Mansores terra fértil de levadas Mandores
quinta, 02 maio 2019 13:18

Mansores terra fértil de levadas Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

A caminho de Arouca já passamos inúmeras vezes por Mansores, mas nunca paramos nesta terra. Desta vez a pretexto de fazermos o PR11 - trilho das levadas, subimos à Nª Srª do Rosário, no lugar da Vila, onde contemplamos os vales e montanhas que se estendiam em redor.

Levada de MansoresEste percurso é recente, está bem assinalado e permiti-nos embrenhar-nos nos seus campos, vales, terras e gentes, acompanhando as levadas e vendo os agricultores a trabalhar afincadamente nas suas terras, alheios aos forasteiros que passam. Pelo caminho lá fomos trauteando com alguns, como foi o caso da Fernanda de Almeida e sobrinha Sónia Almeida, no lugar de Campo do Rio, que andavam a cortar as sementes do azevém galego, para voltar a lançá-las à terra lá para outubro.

Ali próximo foi erguida a Igreja de Santa Cristina, que ocupa o lugar de destaque no templo. Aqui também se encontra a Santa Quitéria, que apesar de estar num local mais discreto, tem a sua festa no primeiro domingo de junho. 

Este é o tipo de percurso que nos agrada, é muito rico, passa por aldeias, estradas e caminhos rurais em terra batida, ladeando rios, campos e levadas. O silêncio é recortado pelo cantar dos pássaros, rios, riachos, fontes ou homens a roçar. Mas nem só o homem labuta, encontramos uma grande colónia de formigas muito atarefadas, à volta do seu montículo, paramos para observar por alguns minutos estes seres onde o bem comum é superior aos interesses individuais.  

A ribeiro da Barrosa, é uma zona idílica, apinhada de castanheiros, carvalhos e amieiros, diversos açudes, uma dezena de moinhos e vários socalcos. Foram construídas pontes e escadas em madeira para ajudar o caminhante na sua aventura e mesas para retemperar as suas forças. Não fomos daqui sem mergulhar nas suas gélidas águas, num batismo que já é habitual.

A parte mais rica do trilho é junto deste rio, que alimentava em tempos os agora decrépitos moinhos e a levada que matava a sede aos campos. Passamos junto à Capela de Santo António e fomos descansar na esplanada da Loja do Ângelo, onde estivemos à conversa com um casal de idosos, Mário e Maria Almeida e o amigo Oliveira Manuel. Contaram-nos histórias da sua vida, dos trabalhos passados, das dificuldades e dos filhos que cresceram e se fizeram homens, mulheres e lhes deram netos. Por estes lados o ciclo da natureza ainda acompanha a vida dos homens.

No lugar da Estrada, paramos a contemplar um soberbo sobreiro, que cumprimentamos e admiramos a sua grandeza, que nunca nos deixa indiferentes. Pelo caminho encontramos umas amistosas ovelhas num quintal a quem demos alguns ramos de videiras.

Paramos algumas vezes para saborear os aromas das giestas e carqueja, que depois de seca dá para fazer chã.

Mais histórias havia para contar, mas convidamos os nossos leitores a descobrir o resto e vivenciarem as suas próprias experiências. Nestes onze quilómetros o tempo alongou-se, provando que a teoria da relatividade de Einstein está correta, já que entramos pela aurora e num raio de luz, fomos absorvidos pelo crepúsculo. Chegados a casa, fomos dormir e sonhamos que os moinhos que encontramos degradados foram recuperados.

Leia também: Percursos pedestres em Aveiro

Mais informações sobre o trilho: Arouca Geopark

 

 

 

Romária à Santa Quitéria - Mansores

 

Lida 689 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

O regresso a Santiago de Compostela

MAY WE MEET AGAIN, foi desta forma que terminamos o artigo da nossa primeira viagem pelo caminho central português, para Santiago de Compostela. Ficamos, contudo, com a sensação que não tínhamos completado a nossa missão, por isso passados cerca de dois meses regressamos para terminar a demanda.

Bom caminho - Buen camino

Bom caminho - Buen camino, são os votos que mais se ouvem no Caminho Português para Santiago de Compostela, onde reza a história que está sepultado o Apostolo Bíblico Santiago. Cumprindo uma demanda interior, nós fomos de bicicleta pelos “caminos” de Portugal e de Galiza, com um sentimento religioso de Ibéricos povos que somos.

São João de Fontoura na Rota dos Cerejais

Os vastos horizontes que se têm aberto ao Ondas da Serra levaram-nos para fora de Aveiro para ver outras maravilhas do nosso país, desta vez fomos até São João da Fontoura em Resende, para degustarmos a sua Rota dos Cerejais.

Faça Login para postar comentários