Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha G18 – Icnofósseis de Mourinha - Janarde - Arouca Ondas da Serra
terça, 31 maio 2022 15:30

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Janarde - Arouca com vista soberba sobre o vale do Rio Paiva

Janarde - Arouca

O Ondas da Serra regressou Arouca para conhecer a Janarde, perdida na confluência das Serras de Montemuro, Arada e Viso, que parecendo tão distante como a sinuosa estrada que lhe dá acesso, esconde poderosos tesouros naturais e do passado revoltoso da terra. Esta aldeia possui uns poucos casebres com vista deslumbrada sobre o Vale do Rio Paiva, uma capela em honra de São Barnabé, algumas casas recuperadas, quase todas com quintais com árvores de fruta, currais para o gado, uma fonte e um palanque simples para festas.

História da freguesia de Janarde - Arouca

Janarde - Arouca

“A antiga freguesia de Janarde era curato da apresentação do reitor da freguesia de Alvarenga. Por edital do Governo Civil de 3 março de 1896, a freguesia de Janarde foi anexada à freguesia de Alvarenga para efeitos administrativos. Em 1839, aparece na comarca de Lamego e no concelho de Alvarenga; em 1852 na comarca e concelho de Arouca.

Nos finais do séc. XVIII, os moradores de Carvoeiro, Telhe, Silveiras, Póvoa, Bacêlo, Meitriz e Janarde uniram-se e pediram a sua separação da freguesia de Sta. Cruz de Alvarenga, para criarem uma nova freguesia que teve como padroeiro S. Barnabé e como matriz a Capela de S. Barnabé, em Janarde. Esta petição foi deferida pelo Bispo de Lamego em 26 novembro de 1784. Opuseram-se o reitor da freguesia de Alvarenga e a Universidade de Coimbra. Os moradores dos referidos lugares recorreram ao Tribunal da Santa Igreja Patriarcal que por acórdão de 10 dezembro de 1803 decretou então a criação da nova freguesia.” 6

Esta freguesia de Janarde foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada à freguesia de Covelo de Paivó, formando uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Covelo de Paivó e Janarde com sede nesta última.

O que é um geoparque?

Em Janarde existem alguns importantes geossítos integrados no Arouca Geopark e um pequeno percurso pedestre para os conhecer, denominado PR5 – Livraria do Paiva. Apesar do seu nome para nós os Icnofósseis de Mourinha que conhecemos tiveram mais valor e deram-nos mais informação.  

“Um geoparque é uma área com expressão territorial e limites bem definidos que possui um notável património geológico, aliado a toda uma estratégia de desenvolvimento sustentável.

As três principais premissas de um geoparque são:

  • A geoconservação;
  • A educação para o desenvolvimento sustentável;
  • O turismo;1

Arouca Geoparque possui 41 geossítios sendo quatro de relevância internacional 

O Arouca Geopark, certificado pela UNESCO, é uma referência mundial de integração e identificação do património geológico para promover as regiões, tendo em Janarde alguns dos seus geossitios (locais de interesse geológico) mais significativos.

No total existem 41 geossítios que se destacam pela sua singularidade e notável valor do ponto de vista científico, didático e/ou turístico. Apresentam elevada relevância, com ênfase para quatro geossítios de importância internacional, a seguir mencionados:

  • Museu das Trilobites, denominado Centro de Interpretação Geológica de Canelas (CIGC), onde se podem encontrar restos fossilizadas das maiores trilobites que já viveram no mundo, algumas com mais de 30 cm;
  • Pedras Parideiras - Aldeia da Castanheira. Com uma vista soberba para a queda de água da Mizarela;
  • Frecha da Mizarela - Maior queda da água de Portugal;
  • Icnofósseis de Cabanas Longas e Mourinha

Capela de São Barnabé em Janarde

Capela de São Barnabé em Janarde

Janarde não possui uma capela com elevados recortes arquitetónicos ou românica construção, a sua humilde traça recorda a terra onde nasceu. Em frente um simples palco já serviu para populares grupos musicais ou cantores animarem festejos que agora terão porventura menos gentes para bailar, como antigamente até altas horas da madrugada. Em falta de animação olha soberbo para os Meandros do Paiva, que não lhe retira a saudade da turva visão.

