Rio Paiva Rio Paiva
quarta, 28 dezembro 2016 11:20

Rio Paiva

Classifique este item
(0 votos)

"O Rio Paiva nasce na Serra da Nave em Moimenta da Beira e desagua no Rio Douro em Castelo de Paiva. Tendo uma extensão de 111 km e uma área da bacia de 77km2 é considerado o rio menos poluído da Europa, por isso ainda é o local de desova da truta. O Rio Frades e o Rio Paivô são os principais afluentes. Este rio na sua extensão abrange dez concelhos (Moimenta da Beira, Sernancelhe, Sátão, Vila Nova de Paiva, Viseu, Castro Daire, São Pedro do Sul, Arouca, Cinfães e Castelo de Paiva) entre as Serras de Leomil, Freita e Montemuro.

Pegadas de raposa com criasO vale do Rio Paiva divide-se em duas partes. A Região do Alto Paiva (de Moimenta da Beira a Vila Nova de Paiva) distingue-se pelo planalto formado por bosques de carvalhos e castanheiros. A partir do Baixo Paiva (entre Castro Daire até à foz), o rio ganha força e aparecem os famosos rápidos por uma zona montanhosa e de grandes desfiladeiros que o tornam inacessível em grande parte do percurso.

O seu percurso de água corre num vale com vertentes de declive suave, prevalecendo os matos, campos agrícolas e prados. Assim, no troço médio, o rio encaixa-se com matos e manchas de pinheiro, enquanto que nas margens revezam troços rochosos com afloramentos, bancos de pedras e troços com margens de terra, exibindo uma vegetação ripícola bem conservada e desenvolvida.

Leia também: De bicicleta por rios, aldeias e florestas de Castelo de Paiva e Alvarenga

A vegetação ripícola existente ao longo do Rio Paiva são espécies como amieiros, salgueiros, borrazeira branca, borrazeira preta e freixo. Em relativo bom estado de conservação. Também, é frequente encontrar outra espécie, carvalho alvarinho fragmentados. As acácias e os eucaliptos também constituem uma ameaça.

Há muito tempo que é justo a fomentação de uma área protegida devido aos aspetos faunísticos, florísticos, geológicos, paisagísticos, arquitetónicos, etnográficos e recursos naturais.

O rio mas também a sua bacia agrega condições naturais de enorme qualidade bem como expressivos valores sócio-culturais (SOS Rio Paiva, 2013)."

Foto: Pegadas de animal com crias nas margens do Rio Paiva, foto Ondas da Serra em 01-11-2016, no âmbito do trabalho "De Vila Cova a Espiunca".

Fonte: Silva, M. F. O turismo aventura no Rio Paiva e o turismo rural em Arouca (Tese de Mestrado). Disponível na RIA - repositório Institucional da Universidade de Aveiro. (Uhttp://hdl.handle.net/10773/12393)

 

Lida 772 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Entre Ambos-os-Rios | Uma península fluvial

Localizada no concelho de Ponte da Barca, a freguesia de Entre Ambos-os-Rios, não é uma jangada de pedra, embora a sua península formada pelos rios Lima, Tamente e Froufe pareça ter uma grande vontade de ir conhecer o oceano atlântico lá para os lados de Viana do Castelo.

Pedras Boroas do Junqueiro | As côdeas do povo

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, rochas dobradas com milhares de anos, pedras que dão à luz ou são pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos resolverem tomar forma de boroas para enganar o engenho humano.

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.