O rico e diferenciado artesanto de Oliveira de Azeméis Sacas de Tiras
sábado, 27 maio 2017 07:55

O rico e diferenciado artesanto de Oliveira de Azeméis

Classifique este item
(1 Vote)

A atividade artesanal é merecedora de destaque e deseja-se que o público reveja nela o seu passado, o seu presente e, preferencialmente, o seu futuro, uma vez que há a necessidade de perpetuar certas artes que se vêem cada vez mais esquecidas e que poderão estar condenadas.

Em Oliveira de Azeméis, o artesanato tem uma expressão significativa abrangendo diversas áreas

As sacas de tiras de Cucujães

As famosas e únicas sacas de tiras da Vila de Cucujães são confecionadas com tiras de feltro entrelaçadas numa forma de madeira, com a ajuda de um pica-pontas.

São colocadas talas, ou seja, ripas de madeira com asas de arame, e remata-se com uma apara de feltro. A matéria-prima é obtida nas fábricas de chapéus da região.

As ferramentas mais utilizadas são o pica-pontas, martelo, pregos, tesoura, agulhas e raspador (para cortar as tiras)

Cestaria

Esta arte contempla objectos de vime, palhinha, junco, entre outros.

São famosas as canastras, que são cestas longas e pouco altas, feitas de vime ou de fasquias de madeira entrelaçadas, outrora muito utilizadas para o transporte do famoso Pão de Ul – hoje em dia, o seu uso é mais decorativo.

Arte em madeira

São inúmeras as obras produzidas em madeira no nosso concelho, como é o caso de peças de arte sacra, de mobiliário antigo e miniaturas de objectos da vida real. Os trabalhos destes artesãos, sempre muito solicitados, são peças únicas e de rara beleza.

Tecelagem

Resultado de um processo de produção estritamente artesanal, os tecidos de lã ou de linho continuam a ser trabalhados por alguns artesãos do nosso concelho.

Artefactos de metal

Ferros forjados, latoaria e cobres são artefactos utilizados como elementos decorativos, seja na construção civil (no caso dos ferros forjados para varandas, portais, gradeamentos e fechaduras), seja para uso doméstico em decoração de interiores (no caso dos cobres para panelas, tachos, potes, jarros, entre outros). Também no nosso concelho são produzidos este tipo de artigos.

Artesanato urbano

Este tipo de artesanato é caracterizado pela produção de objetos diversos a partir de técnicas tradicionais em série limitada, plasticamente expressivos, aproximando-se à arte erudita, ou ainda pela produção de peças originais e únicas, fruto da vivência urbana dos artesãos.
São utilizados como matérias-primas o cobre, o vidro, o alumínio, o arame, a lousa, entre outros, dando origem a objectos de decoração, a bijuteria e muito mais.

Artes decorativas

A arte decorativa é uma arte adotada por diversos artesãos que se dividem entre os trabalhos em vitral, a pintura, a cerâmica, as miniaturas, os tridimensionais e outros objectos de decoração.
São utilizados os mais variados materiais, nomeadamente o gesso, a madeira, o vidro, cristais e estanhos.

Bordados e rendas

Estas peças são realizadas em panos alinhados, em linho, em estopa fina ou em lã, utilizando fio de algodão ou fio de lã.
São trabalhos muito solicitados pelos clientes, nomeadamente para enxovais e cerimónias.

Espantalhos

Os espantalhos, inicialmente oriundos de Macinhata da Seixa, provindos do passado agrícola e rural patente nesta freguesia, personificam todo o tipo de tarefas adjacentes às actividades oliveirenses, nomeadamente ao cultivo da cereja.
Atualmente, sob o título “Espanta”, são elaborados espantalhos para diferentes tipos de eventos, sendo uma marca característica do concelho de Oliveira de Azeméis que chegou a ser conhecida mundialmente.

A Associação de Artesãos das Terras de Santa Maria encontra-se sediada na Vila de Cucujães, na Rua Nossa Senhora da Conceição, n 139, para mais informações consulte: Associação de Artesãos das Terras de Santa Maria

Galeria de fotos

 

Texto e Fotos: CM Oliveira de Azeméis

Lida 761 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Pessoas e projetos empreendedores de Aveiro e Portugal

Há pessoas que nasceram com uma ambição, força e coragem que lhes permitem criar e desenvolver ideias que se traduzem muitas vezes em negócios de sucesso. Esta caraterística de empreendedorismo não é exclusiva de nenhum género, raça ou instrução, é uma maneira de ser. Ondas da Serra selecionou alguns exemplos de negócios que podem ser apontados como exemplo e dar força a quem pensa criar um negócio, ou já começou e enfrenta problemas e desafios que só podem ser vencidos com perseverança e resiliência. “O sucesso não é definitivo, a falha não é fatal. O que importa é a coragem de continuar.” Winston Churchill. As pessoas destes projetos associaram-se ao Ondas da Serra para juntos demonstrarmos que é possível ter uma atitude positiva na vida, não se darem à maledicência e contribuirem para a saúde da sociedade.   

A Forja do Mestre Cuteleiro Toni Pinho

Das mãos feridas por cortes, nascem no templo do Mestre, à força da têmpera e bigorna, facas, espadas, catanas e navalhas, que só um cuteleiro sabe forjar. O Ondas foi conhecer em Ovar, um raro homem de sabedoria ancestral, de nome António Santiago, que do bruto metal, imbuído de crenças orientais, faz peças únicas que intimidam só pelo olhar.

Maia & Andrade | Imobiliária de Gerações

O ‘Ondas da Serra’ visitou a imobiliária Maia & Andrade em Ovar para se inteirar um pouco deste mercado tão em voga e aquilo que tem para nos revelar, nomeadamente nesta área geográfica onde está inserida.