Pág. 4 de 7

Conhecer (39)

Conhecer

Santa Maria da Feira é um dos maiores concelhos do país, conhecido pela sua grande atividade industrial em que a transformação da cortiça ocupa o lugar principal. Nos últimos anos a sua faceta tem vindo a mudar com eventos turísticos e culturais que já ultrapassam as suas fronteiras, destacando-se a Feira Medieval e o Imaginarius. Recentemente a autarquia assumiu a gestão do Europarque vislumbrando-se uma nova vida para este recinto. Terra de tradições, conhecida pelas fogaças, protegida pelo seu padroeiro São Sebastião e guardada pelo Castelo, encara com otimismo este milénio e projeta-se como terra onde o antigo se funde com o futuro.  

Coprodução estreia em Portugal e Espanha | Maior festival de rua espanhol é referência europeia na criação contemporânea

Em maio próximo, estreia no Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira uma coprodução Imaginarius – FiraTàrrega, que será destaque no maior festival de rua espanhol, considerado a referência europeia na criação artística contemporânea. Do trabalho conjunto de seis artistas portugueses e catalães nasce “Ferida”, uma cocriação inspirada nas feridas da memória de cada um, intimamente ligadas à história dos dois países.

Projeto de cocriação artística para o festival Imaginarius

Duas turmas de Artes de escolas do concelho de Santa Maria da Feira integram um projeto de cocriação artística e de reflexão social com estreia marcada para o festival Imaginarius. “Manifesto” tem como ponto de partida a performance “Cegos”, da companhia brasileira Desvio Coletivo, e tem a curadoria do jovem artista feirense Guilherme Henriques.

Espaço dedicado à História e ao Património, tem o propósito de salvaguarda, valorização e divulgação dos testemunhos e memórias da herança histórica e cultural do concelho e da região, promovendo diversas atividades de manifesto interesse ao entendimento da diversidade cultural e regional e também nacional. Apresenta na exposição permanente núcleos de Arqueologia, História e Etnografia, onde explica a origem do Homem, a evolução e o desenvolvimento de um vasto território administrativo que outrora se designava por Terra de Santa Maria.

Manuel Faria Plácido Resende. Nasceu em 1930, no Lugar dos Moinhos, freguesia de Sanfins, Santa Maria da Feira. Feirense há 86 anos, o “Senhor Plácido” assim como é conhecido na terra, apresenta uma lucidez indescritível no seu discurso. As suas memórias e vivências, quando contadas na primeira pessoa, são como uma fotografia real de todo o seu percurso. Ouvir as histórias é sinónimo de mergulhar no passado desta personalidade que se mistura inexplicavelmente com a realidade da ancestral e saudosa “Vila da Feira”. Fotografia, pintura e música são as suas principais paixões e traduzem a eloquência das suas palavras quando atrás de si já ultrapassou toda uma vida.

A 20 de Janeiro de 1949, Filomena Reis recitava 9 quadras da autoria de um feirense cujo mérito era já reconhecido, Domingo Trincão. Uma homenagem prestada pela sua sobrinha e que o Ondas da Serra recupera 68 anos depois.

Uma profissão de emoções mas que já não existe no século XXI. Coveiro, ou assistente operacional como atualmente se assume, é aquele que abre covas para cadáveres. Mas, hoje, é também aquele que reconforta pessoas todos os dias e garante um cemitério cuidado e seguro.

Pág. 4 de 7