“De personalidade vincada, como se o rosto forte estivesse a olhar o rio com a atenção de um vigia, Janarde faz estender o seu casario de xisto ao longo de um espigão de terra, em direção ao rio. De resto, o rio Paiva tem este encanto, de fazer crescer nas suas margens estes pequenos labirintos mágicos acastanhados e cinzentos, onde as pequenas igrejas têm sempre lugar central, como a caiada capela de São Barnabé, que dá as boas vindas a quem visita Janarde.

A festa do padroeiro continua a ser organizada pelas gentes da aldeia, de forma a manter-se como um dos pontos altos da vida comunitária. Janarde, como a generalidade das aldeias tradicionais que pontuam este lado do Arouca Geopark, já não é uma aldeia perdida.” 1

PR5 – Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Janarde é o ponto de partida para o percurso pedestre mais curto em extensão de Arouca, PR5 – Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha, mas dos maiores em significado e beleza.

“O PR5 - Livraria do Paiva é um percurso pedestre de pequena rota existente em Janarde, concelho de Arouca. O objetivo deste percurso é a visita aos geossítios do Arouca Geopark localizados nas redondezas, nomeadamente os Conheiros e Meandros do Paiva, a Livraria do Paiva e os Icnofósseis de Mourinha.“ 1

Característica do percurso pedestres PR5 – Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha

Ponto de partida: Junto à Igreja de Janarde;
Ponto de chegada: Junto à Igreja de Janarde;
Distância: 3,00 km;
Grau dificuldade: Médio;
Duração: 1,00 h;
Altitude máxima: 250 m;
Altitude mínima: 218 m;       

O que ver no percurso pedestres PR5 – Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha

  • Uma fauna e flora muito ricas;

    Fauna de Janarde - Arouca

  • G17 - Livraria do Paiva;
  • G18 – Icnofósseis de Mourinha;
  • G19 - Meandros do Paiva;
  • G20 - Cocheiros do Paiva;
  • Caminho da Mourinha;
  • Ribeiro da Mourinha;
  • Vale do Rio Paiva;

G17 - Livraria do Paiva | Estratos quartzíticos que lembram livros expostos

Livraria do Paiva - Janarde - Arouca

Os mitos bíblicos descrevem que outrora gigantes povoaram a terra e quem sabe eram amantes da literatura, que por um terrível feitiço foram transformados em pedra. Assim nos parecem as livrarias das serras, esta do Paiva, assim como a da Pena na Serra de São Macário, em São Pedro do Sul. Contudo tudo não passa duma analogia, já que a arrumação vertical das pedras e sua disposição nos parecem convidar a requisitar um grosso livro, se fossemos dotados de poderosa força e alta compleição. Não conhecemos o competente armarius (bibliotecário), que organizou o seu scriptorium (biblioteca), mas como dizia Umberto Eco, "O mundo está cheio de livros fantásticos que ninguém lê."

Livraria do Paiva formou-se através do deposito de areias, há cerca de 480 milhões de anos

Livraria do Paiva - Janarde - Arouca

“A Livraria do Paiva encontra-se sobre a ribeira de Mourinha (afluente do Paiva), onde se erguem imponentemente estratos quartzíticos que se encontram aqui de tal forma expostos e verticalizados que justifica a sua designação, numa clara analogia com as lombadas dos livros dispostos numa estante.

Estes afloramentos quartzíticos, de idade Arenigiano (Ordovícico Inferior), foram resultantes da deposição de areias, há cerca de 480 milhões de anos (Período Ordovícico), nas margens pouco profundas do paleocontinente Gondwana, em latitudes então muito próximas do Pólo Sul.

