A libertação musical no novo disco dos Prana Prana: Miguel Lestre, Diogo Leite e Joao Ferreira
quinta, 26 outubro 2017 11:22

A libertação musical no novo disco dos Prana Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Foram duas vezes, por um período de cindo dias, para uma casa em Arouca e, sem pressas, compuseram a maioria dos temas que formam o terceiro disco. “Mulher ou Comandante” é o segundo single do trabalho com lançamento previsto para o início de 2018. Prevê-se muito rock, melodia e intervenção emocional.

Dezembro será o mês de apresentação do terceiro e último single antes da divulgação de um álbum mais cru e com a energia que os concertos dos Prana transmitem. Ainda por nomear, este novo trabalho é o primeiro feito a três.

Miguel Lestre, vocalista e baixista, Diogo Leite, baterista, e João Ferreira, guitarras e teclados, são os elementos do grupo sanjoanense e responsáveis por todo o processo criativo nos loucos Verão e Inverno de 2016.

 

Mudança no ambiente musical

“O retiro [com loucas jam sessions noite fora] foi uma forma de nos reencontramos musicalmente. Tocamos juntos há 11 anos mas quando a banda passa por uma mutação de som é preciso tempo e foi mais importante para isso, para nos encontrarmos novamente”, explica Miguel Lestre, letrista dos Prana.

O som da banda mudou desde 2014, ano de lançamento do segundo disco “O Amor e Outros Azares”. A paixão pela música, o rock, as letras em português e a maneira como tocam não mudaram. O que se alterou foi a sonoridade, o ambiente musical do grupo.

Miguel garante que “cantar em português faz parte da personalidade da banda” e por isso será “muito difícil um dia Prana cantar em inglês”, embora a tentação exista.

 

Intervenção emocional e política

Mais do que escrever letras com mensagens específicas, o vocalista dos Prana prefere dar espaço para a interpretação. “Mulher ou Comandante” fala de uma luta interna, quando percebes que te arrastas, que te tornas lento”, descreve. Só no videoclipe, divulgado este mês, a história aborda questões como o bullying, os maus-tratos e o suicídio.

“A história foi desenvolvida pela banda e pelo Ricardo Leite [realizador de ‘A Instalação do Medo’, baseado na obra homónima de Rui Zink] e fala emoções e histórias de vida”. O também baixista considera-se “vítima e influência” do que o rodeia, escrevendo sobre temas que fazem parte do dia-a-dia de todos. A colaboração com Ricardo Leite vai continuar, agora para o terceiro videoclipe.  

“Mulher ou Comandante” foi filmado nas cidades de Espinho, São João da Madeira e Porto, e contou com a colaboração de João Melo, ator reconhecido no circuito nacional de teatro, mas também com atores jovens, como Ana Príncipe. “A banda dá imenso valor aos videoclipes e neste álbum temos vindo a fazer mais. Não apreciamos obras audiovisuais em surgimos em grande destaque. Gostamos do conceito de história, com uma musicalidade própria e o Ricardo Leite faz isso muito bem”.

"Não Te Dás a Ninguém" foi o single de estreia num regresso mergulhado no rock e no pop alternativo. A inexistência de qualquer colaboração na produção do álbum e a espécie de retiro em Arouca resultam numa sonoridade genuína e líricas mais íntimas. O consumismo é o tema do terceiro tema e, ironicamente, será lançado em Dezembro.

Em 2008, o grupo lançava o primeiro EP “1”, seguido pelo primeiro álbum, em 2011, “Trapo Trapézio”. Três anos depois, em 2014, surgia o segundo trabalho, “O Amor e Outros Azares”. Agora, em 2017, surgem três singles de apresentação de um disco que já está pronto, embora ainda não tenha nome, e que será divulgado entre Janeiro e Fevereiro de 2018.

O gosto da banda pela música das palavras revela-se ao público de três em três anos, com a criatividade, a harmonia e a força das letras sempre presentes, com o concerto no Cineteatro António Lamoso, em Santa Maria da Feira, no dia 25 de Novembro, a prometer mais uma noite animada e com muito rock.

“Adoro o processo de composição, as jam sessions loucas madrugada fora. A gravação de som é altamente, em que estamos dias a respirar o projeto. Depois disto tudo, tocar ao vivo. Na primeira fase, é ver como é que o pessoal reage. Algum tempo depois, quando já o público conhece as músicas e reage, é brutal”, confessa o dono das letras que desde 2008 têm misturado rock dançante com pop melódico.  

A manter-se o ritual de apresentar novos trabalhos de originais de três em três anos, 2017 e 2018 são ideias para descobrir a libertação musical dos Prana, sem pensar no que virá em 2020.          

 

Prana - Não te dás a Ninguém

 

Prana - Mulher ou Comandante

Lida 675 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Intermarché de Ovar conta a história da cidade em azulejo português

Um supermercado já não é apenas um espaço comercial que vende produtos de consumo corrente. Oferecer cultura local em azulejaria portuguesa enquanto vai às compras é reconhecer que a experiência de cliente do século XXI não termina nas caixas registadoras. Por isso é que o Intermarché de Ovar lhe conta a história da cidade num projeto assinado por Marcos Muge.