PR14 – Aldeia Mágica de Drave em xisto desabitada PR 14 - Aldeia Mágica de Drave Ondas da Serra
quarta, 31 agosto 2016 21:50

PR14 – Aldeia Mágica de Drave em xisto desabitada Destaque

Classifique este item
(3 votos)

O PR14 – Aldeia Mágica, é um percurso pedestre que o leva até Drave, no concelho de Arouca. Esta terra foi plantada no meio das Serras da Freita, São Macário e Arada. Este local é caracterizado pelas suas casas em pedra conhecida por lousinha e telhados em xisto. Chegar a este local não é fácil e necessita de partir de Regoufe. Esta aldeia desabitada e abandonada anda a ser recuperada lentamente por escuteiros. O seu carácter mítico só é entendido quando ela surge ao fundo do trilho e se aproxima com toda a sua grandeza.

Percurso pedestre PR14 – Aldeia Mágica de Drave1

PR14 – Aldeia Mágica de Drave

"Drave é a verdadeira «aldeia mágica», e a única forma de chegar até lá é, precisamente, através deste percurso. Aparentemente perdida na montanha, sem habitantes, atravessada pela ribeira de Palhais, tudo aqui se aproxima do estado puro e intocável. O percurso começa em Regoufe, cujas histórias vai querer desvendar."

Ficha técnica do percurso pedestre PR14 – Aldeia Mágica de Drave1

  • Ponto de partida Capela de Regoufe;
  • Ponto de chegada: Drave;
  • Distância: 4,00 km;
  • Grau dificuldade: Baixo;
  • Duração: 3,00 h;
  • Altitude máxima: 720 m;
  • Altitude mínima: 600 m;
  • Época aconselhada: Todo o ano;

Pontos de interesse do percurso pedestre PR14 – Aldeia Mágica de Drave1

PR14 – Aldeia Mágica de Drave

  • Geossítios: G22 – Complexo mineiro da Poça da Cadela (Regoufe);

  • Aldeia de Regoufe;

  • Aldeia de Drave;
  • Drave, “Solar dos Martins”;

  • Ribeira de Palhais;

  • Serras da Freita, São Macário e Arada;

Como chegar ao percurso pedestre PR14 – Aldeia Mágica de Drave

As pessoas que pretendam fazer este percurso pedestre PR 14 – Aldeia Mágica, devem ir preparadas para a partir de Arouca fazerem bastantes quilómetros serpenteando as serras até à aldeia de Regoufe. Este é um percurso linear que começa e termina nesta aldeia e tem cerca de 4,5 quilómetros em cada direção. Pelo que conhecemos não há outra forma de fazer esta caminhada, embora existe um outro acesso por São Pedro do Sul, para quem tiver um veículo todo o terreno.

Aqui também é o ponto de partida o percurso para Covêlo de Paivó (PR13 - Na senda do Paivó). Esta caminhada também é muito interessante e há locais que não são propícios para quem tenha vertigens, pela grande profundidade que o vale alcança. Por vezes o caminho parece subir em direção ao firmamento e o chão ir desaparecer a qualquer momento. Não se admire ter de ceder a passagem algum rebanho que encontre e não ver o seu pastor ou cão guardador.

Regoufe e as minas de volfrâmio

Refoufe também é bonita para ser visitada, com o seu casario em pedra, construído em cascata virada para o vale. Na pequena fértil planície entre as vertentes das serras, passa um riacho, onde laboram alguns já maduros agricultores e criadores de gado da raça arouquesa, com alguma sorte poderá encontrá-los nas atividades diárias e algum praguejar consigo por estar a afugentar as ovelhas, ou receber o olhar curioso do gado ou ser recebido pelo ladrar dos cães pastores que por vezes assustam os caminhantes, já fomos incomodados, nunca mordidos, mas são sempre necessários cuidados.

Em outros tempos aqui existia uma grande exploração de volfrâmio, agora restam as minas que podem ser visitadas, mas não se aventure no interior que é perigoso.

O caminho para o percurso pedestre PR14 – Aldeia Mágica de Drave

PR14 – Aldeia Mágica de Drave

O caminho para Drave é mágico, assim como a aldeia, não tem muita vegetação, o céu é recortado pelas várias cordilheiras montanhosas que a cercam. Por vezes baixe o olhar para os socalcos abertos nos empedrados das rochas, fruto de centenas de anos de passagem das rodas dos carros dos bois, ou da força dos homens, com grandes esforços para retirar da terra o seu sustento e da família.

Esta aldeia não é habitada, muitas das suas casas estão em ruínas, mas tem sido feito um esforço por parte de escuteiros que ali têm uma sede, para as preservar.

A queda de água de Drave

PR14 – Aldeia Mágica de Drave - Queda de água

Drave possui um riacho e várias pequenas quedas de água, duas pontes, sendo uma pedra e outra em madeira e um antigo moinho em ruínas. Uma das quedas de água, forma um pequeno lago, muito paradisíaco e aproveitado durante o Verão para muitos jovens se banharem.

Recomenda-se que este percurso seja feito durante a primavera onde os vales de acesso à aldeia estão cheios de topo o tipo de flores e poderá colher-se carqueja para fazer chá, ou no verão para poder tomar banho nos seus lagos. 

História de Regoufe1

PR14 – Aldeia Mágica de Drave - Regoufe

"Desde o início do séc. XX que os «Manifestos de Minas» declararam numerosas áreas de interesse metalífero na região de Regoufe, e a 9 de janeiro de 1915 é concedido o alvará de exploração, para a designada «Mina de Regoufe» ou «Poça da Cadela» ao cidadão francês Gustave Thomas. O jazigo de W-Sn de Regoufe situa-se no bordo sudeste do plutonito granítico homónimo, onde a volframite é a mineralização mais frequente, apesar da ocorrência de alguma cassiterite.

