Ricardo Vieira: “A música é um caminho infinito” Ricardo Vieira
quinta, 29 março 2018 21:42

Ricardo Vieira: “A música é um caminho infinito” Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Ricardo Vieira imortaliza os compositores e as suas criações a cada concerto. O pianista nasceu em Santa Maria da Feira há 33 anos e hoje conquista plateias em todo o mundo. Dezassete anos depois do primeiro concerto com orquestra, no Teatro São Luiz, em Lisboa, garante que nunca vai com “receio para cima do palco”.

Foi para a Academia de Música, no concelho de Santa Maria da Feira, por iniciativa da avó. Estuda música desde os nove anos e continua com dezenas de projetos por cumprir.

Um piano de madeira da mãe foi o brinquedo favorito da sua infância. A 5.ª Sinfonia de Beethoven pela Orquestra Filarmónica de Berlim dirigida por Karajan tornou-se a sua música de eleição com apenas cinco anos. O amor pelo piano passou de uma brincadeira para profissionalismo num ápice.

 Leia também: A escola que mudou o ensino da música em Portugal

Ricardo vive em Paris há vários anos, onde também trabalha em escolas favorecidas. Tem sobretudo saudades da “família e dos amigos” e não esquece “o contraste com que flutua a cidade [Santa Maria da Feira], entre a calma natural da cidade e o dinamismo cultural e noturno”, e que adora.

A digressão na China com o duo Musicorba já terminou. Ricardo Vieira e o japonês Tomohiro Hatta fizeram 18 concertos em 23 dias. “Percorremos milhares de quilómetros, apanhamos sete aviões, vários barcos, comboios e perdemos a conta às viagens de carro”, explica. Apesar do cansaço, o balanço é muito positivo: “Levar a nossa musica a público tão longe é de uma satisfação enorme. Os aplausos foram imensos. Várias obras ‘interrompidas’ por aplausos.  Não podíamos estar mais gratos”.

China recebeu o duo depois de países como Índia, Estados Unidos, Chipre, Turquia e França. O país asiático poderá voltar a receber mais duas digressões em 2019 e em 2020. A digressão de 2018 teve “muitos clássicos, alguma musica portuguesa e chinesa”.

O sucesso do duo Musicorba, segundo o pianista português, tem como base “a simbiose que é notada pelos demais nas performances”. “É a nossa cumplicidade musical, aliada a um domínio instrumental elevado, que tem captado as atenções pelo mundo fora”, refere.

A colaboração entre os artistas surgiu em 2009, no âmbito das comemorações dos 150 anos do Tratado de Amizade Paz e Comércio entre Portugal e o Japão. Partilham o piano, o palco e as mensagens dos artistas que tocam há nove anos.

Mozart, Beethoven, Samson François, Herman Hesse e Fernando Pessoa são algumas das influências do pianista. “São homens de uma linguagem ímpar e que me falam muito”, explica. “Herman José e Rita Ferro não são pianistas e são enormes referências para mim”, conclui.

A diversidade de referência tem um motivo simples: “A minha vida vai muito para além do piano, e é isso que tento transmitir a cada nota que toco. Por essa mesma razão quem me inspira não pode ser somente pianista”.

O regresso a Santa Maria da Feira pode acontecer ainda no final de 2018, mas “ainda não está confirmado”. Enquanto os palcos da cidade berço do pianista português aguardam, Ricardo Vieira conquista o mundo a cada concerto.

“A música é um caminho infinito” num destino que soube muito cedo a sua vocação e Santa Maria da Feira fará sempre parte das paragens obrigatórias de Ricardo Vieira.

 

Vídeo

 

Lida 591 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Intermarché de Ovar conta a história da cidade em azulejo português

Um supermercado já não é apenas um espaço comercial que vende produtos de consumo corrente. Oferecer cultura local em azulejaria portuguesa enquanto vai às compras é reconhecer que a experiência de cliente do século XXI não termina nas caixas registadoras. Por isso é que o Intermarché de Ovar lhe conta a história da cidade num projeto assinado por Marcos Muge.

Faça Login para postar comentários