Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa Os Amigos da Tasca Centenária – Cabomonte | Da esqª para dtª, Vergílio Ferreira, Francisco Silva, Inês Gonçalves, António Silva, José Gonçalves, Manuel Leite e Eduardo Valente.
sábado, 21 setembro 2019 18:12

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Ondas da Serra foi assistir a um ensaio deste grupo em São Miguel de Souto e conhecer um pouco da sua história. Este conjunto nasceu em meados de junho de 2009, na Loja da Marçalina, uma tasca centenária, por entre bebidas, petiscos, música e cantorias como não podia deixar de ser. Os sons da viola, acordeon e cavaquinho, tocados à laia de brincadeira, depressa lhes fizeram nascer a paixão por este projeto. Estes homens são todos músicos autodidatas, que tocam de ouvido e que têm grande experiência na composição de ranchos folclóricos e associação culturais.

A sua inspiração musical veio da musica popular portuguesa e tem no seu elemento mais antigo, um poeta que faz essas recolhas e composições. Das dificuldades fazem força e por isso juntam-se em suas casas para ensaiarem, mas nem tudo foram rosas nestes nove anos de existência. Disseram-nos com muita mágoa que alguém explorando a sua boa fé na gravação de um disco se apropriaram do seu trabalho, porque deveram ter reconhecido a qualidade das suas músicas.

Brevemente esperam recuperar o primeiro disco com as suas músicas que foi desviado, intitulado “O Morangueiro” e fazerem um segundo trabalho.

O grupo é composto pelas pessoas a seguir mencionadas:

Inês Gonçalves, de São Miguel de Souto, é a vocalista do grupo. A sua voz melodiosa denota influencias do Minho e de Santo Tirso onde nasceu e empresta ao grupo de vozes masculinos o necessário equilíbrio e requintado timbre musical.

Eduardo Valente, de Ovar, apelidado pelos seus amigos de poeta, porque diz sempre ter tido jeito para a poesia e apesar dos seus 83 anos se lhe pedirem rapidamente recita de cor, quadras da sua autoria ou outras da sabedoria popular. Também toca a viola toeira, antigamente usada nas desfolhadas. 

José Gonçalves, (marido da cantadeira) de São Miguel de Souto, jardineiro e tocador de violão. Apesar de todo o grupo ter demonstrado o grande desapontamento pelo desvio do disco que fizeram, foi este homem que mais exteriorizou a sua indignação, mas também aquele com mais vontade para lutar pelos seus direitos. 

António Silva, de São João de Ovar, antigo auxiliar de educação, toca violão, concertina e faz coro. Este homem demonstra grande alegria por esta cultura e foi quem nos ajudou na reportagem na loja onde o grupo nasceu e na presença neste ensaio.

Francisco Silva, (irmão do António) de São João de Ovar, pintor de automóveis, tocador de acordeon e coro. Para si a melhor musica de Portugal é a popular por isso há cerca de quinze anos aprendeu a tocar este instrumento sem nenhum professor.

Manuel Leite, de Travanca – Santa Maria da Feira, carpinteiro, tocador de cavaquinho e com grande fê que o grupo continue o caminho do sucesso.

Vergílio Ferreira, de São Miguel de Souto, antigo operário da construção civil, tocador de castanholas e bombo.

Nas conversas que tivemos na Loja da Marçalina, com os seus clientes e os Amigos da Tasca Centenária, vêm sempre à baila as palavras família, amigos e convívio, que pena estes lugares estarem a morrer. Quando os velhos donos da tasca partirem, terão nestes amigos a lembrança deste centenário espaço, do nosso povo e das nossas tradições.

Quem estiver interessado em contratar este grupo poderá telefonar para o José Gonçalves 918 702 475 ou António Silva 966 030 712.

Leia também: A Loja Centenária da MarçalinaAlmisouto | Uma associação em comunhão com a natureza

 

 

 

Lida 633 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Intermarché de Ovar conta a história da cidade em azulejo português

Um supermercado já não é apenas um espaço comercial que vende produtos de consumo corrente. Oferecer cultura local em azulejaria portuguesa enquanto vai às compras é reconhecer que a experiência de cliente do século XXI não termina nas caixas registadoras. Por isso é que o Intermarché de Ovar lhe conta a história da cidade num projeto assinado por Marcos Muge.

Solange Duarte: “Como não amar ser vareira de gema?”

Solange Duarte nasceu a 16 de janeiro de 1990, na cidade de Ovar, e ama “toda a história e magia que a cidade tem”. Falamos com D. Sol, a Irradiante, rainha do Carnaval de Ovar de 2019 e vareira de gema, sobre uma das maiores festas do concelho e os projetos para o futuro.

Faça Login para postar comentários