Ocorrem ainda alguns sulfuretos, como a arsenopirite, a esfarelite e a pirite, bem como, outros minerais de menor relevância como a bismutite, limonite, escorodite, autunite e bindheimite. Entre os minerais silicatados que suportam a mineralização destaca-se o quartzo, seguido de alguma moscovite, berilo e apatite.

No ano de 1941, foi constituída a principal empresa de exploração de W-Sn em Regoufe, a Companhia Portuguesa de Minas, que funcionou essencialmente com capitais e administração britânicos. Ficou conhecida como a «Companhia Inglesa» e a ela se deve importantes melhoramentos na região, como a abertura de estrada a partir da Ponte de Telhe, a instalação de eletricidade e telefone nas minas.

Contudo, os menores investimentos efetuados pela «Companhia Inglesa» comparativamente à «Companhia Alemã» ficaram a dever-se ao facto de os ingleses explorarem o volfrâmio não por necessidade direta da matéria-prima mas para bloquearem o acesso dos alemães à mesma.

A mina da «Poça da Cadela» possui uma área de exploração de W-Sn de cerca de 57 ha e integra tanto as instalações técnicas e administrativas, como as residências e diversas entradas de galerias. Foi a concessão mais rentável da área mineira de Regoufe, que se encontra «imortalizada» por múltiplas galerias e escombreiras espalhadas por toda esta região.

Este pólo mineiro encontra-se bem demarcado espacialmente da aldeia agrícola tradicional homónima, da qual dista poucas centenas de metros. As ruínas monocromáticas de granito surpreendem pelo estado de abandono e destruição, conferindo a este local um estranho sossego, apenas entrecortado pelo vento e por um ou outro rebanho de cabras, que por vezes agitam as encostas e espantam o silêncio.

O núcleo do complexo mineiro, onde as construções curiosamente alternam com as bocas de diversas minas, encontra-se disposto em anfiteatro à volta de uma área relativamente plana por onde correm uma pequenas linhas de água que drenam as galerias. Do lado Norte e Nordeste, concentram-se as instalações técnicas e administrativas, destacando-se o edifício de dois andares onde funcionaram os escritórios, o qual dominava uma espécie de largo ou de praceta superior, envolvido por diversas construções espalhadas pela encosta e destinadas a oficinas, central elétrica, armazéns, entre outras.

As instalações da lavaria, sucessão de tanques e maquinaria dispostas na encosta, são praticamente as últimas do complexo, a Sudoeste. No lado oposto, a Nascente, a maior parte das construções tinham carácter residencial, destacando-se sobretudo o «bairro» de pequenos compartimentos, alinhados em notória extensão e dispostos em dupla plataforma, que constituíam as «casas dos mineiros». Por último, é ainda possível identificar as instalações sanitárias, o «clube», a «venda» e até uma pequena cavalariça." 1

História de Drave1

PR14 – Aldeia Mágica de Drave

"Para os que por ela se deixaram encantar, Drave é a «Aldeia Mágica», protegida pelas montanhas. Um mistério sublime, por desvendar. Sem eletricidade, água canalizada, gás, correio, telefone e telemóvel apenas a espaços, a «Aldeia Mágica» tem, por outro lado, o encanto das casas de xisto a contrastar com o caiado da capela, o murmúrio das águas da ribeira que por ali passa, o canto dos pássaros, o voo livre dos insetos. Para aqui chegar, há que percorrer um trilho de cerca de 4 quilómetros, desde Regoufe (PR14: Aldeia Mágica).

Desabitada desde 2009, tem beneficiado, desde 1992, da intervenção do Centro Escutista, na reabilitação de alguns edifícios. Drave é, assim, a Base Nacional da IV Secção do Corpo Nacional de Escutas, reconhecida, desde 2012, com o selo SCENES de excelência (Scout Centres of Excellence for Nature and Environment – Centros Escutistas de Excelência para a Natureza e o Ambiente), o único reconhecimento deste tipo na Península Ibérica, num total de apenas 13 centros escutistas mundiais." 1

Caminhe no distrito de Aveiro e pedale de bicicleta pelo norte de Portugal

O distrito de Aveiro tem dezenas de caminhadas e percursos pedestres muito bonitos, na serra, junto do mar, ria e rios, que pode aproveitar para os conhecer. No norte de Portugal há muitas ciclovias, ecovias e ecopistas que se pode percorrer, a caminhar ou de bicicleta, muitas delas por antigas linhas ferroviárias, agora convertidas em pista para as pessoas passearem.

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.
Fotos: Ondas da Serra.
1 - Arouca Geopark - aroucageopark.pt

 

Vídeo do PR14 – Aldeia Mágica de Drave

Vídeo do lago de Drave

Vídeo de Evento em Drave do Ondas da Serra em parceria com o Espaço Yoga

Lida 2576 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Ponte suspensa de Arouca para enfrentar o caminho do abismo

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”. Todos os que a visitam concordam que voar como Ícaro por entre nuvens, contemplando o abrupto abismo é façanha de meter medo e fora do alcance de comuns mortais. É esta aventura de arrojadas pessoas que lhe vamos contar, oriundas de diversos continentes, línguas e culturas. Estes homens, mulheres e crianças, algumas com medo, outros com ousadia, usaram um dia se enfrentarem e escrever seu nome nos anais das suas epopeias, porque o que é fraco para uns é forte para outros.   

Gralheira d'Água velho mar com fósseis e romano minerou ouro

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.