a influência e absorvem a cultura da ria, muitos dos seus habitantes ainda são agricultores, pescadores e criam animais. Por todo o lado se encontram, vacas, cavalos, ovelhas ou burros a pastar.

A Ria de Aveiro possui uma riqueza incalculável em termos da preservação da biodiversidade, mas é necessário estarmos atentos e lutar pela sua conservação, sendo esse um dos objetivos do projeto BioRia do Município de Estarreja.

O Dia dos Moinhos comemorou-se no dia 07 de abril, tendo a autarquia da Mealhada como é habitual feito um programa muito rico e variado para o último fim-de-semana. No domingo dia 8, fomos acompanhar a caminhada que organizaram pela Rota dos Moinhos (PR1).

Antes de se ter abatido o dilúvio durante o mês de março, a nossa equipa teve ainda tempo de ir fazer a Macieira de Alcôba – Águeda, o PR4 - Trilho das “Terra de Granito”.

O trilho da ponte de ferro começa e acaba em Travassô – Águeda, devendo o seu nome à ponte ferroviária sobre os Rio Velho e Águeda, por onde ainda passa o velho “Vouguinha”, na linha que liga Aveiro a Sernada do Vouga. O traçado peculiar deste percurso, junto à via férrea, por baixo da ponte deixando adivinhar por cima a sua estrutura metálica, por caminhos alagadiços, alguns traiçoeiros, rios e ribeiros que cruzam por entre a vegetação, parecendo que conspiram para o enganar e precisando você de estar atento para cumprir a missão. Nós passamos contudo a pé a ponte de ferro, não o faça que é perigoso, atenção aos comboios, mas tivemos que fugir aos nossos "adversários".

Depois de nós últimos tempos termos feitos algumas caminhadas exploratórias, Ondas da Serra resolveu mudar de ares e ir pedalar para Águeda e Server do Vouga. Com base neste objetivo fomos conhecer a Ecopista do Vale do Vouga e vamos relatar aqui a nossa experiência e algumas sugestões que poderão ser úteis.