A verticalização dos estratos aqui presente relaciona-se com a colisão continental que veio dar origem à Pangeia e à formação da cadeia Varisca. Este processo compressivo levou à emersão de vastas áreas conduzindo, nomeadamente, à verticalização destes estratos que tinham sido depositados na horizontal.” 1

Leia também: Na Serra de São Macário em São Pedro do Sul, junto da aldeia da Pena, a natureza também criou a Biblioteca da Pena, que também já visitamos e aconselhamos a conhecer.

O QUE VISITAR NA SERRA DE SÃO MACÁRIO ONDE VIVEU O ERMITA

O que é um icnofóssíl?

“Um icnofóssíl é um fóssil de vestígios de atividade vital (isto é, de atividade biológica) de organismos do passado (do grego icnós, traço, vestígio + fóssil).

Por exemplo, são icnofósseis os fósseis (mineralizações, incarbonizações ou moldes) de pegadas, de pistas de deslocação, de marcas de dentadas, de excrementos, de ovos, de túneis e de galerias de habitação, etc.” 5

G18 – Icnofósseis de Mourinha | Pistas com vestígios da deslocação de seres vivos no fundo do mar

Icnofósseis de Mourinha - Janarde - Arouca

Este é daqueles locais que se não soubéssemos de antemão o que podíamos ver passava despercebido. Apesar de conhecermos a sua existência, quando chegamos junto da rocha referenciada num primeiro momento nada conseguíamos vislumbrar.

O nosso eficiente cérebro, ao interpretar a informação visual pensa que ali só existem rochas e não se importa com os pormenores onde reside toda a diferença. Só depois de descermos para junto do penedo por um estreito carreiro, apurado a visão e o tato é que começamos a perceber os estranhos contornos e relevos e encontramos o primeiro rasto com milhões de ano e depois o processo de identificação melhorou e começamos a descobrir todas as pistas do passado destas criaturas. Por vezes temos que ser nós a forçar o cérebro a entender e identificar o que está a ver e nós temos experiência que nem sempre é fácil.

Como somos amantes da paleontologia adoramos este local, onde apreciamos uma cápsula do tempo, naquelas provas do passado aprisionadas na dura rocha. Estes rastos são na sua grande maioria de trilobites, organismos marinhos há muito extintos, que dominaram a terra e viveram num mar pouco profundo, deambulando pelo leito marinho, na sua busca diária por alimento, fuga aos predadores ou reprodução, mas que um cataclismo as extinguiu.

Icnofóssil com uma pista de Cruziana furcifera com mais de 3,5 m de comprimento

Icnofósseis de Mourinha - Janarde - Arouca

“Os Icnofósseis de Mourinha ocorrem em afloramentos que se caracterizam pela quantidade e diversidade de icnofósseis de idade Arenigiano (Ordovícico Inferior). Destacam-se aqui diversas superfícies de estratificação, bastante verticalizadas onde são facilmente observáveis inúmeros e diversificados icnofósseis, nomeadamente de Cruziana ispp., com merecido destaque para uma pista de Cruziana furcifera com mais de 3,5 m de comprimento.

A dimensão das placas e a excelência dos icnofósseis representados conferem-lhe um elevado interesse paleontológico e a possibilidade de realização de moldes para coleções museológicas. O facto de constituírem vestígios da atividade de organismos contemporâneos à sedimentação confere-lhes interesse estratigráfico. Uma vez que o registo iconológico se preservou devido à ocorrência de fatores sedimentológicos e paleogeográficos especiais e raros, este é também um dos interesses aqui a realçar.

Cem metros antes da primeira casa, agora em ruínas, avista-se do lado de lá um impressionante escarpado constituído por placas verticalizadas que lembram as lombadas de livros numa estante. É a livraria do Paiva, importante monumento geológico! Mesmo ali, aos pés do visitante, numa parede que mais não é que um fundo marinho verticalizado, veem-se uma imensidão de marcas fossilizadas do que foram os rastos de animais marinhos de há 450 milhões de anos!

