Investigadores da História do Papel em congresso internacional Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira
quinta, 22 junho 2017 09:00

Investigadores da História do Papel em congresso internacional

Classifique este item
(0 votos)

Dias 28, 29 e 30 de junho | Investigadores da História do Papel de seis países em congresso internacional na Feira

A Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, em parceria com a Associación Hispánica de Historiadores del Papel, organiza o XII Congresso Internacional História do Papel na Península Ibérica, que vai realizar-se pela primeira vez em Portugal. O encontro terá lugar nos dias 28, 29 e 30 de junho, na Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira.

Investigadores da História do Papel de seis países em congresso internacional na FeiraO congresso é dirigido, fundamentalmente, a investigadores da História do Papel, arquivistas, bibliotecários, fabricantes de papel, conservadores e restauradores de papel, e a todos os interessados no estudo do papel nas suas mais diversas vertentes, contando com a participação de congressistas da Argentina, Áustria, Brasil, Dinamarca, Espanha e Portugal.

Dos vários temas em análise, destaque para a História do Papel em Portugal, a importância das marcas de água, o papel hispano-árabe, o papel ibérico na América Latina, a arqueologia industrial do papel e a conservação e restauro de papel.

Este é um encontro bienal, que se realiza desde 1995 em diferentes cidades de Espanha e que, nesta 12ª edição, ao alargar o seu âmbito geográfico e temático à Península Ibérica, escolheu Santa Maria da Feira como cidade organizadora.

A arte de fazer papel faz parte da identidade das Terras de Santa Maria desde o início do século XVIII, com a fundação, na freguesia de São Paio de Oleiros, da Real Fábrica de Papel da Lapa, pelo genovês José Maria Ottone. Desde então, e ao longo de sucessivas gerações, a Indústria do Papel criou raízes no território, proporcionando a sua industrialização com dezenas de fábricas espalhadas pelas diferentes freguesias do concelho. Uma indústria que, ao longo de mais de 300 anos, tem proporcionado riqueza e notoriedade e que, na atualidade, continua a ter um enorme significado económico, constituindo uma das indústrias de referência em Santa Maria da Feira. 

“É com muito orgulho que conservamos esta herança histórica num espaço privilegiado de preservação de memória chamado Museu do Papel Terras de Santa Maria, o primeiro museu dedicado à História da Indústria do Papel em Portugal, galardoado em 2012 pela Associação Portuguesa de Museologia com o prémio Melhor Museu do Ano, e que tem dado um valioso contributo para o estudo e a divulgação da História do Papel em Portugal, nomeadamente na área da investigação de Marcas de Água”, refere Emídio Sousa, presidente da Câmara de Santa Maria da Feira. “Este contexto histórico e museológico motivou-nos a acolher de imediato o convite que, há dois anos, nos foi endereçado pela Asociación Hispánica de Historiadores del Papel para realizarmos o XII Congresso Internacional História do Papel na Península Ibérica em Santa Maria da Feira”, recorda Emídio Sousa.

Durante o congresso serão atribuídos dois prémios: o VIII Prémio José Luís Asenjo para a comunicação considerada de maior interesse pelo júri; e o Prémio Percurso Profissional para a pessoa ou instituição com uma especial dedicação à História do Papel. Será ainda inaugurada, no dia 29 de junho, no Museu do Papel Terras de Santa Maria, em Paços de Brandão, a exposição itinerante “Filigranas, Las Huellas de Agua” da Real Casa de la Moneda de Madrid, que estará patente até 10 de setembro.

Para mais informações, contactar o Museu do Papel Terras de Santa Maria, através do telefone 256 370 850 ou e-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Modificado em quinta, 22 junho 2017 09:12

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

S. João da Madeira recebe II Encontro da Rede Portuguesa de Turismo Industrial

Encontro em S. João da Madeira, nos dias 5 e 6 de abril | Turismo industrial dá passos para formalizar rede nacional | Programa inclui apresentação da Norma Portuguesa da Qualidade do Turismo Industrial

Os promotores de programas de turismo industrial em Portugal estão a dar passos firmes no sentido de formalizarem a rede que já os une e que marcou encontro para o edifício da Torre da Oliva, em S. João da Madeira, nos dias 5 e 6 de abril.

Município de Ovar volta a marcar presença na BTL Azulejo, Pão-de-Ló e Procissões Quaresmais em destaque na edição de 2018

Depois do retumbante sucesso do ano passado, o Município de Ovar voltará a marcar presença, com stand próprio, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2018, que decorre entre 28 de fevereiro e 4 de março, em Lisboa. Em destaque estarão, como habitualmente, as marcas Ovar - Cidade Museu do Azulejo, o Pão-de-Ló de Ovar e o Património Arquitetónico e Religioso, introduzido por um elemento inovador - uma maquete do centro da cidade de Ovar, da autoria do artesão vareiro José Maria Costa, na qual pode ser visualizado o património arquitetónico, o património azulejar e o património religioso, que inclui uma das seculares procissões quaresmais.

S. João da Madeira fabrica réplicas de chapéu de Fernando Pessoa para exposição em Madrid

Oferta do programa de Turismo Industrial sanjoanense | Patente no Museu Rainha Sofia de 7 de fevereiro até 7 de maio

Sendo o chapéu um adereço indissociável da figura icónica do poeta Fernando Pessoa e sendo esse um dos produtos emblemáticos da cidade de S. João da Madeira, o Turismo de Portugal convidou este Município a associar-se à exposição PESSOA, patente no Museu Rainha Sofia, em Madrid, oferecendo 50 belíssimos chapéus de feltro, produzidos numa das empresas que fazem parte do programa de Turismo Industrial desenvolvido pela autarquia sanjoanense.