quarta, 11 janeiro 2017 18:51

Festa das Fogaceiras: o pão doce como símbolo de devoção Destaque

Classifique este item
(0 votos)

A má sorte e as catástrofes naturais levaram o povo de Santa Maria da Feira a pedir proteção ao Mártir S. Sebastião. Em troca, uma procissão e a oferta de um pão doce e delgado – a fogaça – em cada dia 20 de Janeiro. Mais de 510 anos depois, a Festa das Fogaceiras impõe-se como a mais antiga e simbólica festividade religiosa do concelho.

Confecionado apenas para ocasiões especiais, a fogaça é a protagonista das festividades que se prolongam ao longo do mês de Janeiro e símbolo de união. Referido em vários documentos medievais, este pão doce não simboliza apenas as quatro torres do castelo da Feira, mas afirmou-se enquanto voto sagrado dedicado ao Mártir S. Sebastião, dando origem ao nome da maior festa religiosa centenária realizada neste Município – a Festa das Fogaceiras.

Peças de teatro, concertos e exposições de arte nos 31 dias de Janeiro preparam as comunidades santamarianas para o epítome das celebrações: a tradicional procissão das fogaceiras, a 20 de Janeiro. Pelas 15h30, o centro do concelho torna-se palco da celebração de uma tradição secular com 512 anos de história. A Festa das Fogaceiras também é celebrada na Venezuela, Brasil e África do Sul pelas comunidades portuguesas.

Para aceder ao programa completo da Festa das Fogaceiras, aceda ao website da Câmara Municipal da Feira aqui.

 

 

Lida 779 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Parta de bicicleta do Porto à descoberta de Vila do Conde

No ano da graça de 2021, partimos numa epopeia de bicicleta na demanda duma nau, que começou em Vila Nova de Gaia, navegando junto à costa atlântica do litoral norte do Porto, Matosinhos e Vila do Conde. Fomos à descoberta destas terras desconhecidos e ficamos maravilhados com os seu encanto histórico, patrimonial, ambiental e religioso, que vamos partilhar com o nosso reino.

Ria de Aveiro-Associação dos Amigos da Ria e Barco Moliceiro

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.

O que todos deveriam conhecer em São João do Campo - Gerês

O Ondas da Serra foi conhecer a aldeia de São João do Campo - Campo do Gerês - Terras de Bouro – Braga, situada em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês. Neste artigo vamos dar a conhecer esta aldeia, a Albufeira de Vilarinho da Furna, os percursos pedestres da Geira Romana e da Águia do Sarilhão e uma VÍBORA que nos assustou.