Acede-se ao local por um pequeno e estreito carreiro. Dada a morfologia do terreno, de forte inclinação, é exigida elevada precaução, muito especialmente com as crianças. Local ideal para descansar e saborear a merenda, o regresso faz-se pelo mesmo caminho. Quando chegar a Janarde, tem percorrido cerca de 3.000 metros.” 1

G19 - Meandros do Paiva – Janarde - Vista soberba sobre o Vale do Rio Paiva

Meandros do Paiva – Janarde

Este percurso linear começa junto da fonte, onde existe um painel informativo, tendo depois duas derivações, a primeira junto da Capela de São Barnabé para nascente, para visitar ali perto os Meandos e Cocheiros do Paiva e outra para poente, regressando para trás para ir visitar a Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha. Na primeira derivação ao chegar junto ao cimo do monte, onde foi construído um pequeno cruzeiro, existe uma vista soberba sobre o Vale do Rio Paiva, com o rio a serpentear pelos montes, acompanhado de floresta ripícola e a Aldeia de Janarde, com os seus socalcos.

Meandos do Paiva - Falsos meandros induzidos pela tectónica e diferenciação litológica

Meandros do Paiva – Janarde

“Localizado junto á aldeia de Janarde e facilmente observável do ponto alto sobranceiro à mesma, este geossítio é composto por grandes sinuosidades no curso do rio Paiva. Na verdade, os <<meandros do Paiva>> não se tratam de meandros propriamente ditos, uma vez que estas estruturas apenas se formam em resultado exclusivo da dinâmica fluvial nas secções terminais dos rios. tratam-se sim de <<falsos meandros>> induzidos pela tectónica e diferenciação litológica, dando origem a uma paisagem de excecional beleza.” 1

G20 - Cocheiros do Paiva - Janarde - Arouca - Calhaus rolantes da serra

Cocheiros do Paiva - Janarde - Arouca

Ao subir para ver os Meandros do Paiva observe na encosta amontados de calhaus que constituem os “Cocheiros” e parecem que ali foram depositados propositadamente, mas que são fruto da erosão, das mudanças abruptas de temperatura, do inverno e verão, noite e dia e que vão desfazendo a dura pedra em lascas menores. Aqui no cimo o povo construiu um pequeno cruzeiro para agradecer ao Senhor tão bele criação, saiba o homem a manter sem estragar ou plantar com eucalipto. 

Caminho da Mourinha - Janarde - Arouca - ladeado de graníticas lajes

Caminho da Mourinha - Janarde - Arouca

No trajeto que o leva à Livraria do Paiva, vai passar pelo “Caminho da Mourinha”, por vezes ladeado de graníticas lajes, colocadas pelo homem e que lhe definem a passagem.

Ribeiro da Mourinha - Janarde - Arouca - preservação da floresta ripícola

Ribeiro da Mourinha - Janarde - Arouca

O pequeno Ribeiro da Mourinha é ladeado por rica floresta ripícola, muito importa para biodiversidade e que assume maior valor devido ao facto da pureza das suas águas e reduzida densidade populacional. A pequena ponte feita pelo homem foi levada pelas águas e no inverno por vezes o seu caudal pode impedir a travessia.

“Atravessa-se o ribeiro da Mourinha seguindo sempre pelo estreito caminho, de onde se atinge deslumbrante panorâmica sobe o vale encaixado por onde aquele corre, constituindo um autêntico corredor eco-fluvial ao longo de cujas margens se desenvolve uma vegetação ripícola constituída por salgueiros, amieiros, sanguinho-da-água e loureiros, entre outras e à sombra dos quais se desenvolve, luxuriante, o feto-real. Nas copas abriga-se vasta avifauna, da qual se destaca o rouxinol, o pisco, os chapins e os melros. Nas margens, vemos as alvéolas e, no leito, sempre furtivo, o melro-d’água. Por cima de nós, voando em círculos, a águia-de-asa-redonda.”1

A fauna “pornográfica” duma “orgia” de besouros num "Kama Sutra" de insetos

Besouros - Fauna de Janarde - Arouca

Não podemos interpretar a natureza com os nossos sujos olhos e por vezes mente toldada pela devassidão, mas também podemos levar as suas traquinices para a brincadeira. Nós somos amantes do microcosmo e por isso estamos atentos aos pequenos pormenores da mãe natureza, da vida dos insetos e formas das flores.

