terça, 06 fevereiro 2018 20:21

A viagem sem mapa pelo universo dos blues

Classifique este item
(1 Vote)

A viagem nasce na região de delta do Mississípi, com paragem obrigatória em Memphis, e amadurece à medida que se próxima do seu destino: Chicago. Percorre uma difícil estrada de confissões, conta histórias e vive cada emoção, sem tretas. Os Delta Blues Riders têm palmilhado Portugal a tocar para as pessoas. O concerto de amanhã no cineteatro António Lamoso será costurado à medida de cada uma destas vidas. Mais uma vez, sem tretas.

Os Delta Blues Riders reinterpretam as sonoridades do Delta Blues, um dos primeiros estilos de blues, em cada uma das versões que fazem de clássicos eternizados por artistas como B.B. King, Slam Allen, Chris Bell, Connie Lush, Zakiya Hooker e Mable John.

Paulo Veloso, Jorge Loura, Ricardo Melo e Miguel Pardal bombeiam a plateia com a experiência de quem viveu amores, perdeu-se em paixões, desgraçou-se no jogo, e continua com muito para partilhar. “Os blues falam sobre tudo: impostos, trabalho, relações, amor, dinheiro e outros problemas que as pessoas têm e com os quais se identificam. Essencialmente o blues fala sobre a vida.”, explica Paulo Veloso ao Ondas da Serra.

É uma viagem intensa e sem mapa pelo universo do blues, como quem se encosta ao balcão a desabafar com o barman. A rendição move-se entre o gospel ao som do órgão Hammond, nos blues de uma harmónica perdida no deserto, na simplicidade de uma guitarra slide. Amanhã, a partir das 22horas, ouvir-se-ão os latidos dos coiotes errantes no espaço Foyer do cineteatro António Lamoso, em Santa Maria da Feira.

Originários da cidade do Porto, a aventura dos Delta Blues Riders começou em 2014. Os quatro músicos têm reinventado as sonoridades que originaram os blues (Mississippi) até aos nossos dias e Paulo Veloso promete um álbum ainda para 2018. Também para este ano está previsto o acompanhamento dos dois concertos em Portugal da cantora norte-americana Pat "Mother Blues" Cohen.

O café-concerto será marcado por uma forte interação com o público, convidado a entrar nos diálogos entre a guitarra, o piano, a harmónica e o resonator, Paulo é a voz da banda mas também o narrador responsável por apresentar as músicas ao público. “O concerto é muito dinâmico. Nunca para”, reitera.

“Save your mind” será um dos singles do novo álbum mas que ainda não faz parte dos concertos dos Delta Blues Riders. “É frequente perdermos demasiado tempo com o que não tem interesse e descuramos a família e os amigos. Este tema é sobre isso.”. Paul acrescenta que a banda está “a trabalhar noutros temas, desde a viagem da vida, em que muitas vezes nos preocupamos com as metas e esquecemos de viver o caminho”.

Leia também: O Toque

“As músicas que tocamos num concerto são muitas vezes definidas ao longo do próprio concerto, dependendo do público e do ambiente que se cria.” A vontade envolver o público em cada palavra leva a que Paulo revele a vontade de num futuro próximo escrever e cantar temas de blues em português. Por agora, o chapéu de cowboy está a postos, o palco aguarda e os diálogos começam. A viagem começou.

Paulo Veloso – Voz, piano, guitarra, dobro e harmónica.

Jorge Loura – Guitarra.

Ricardo Melo– Baixo.

Miguel Pardal – Bateria.

Lida 393 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Intermarché de Ovar conta a história da cidade em azulejo português

Um supermercado já não é apenas um espaço comercial que vende produtos de consumo corrente. Oferecer cultura local em azulejaria portuguesa enquanto vai às compras é reconhecer que a experiência de cliente do século XXI não termina nas caixas registadoras. Por isso é que o Intermarché de Ovar lhe conta a história da cidade num projeto assinado por Marcos Muge.

Faça Login para postar comentários