Estávamos nós já próximos da Livraria do Paiva, quando numas coloridas flores, decorria uma fervilhante atividade com besouros. Amontoados nas flores, ou nas suas bermas esperando a sua vez, os insetos faziam aquilo “que até os bichinhos gostão”, diz o povo numa frase grosseira e animalesca que não apreciamos.

No entanto um exame rigoroso não deixou de notar que fosse possível fazer um filme pornográfico, de uma orgia para os insetos, os besouros seriam os maiores protagonistas. Na flor os casais praticam todas as posições do “Kama Sutra”, até aquela que é o mesmo número de forma invertida, por cima, por vezes vários parceiros enroscados loucamente, lateral ou retaguarda.

Fauna de Janarde - Arouca

Claro que o objetivo dos insetos não é esse e não o fazem por razões românticas, mas não sabemos a sua linguagem para lhes fazer perguntas do género, “Então, que tal foi o bacanal?” Esperamos que os nossos leitores levem isto para a brincadeira e não nos chamem nomes.

A flora dos cardos planta do povo e dos saberes tradicionais

Cardos - Janarde - Arouca

Durante esta caminhada encontramos muitos cardos floridos onde pousavam as abelhas no seu mister incessante de recolha do pólen para o seu mel e não foi fácil conseguir a foto perfeita para documentar o nosso artigo, o diacho dos bichos não paravam quietos, pudera com tanta doçaria ficam hiperativos.

Descrição do cardo

“Cardo é o nome comum dado diversas espécies de plantas pertencentes ao género Cynara da família das Asteraceae.

Os cardos crescem em locais rochosos, sobretudo em terrenos barrentos, podendo ser encontrado na forma selvagem ou cultivada na Península Ibérica, na costa Atlântica da Europa, incluindo a Grã-Bretanha e a Irlanda.

Nas zonas meridionais e ocidentais do Mediterrâneo, no norte da África, nos arquipélagos da Madeira e das Canárias e na Argentina.” 7

Aplicações do Cardo

“De todas as espécies do género Cynara, apenas C. cardunculus spp. flavescens (cardo) é referida como sendo usada no fabrico de queijo. Contudo, tanto C. humilis como C. scolymus (agora C. cardunculus spp. scolymus (alcachofra)) mostraram possuir actividade coagulante. As flores são colhidas quando a planta começa a ficar senescente, isto é, durante os meses de Junho e Julho, sendo armazenadas em locais secos de forma a serem usadas na coagulação de leite durante o Outono e o Inverno.

A propriedade coagulante do leite da planta deve-se à presença de três proteases (ciprozinas 1, 2 e 3) produzidas na flor, principalmente nas pétalas e nos pistilos. Em Espanha e no sul de Portugal (Alentejo), usa-se muito o talo do cardo na alimentação. Este é cozido e depois misturado com outros ingredientes.” 7

Alfazema bela flor

Alfazemas - Janarde - Arouca

Fazer estes percursos na Primavera é sempre enriquecedor pelo florescimento das plantas que dão cor à paisagem, no entanto algumas destacam-se pela sua beleza e abundância. As alfazemas floridas crescem pelas bermas do percurso desta caminhada e pintam a paisagem da cor lilás, numa beleza efémera, mas que se renova para nosso deleite e que nos relembra a finitude da vida. É uma flor com múltiplas utilizações medicinais, podendo ser consumida em chã, mas cuja utilização deve ser ministrada e acompanhada por um terapeuta.

Alfazema para uso medicinal

“A alfazema é uma planta medicinal muito versátil, pois pode ser usada para tratar vários tipos de problemas como ansiedade, depressão, má digestão ou até picadas de inseto na pele, por exemplo, devido às suas propriedades relaxantes, calmantes, antiespasmódicas, analgésicas e antidepressivas

Esta planta também pode ser conhecida como Lavanda ou Lavândula, mas seu nome científico é Lavandula angustifolia e pode ser comprada em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação e em alguns mercados ou feiras livres.” 8

Aldeia de Portugal de Meitriz e Praia Fluvial de Meitriz

Praia Fluvial de Meitriz

Depois de conhecer Janarde, ainda fomos passar o resto do dia a Aldeia de Portugal de Meitriz e a sua praia fluvial, que fica muito perto. Esta praia possui excelentes qualidades para nadar, observar pássaros ou pescar se tiver as licenças adequadas. No local aproveitando a floresta ripícola foi construído um frondoso parque de merendas com mesas em madeira, onde pode comer ou aproveitar os assadores para fazer grelhados em segurança. Havemos de regressar a este local porque o dia estava cinzento e até acabou por chuviscar, mas não nos impediu de ir à água, que para nosso espanto tinha uma temperatura agradável. O desenvolvimento deste assunto ficará para o próximo artigo.

Galeria de fotos do Geossítio G18 – Icnofósseis de Mourinha

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra.

1 - aroucageopark.pt
2 - aldeiasdeportugal.pt
3 - riopaiva.org
4 - In Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2010
5 - ciencias.ulisboa.pt
6 - cm-arouca.pt/freguesias
7 - www.blog-flores.pt/flores-exterior/cardo/

 

Lida 321 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Meitriz aldeia de xisto com bela praia fluvial no Rio Paiva

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou. 

Ria de Aveiro: Conheça belo trilho escondido para BTT

As margens da extensa laguna da Ria de Aveiro, oferecem aos amantes da natureza, birdwatching, caminhadas e BTT, inúmeros locais paradisíacos para explorar. Alguns destes percursos estão já devidamente referenciados, mas há outros menos conhecidos que permitem viajar na companhia da ria, pelo lado lunar, por trilhos em terra batida, taludes ou passadiços. O Ondas da Serra ao longo do tempo foi explorando estes recônditos caminhos, catalogando e unindo alguns percursos menos conhecidos. Neste artigo vamos dar-lhe a conhecer um trilho entre Ovar e Aveiro, com mais de 80 quilómetros, pelo lado nascente da ria, assinalar cais, ribeiras e esteiros, pontos de interesse, fauna e flora. Vamos também disponibilizar os arquivos de tracking para os seus aplicativos de desporto, de forma a poderem também seguir a nossa exploração.

O que visitar na Serra da Arada no belo Trilho das Bétulas

Saltando sobre picos montanhosos, cruzamos a imensidão da Serra da Arada, no concelho de São Pedro do Sul, que irrompeu pelo Maciço da Gralheira, no reino das Montanhas Mágicas e aventureiros descobrem a Rota da Água e da Pedra. Nesta serra trilhamos a Rota das Bétulas, que começa junto do Retiro da Fraguinha, que encerra religiosamente um pedaço de turfeira, antigo tesouro do tempo das glaciações. Do alto do espetacular Miradouro da Ribeira Escura, vislumbramos as aldeias de Candal e Póvoas das Leiras, que se fazem acompanhar pela Ribeira de Paivó e uma levada que parte da Lagoa da Fraguinha. Os modernos moinhos de vento chegaram como maquiavélicas criaturas, dotados de eólicos braços, que prostrados em cimo dos penedos ameaçam tudo o que a vista alcança, brandindo as suas facínoras espadas. Vamos então viajar e conhecer estes recantos, onde tão desrespeitado tempo viajou para paragens mais afortunadas e bafejadas pela agitação, desassossego e humano desatino.